Record of Ragnarok: um primeiro olhar sobre o novo anime da Netflix

Record of Ragnarok: um primeiro olhar sobre o novo anime da Netflix

A primeira temporada de Record of Ragnarok já está disponível na Netflix. Esta é a adaptação animada do mangá seinen escrito por Takumi Fukui e Shinya Umemura e desenhado por Azychika, em processo de serialização desde 2017. A obra original, que em japonês se intitula Shuumatsu no Valkyrie, é publicada em nosso país pela editora NewPOP, onde atingiu recentemente seu quinto volume.

Em relação a série, ela está sendo bem recebida pelo público e pela crítica. Aqui estão nossas impressões iniciais após os dois primeiros episódios, dos 12 disponíveis na plataforma.

Humanos e deuses, a batalha final

Record of Ragnarok um primeiro olhar sobre o novo anime da Netflix

A cada mil anos, divindades de todo o mundo se reúnem no Congresso de Valhalla, onde, por meio de uma votação, decidem se deixam a raça humana viver ou se decretam sua extinção. Depois de optar pela segunda opção, a intervenção de Brunilde, a líder das Valquírias, convence Zeus e os outros deuses a dar à humanidade uma última chance por meio de Ragnarok. É um evento em que 13 campeões da humanidade terão que enfrentar 13 representantes do reino celestial, em uma luta até a morte, cujo resultado decidirá o destino da humanidade. Estas são as premissas, simples e essenciais, de uma obra leve e despreocupada – apesar dos tons apocalípticos do contexto – que se concentra em um único fator: a diversão do espectador graças às suas lutas .

Após uma breve introdução, no primeiro episódio já testemunhamos o início do primeiro confronto, aquele entre o poderoso Thor e o mais forte de todos os humanos, o líder Lu Bu, inspirado em um personagem da vida real da história chinesa.

Os vários lutadores da lista do Record of Ragnarok (termo perfeito também para esta ocasião) vêm de uma mistura bizarra de numerosos panteões- gregos, nórdicos e indianos, para citar os principais – e influências histórico-literárias que conferem à série uma variedade indiscutível e um excelente potencial quanto à espectacularidade dos confrontos.

Um recurso que, no entanto, ainda não foi totalmente explorado nos dois primeiros episódios. Se a primeira serve apenas para apresentar o contexto e os personagens do anime, na segunda o embate entre Thor e Lu Bu ainda não atinge o seu ápice devido à presença de flashbacks relativos aos dois personagens no meio da luta. Uma escolha apreciável que serve para dar maior profundidade às duas figuras, mas cuja localização poderia, sem dúvida, ser melhor administrada.

Batalhas

O anime Record of Ragnarok é produzido pelo estúdio de animação Graphinica, uma empresa que ficou conhecida recentemente pelos fãs por ter feito os três últimos episódios da série Hellsing Ultimate (do mangá de Kota Hirano). O trabalho do estúdio tem se mostrado, pelo menos até agora, muito fiel ao conteúdo e à estética da obra original. O segundo é provavelmente um dos pontos fortes, ou pelo menos o mais característico, da produção. A representação das divindades de Record of Ragnarok está, de fato, muito longe do cânone típico da cultura popular contemporânea. Basta pensar em Zeus, que aqui aparece como um velho aparentemente frágil cuja aparência lembra muito o Netero da série Hunter x Hunter.

Infelizmente, uma estrutura técnica adequada não corresponde a tal fidelidade artística ao material de origem. Os dois primeiros episódios de Record of Ragnarok mostram de fato desenhos e animações (principalmente os segundos) muito aquém do esperado.

Portanto, não temos aquele valor agregado que normalmente se espera na transição do papel para a pequena tela. O abuso de frames estáticos e uma paleta de cores bastante opaca completam o quadro de um setor técnico mais ou menos, que esperamos que só melhore nos episódios restantes.

Altos e baixos que também caracterizam o setor de áudio, que vê a música de Yasuharu Takanashi (Naruto: Shippuuden , Fairy Tail), e a dublagem japonesa se baterem. Alguns rumores sobre o último não parecem particularmente eficazes para os personagens relacionados, mas este é um aspecto que só podemos julgar conscientemente por ocasião da revisão completa.

Os primeiros episódios da adaptação animada de Record of Ragnarok nos convenceram em partes. Se por um lado o trabalho da Graphinica se mostra fiel ao mangá e respeitador da sua estética, por outro os desenhos, animações e, em geral, todo o aparato técnico, não pareciam capazes de melhorar o material de partida de uma forma apropriada.

Não é um pequeno problema para uma série que enfoca a espetacularidade e a euforia das lutas entre humanos e deuses que vão decidir o destino do planeta. Só nos resta esperar que os outros episódios tenham um nível de produção superior, capaz de fazer jus ao conteúdo muito válido da obra original.

Quer receber as principais notícias do Dinastia Nerd no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Redação do Dinastia N

Redação do Dinastia N

O Dinastia Nerd traz as novidades do mundo Geek/Nerd de forma dinâmica, precisa e com muita interatividade.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.