A Guerra do Amanhã: final da trama e origens alienígenas explicadas

A Guerra do Amanhã: final da trama e origens alienígenas explicadas

Atenção: esse artigo contém muitos spoilers.

No novo filme de ficção científica do Amazon Prime, A Guerra do Amanhã, Chris Pratt interpreta um ex-soldado que se encontra de volta ao combate quando é enviado para o futuro para lutar contra um exército implacável de alienígenas, eliminando a humanidade. Só quando Dan Forester conhece uma versão futura de sua filha, Muri (Yvonna Strahovski), ele percebe que ela nunca teve a intenção de salvar o futuro, mas de mudá-lo.

Dirigido por Chris McKay, A Guerra do Amanhã começa com várias dezenas de soldados do futuro transportando-se para o ano 2022. Liderados pelo tenente Hart (Jasmine Mathews), eles explicam que vêm do ano 2051, onde apenas 500 mil humanos são deixados vivos no planeta, e seus números estão diminuindo rapidamente. Para salvar a humanidade da extinção, os civis dos dias atuais são recrutados como soldados nesta guerra futura e enviados por um buraco de minhoca a tempo de fazer viagens de sete dias e lutarem. Apenas 30% dos convocados voltam vivos e, desses, muitos ficam com membros amputados e problemas psicológicos graves.

Quando chega a hora de Dan ser enviado para o futuro, ele descobre que Muri está liderando o braço de pesquisa dos militares e tem um plano para parar os alienígenas – chamados de “Garras Brancas (Whitespikes)” por causa de sua capacidade de disparar espinhos letais em combate – criando um toxina que os desintegra. Mas, embora ainda haja uma chance de salvar a humanidade, a única maneira de fazer isso é garantindo que essa guerra apocalíptica nunca aconteça.

Qual era o plano de Muri para o futuro

A Guerra do Amanhã final da trama e origens alienígenas explicadas

Os soldados que viajaram no tempo para recrutar pessoas a partir de 2022 para a guerra afirmaram que precisam de lutadores para vencer a batalha e começar a reconstruir a civilização. No entanto, a verdade é que Muri já sabia naquele momento que a guerra estava perdida, e sua intenção nunca foi salvar os restos mortais da humanidade em seu próprio mundo. O plano real, e a verdadeira causa pela qual todos os soldados convocados estavam lutando, era simplesmente ganhar tempo suficiente para criar uma toxina capaz de matar a garra-branca fêmea, de modo que a toxina pudesse então ser enviada de volta ao passado para prevenir que ela invada o planeta em primeiro lugar. Muri diz a Dan que ela e todas as outras pessoas em 2051 estão vivendo num “tempo emprestado”, e esse tempo foi pago pesadamente com sangue.

Muri parece estar sozinha em saber que este era o verdadeiro plano, porque o moral das tropas ainda sobreviventes em 2051 sem dúvida seria afetado se soubessem que não havia esperança para eles, exceto ter sua linha do tempo apagada. No entanto, os soldados recrutados na década de 2020 nunca foram exatamente enganados. Eles foram informados de que precisavam lutar para salvar seus filhos e netos, e seus sacrifícios deram a Muri tempo suficiente para criar a toxina e enviá-la de volta. Nesse sentido, ela foi capaz de salvar não apenas os poucos filhos e netos ainda vivos em sua própria linha do tempo, mas também os bilhões de pessoas que já haviam sido mortas, apagando seu futuro apocalíptico e dando-lhes um futuro melhor.

De onde os alienígenas vieram

A Guerra do Amanhã final da trama e origens alienígenas explicadas

Na linha do tempo original de A Guerra do Amanhã, os alienígenas apareceram repentinamente no norte da Rússia em 2048 e rapidamente se espalharam pelo globo a partir de lá, erradicando a população para apenas 500 mil pessoas no espaço de três anos. Supunha-se que os Whitespikes (Garras-Brancas) eram altamente avançados e inteligentes e haviam pousado suas naves na Terra tão furtivamente que nenhum satélite ou sistema de radar foi capaz de detectá-los. No entanto, isso não condiz com o que foi visto dos Whitespikes durante a Guerra do Amanhã; eles não usam armas ou tecnologia e dominam os humanos por meio de força bruta, em vez de estratégia e malícia. Quando Dan e o resto da equipe finalmente encontram a nave dos Whitespikes na Rússia, essa estranha contradição é explicada.

Os Whitespikes não são uma raça inteligente, mas são armas biológicas que estavam sendo transportadas como carga por uma espécie alienígena de inteligência superior e uma experiência um pouco mais humanóide. Os alienígenas parecem ser colonos intergalácticos, que usavam os garras brancas como um meio de limpar as formas de vida existentes nos planetas, a fim de seguir em frente e estabelecer sua própria espécie nesses planetas. Infelizmente para esses alienígenas (e para a humanidade), eles acabaram caindo acidentalmente na Terra. O antigo estudante obcecado por vulcões, Martin (Seth Schenall), explica que as cinzas nas garras dos Whitespikes são da erupção da montanha Paektu em 946 DC, conhecida como a Erupção do Milênio, que foi poderosa o suficiente para espalhar cinzas até o norte Rússia. Isso significa que os alienígenas caíram na Terra há mais de mil anos.

O surgimento dos Whitespikes é o resultado da mudança climática e do derretimento das calotas polares, que em 2048 haviam descoberto a nave acidentada no norte da Rússia. Os Whitespikes (ao contrário dos alienígenas que pilotam a nave) foram mantidos em contenção criogênica avançada que lhes permitiu sobreviver, mas quando o gelo derreteu, eles podem ter sido perturbados por predadores que se aventuraram na nave, ou pela própria nave se movendo. Quando alguns dos Whitespikes são injetados com a toxina e morrem, o barulho de suas mortes é o suficiente para acordar os outros, então, presumivelmente, algo semelhante aconteceu na linha do tempo original. Ao chegar aos Whitespikes cedo, destruindo a colônia a bordo da nave e matando a rainha, Dan apaga o futuro apocalíptico da linha do tempo e torna possível um futuro melhor.

O fim da Guerra do Amanhã cria um paradoxo?

A Guerra do Amanhã final da trama e origens alienígenas explicadas

O fim da Guerra do Amanhã cria um problema clássico de viagem no tempo conhecido como o paradoxo do avô. O nome é baseado no exemplo de uma pessoa que viajou no tempo para matar seu próprio avô, o que os impediria de nascer e, portanto, de voltar no tempo para cometer o assassinato, o que significa que seu avô sobreviveria, o que significa que eles nasceriam afinal, e seriam capazes de viajar no tempo para matá-lo e etc… Até bugou minha cabeça com isso!

A princípio, parece que os futuros recrutadores que aparecerão na Guerra do Amanhã estão tomando medidas para evitar o paradoxo do avô. Há uma regra que determina que apenas pessoas que morreram antes do ano 2051 são convocadas para a guerra. Embora não seja explicitamente declarado, faria sentido se eles também evitassem recrutar pessoas que estavam destinadas a ter outro filho, para garantir que essas crianças ainda nascessem.

A revelação do verdadeiro plano de Muri e a mudança de Dan na linha do tempo joga isso pela janela, no entanto, e cria um novo problema. Como a linha do tempo apocalíptica foi apagada, a sequência original de eventos que levaram os soldados a serem enviados de volta para alertar sobre o desastre que se aproxima não acontecerá mais. Ao apagar as circunstâncias que levaram à guerra, Dan também apagou as circunstâncias que levaram à criação da toxina Whitespike e seu próprio conhecimento prévio do ataque alienígena. A Guerra do Amanhã sabiamente evita levantar a questão desse paradoxo ou de outras complexidades da viagem teórica e, em vez disso, trata a derrota preventiva de Dan sobre os Whitespikes como uma vitória direta. Ainda assim, é uma pergunta que pode incomodar os espectadores depois que o filme termina.

Dan ainda Morrerá em sete anos?

A Guerra do Amanhã final da trama e origens alienígenas explicadas

Na linha do tempo original, Dan e Emmy (Betty Gilpin) se separam quando Muri tem 12 anos e se divorciam quando ela tem 14, e Dan morre em um acidente de carro em 2030, quando Muri tem apenas 16 anos. Embora Muri mais velha não entre em detalhes sobre por que Dan deixou sua família, as sementes da linha do tempo original são plantadas em na abertura de A Guerra do Amanhã. Dan perde um emprego que queria desesperadamente e acaba chutando uma das rodas de sua lixeira, mostrando um temperamento que pode acabar se revelando letal para seu casamento. Ele também ainda tem um relacionamento muito ruim com seu próprio pai, James Forester (JK Simmons), que abandonou Dan quando ele era criança. Embora Dan pareça ser um bom marido e pai amoroso em 2022, suas frustrações na carreira e seus problemas não resolvidos podem tê-lo azedado com o tempo, criando as circunstâncias que levaram ao seu divórcio e, eventualmente, à sua morte.

Agora que Dan foi avisado das circunstâncias originais de sua morte e experimentou em primeira mão a dolorosa perda de sua filha no futuro, parece improvável que as coisas se desenrolem da mesma maneira que originalmente. Afinal, ele agora é reconhecido como um herói e salvador da Terra, e no final da Guerra do Amanhã ele começou a restaurar seu relacionamento com seu próprio pai. Já que ele morreu como resultado de um acidente de carro, e não como resultado de câncer ou doença hereditária, mesmo a menor mudança em seu futuro poderia garantir que o acidente de carro nunca aconteceria e ele teria uma chance de uma vida longa. O mesmo vale para os outros recrutas que sobreviveram à guerra, uma vez que todos foram informados da data e das circunstâncias de suas mortes e, portanto, podem evitá-los se possível.

O verdadeiro significado do fim da Guerra do Amanhã

A Guerra do Amanhã final da trama e origens alienígenas explicadas

A Guerra do Amanhã é em grande parte, e às vezes explicitamente, uma alegoria para o impacto da mudança climática sobre os filhos e netos da geração atual. Em sua mensagem de abertura ao povo de 2022, a tenente Hart diz que eles estão convocando seus pais e avós para agirem agora para salvá-los. E quando Dan chega em 2051, fica claro que neste ponto já é tarde demais para salvar a humanidade; nada do que eles fizerem em 2051 pode evitar sua extinção, porque eles precisavam ter agido há décadas. Embora muitas pessoas da década de 2020 estejam dispostas a agir, outras protestam contra o esboço argumentando que a guerra de 2051 não é a guerra deles e, portanto, eles não deveriam ter que lidar com ela. A conexão entre o derretimento das calotas polares e a liberação dos Whitespikes eleva esse contexto.

Esse significado maior da história também se encaixa no drama familiar de A Guerra do Amanhã. Assim como Muri e os outros sobreviventes em 2051 estenderam a mão e pediram ajuda, o relacionamento de Dan com seu pai só começa a curar quando ele é capaz de deixar a dor do passado para trás e pedir a ajuda de James. Depois de destruir os Whitespikes, o pai e o filho voltam para casa e James é apresentado à sua neta pela primeira vez. Esta cena final captura a mensagem do resto do filme: será tarde demais para mudar as coisas no futuro, mas ainda não é tarde demais.

Quer receber as principais notícias do Dinastia Nerd no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Rafael Nicácio

Co-fundador e redator do Dinastia, é um dos responsáveis pela administração do site. Conta com a experiência de ter atuado nas assessorias de comunicação do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e da Universidade Federal do RN. Trabalha com administração e redação em sites desde 2013 e, atualmente, também administra a página oportaln10.com.br.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.