Destaques, , RN

Em 2019, mais de 13 mil casos suspeitos de chikungunya foram notificados no RN

A chikungunya é uma das doenças mais debilitantes entre as transmitidas pelo Aedes aegypti. Quando apareceu no Rio Grande do Norte, causou confusão na população por ainda ser desconhecida. O temor da população é justificado porque, em 2019, 13.596 casos suspeitos da doença foram registrados. São 387 registros para cada 100 mil habitantes do estado.

Destaques, RN

Casos de chikungunya aumentaram 121% no Rio Grande do Norte

Os casos confirmados de chikungunya no Rio Grande do Norte aumentaram em 121% quando comparados ao mesmo período de 2018. É o que apresenta o último Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), com dados coletados até o dia 22 de junho. A Sesap destaca que o aumento dos casos já

Destaques, Natal

Natal já registrou mais de 6 mil casos de dengue, zika e chikungunya em 2018

Até a última quarta-feira (4), Natal registrou um total de 6.585 casos de arboviroses – dengue, zika e chikungunya. Este número é mais do que o dobro dos casos notificados no mesmo período do ano passado, quando a capital chegou a 2.553 ocorrências. Os dados alarmantes foram divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). De

Destaques, RN

Projeto experimental trata gratuitamente de pacientes que tiveram Chikungunya

O curso de Fisioterapia da Estácio Ponta Negra retomou o atendimento gratuito à pacientes com dores crônicas ocasionadas pela ocorrência de Chikungunya, doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. Desta vez, será utilizado um novo método: Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua (ETCC), como um projeto experimental. De acordo com o professor Clécio Gabriel de Souza, coordenador

Saúde

Pacientes que tiveram Chikungunya podem ter complicações vasculares crônicas

A segunda fase da pesquisa “Complicações Vasculares na Febre Chikungunya”, idealizada por profissionais do Hospital das Clínicas da UFPE, revelou que 50% dos pacientes que tiveram a doença persistiram com inchaço nas pernas – mesmo após a fase aguda da arbovirose. A iniciativa do hospital, que é administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh),