Você saberia dizer quais são os fatores que podem impedir uma pessoa de obter a carteira de motorista? Certamente, você já se perguntou algumas vezes se qualquer pessoa pode ter a sua habilitação ou se há restrições quanto a isso.

Neste artigo, irei comentar sobre a importância e as vantagens de se obter a carteira de motorista e as limitações com que algumas pessoas podem se deparar na hora de obter o documento.

Outra questão que irei abordar faz menção às doenças que, em algumas situações, podem comprometer o desempenho na direção. Então, leia o artigo até o final e saiba um pouco mais sobre essas questões que envolvem o processo de habilitação.

A conquista da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) é, realmente, um bom motivo de comemoração para o candidato. Ela traz vários benefícios, pois, com a carteira em mãos, a pessoa tem mais autonomia e independência, além de proporcionar mais praticidade e conforto.

Inclusive, certas empresas, ao contratarem funcionários, solicitam a retirada da CNH. Portanto, uma pessoa habilitada possui um diferencial que contribui muito para o seu ingresso no mercado de trabalho. Por essa razão, o número de pessoas habilitadas trafegando nas vias está se tornando cada vez maior.

O que talvez você não saiba é que nem todas as pessoas são consideradas aptas a fazer a carteira de motorista.

Por exemplo, quando o candidato é portador de determinada doença, comprovada por laudo emitido pelo médico e pelo psicólogo, é possível que a emissão da CNH seja impedida.

É o caso da Diabetes, uma doença bastante comum entre os brasileiros. Por si só, a doença não impede uma pessoa de obter a CNH, porém, ela poderá causar riscos ao motorista. O diabético, pelo fato de apresentar um nível de glicemia instável, poderá sofrer queda de açúcar no sangue e sentir tonturas, visão turva e, até mesmo, desmaios.

Portanto, o diabético deverá tomar certos cuidados na direção, como, por exemplo, não dirigir com o estômago vazio e sem ter medido o nível de glicemia.

Conforme a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), algumas doenças psicológicas, como esquizofrenia e depressão, também podem deixar as pessoas incapacitadas em relação ao uso do volante.

Veja o que diz a Resolução n° 425 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), de 27 de novembro de 2012:

 “Considerando a necessidade de adequação da legislação para conferir o direito de recurso aos condutores e candidatos à habilitação para conduzir veículos automotores, referentes ao exame de aptidão física e mental e à avaliação psicológica;

 

 Art. 1° O exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento das entidades públicas e privadas para realização destes, de que tratam o art. 147, I e §§ 1° a 4° e o art. 148 do Código de Trânsito Brasileiro, bem como os respectivos procedimentos, obedecerão ao disposto nesta Resolução.”

 Como são feitas as avaliações?

  • Avaliação psicológica – Nela são averiguados, por meio de técnicas e métodos específicos, os desenvolvimentos psíquicos do candidato para ver como ele recebe e processa a informação, como age na hora de tomar decisões, como é o seu comportamento e como avalia a si mesmo. Esses testes são aplicados obedecendo às regulamentações do CFP (Conselho Federal de Psicologia).

O candidato que apresentar sinais de agitação, agressividade, cansaço, instabilidade emocional ou exaustão poderá ser julgado como sendo inapto temporário. Nesses casos, o candidato terá de passar por nova avaliação e, somente após o tratamento dos diagnósticos, a CNH poderá ser emitida.

O candidato será julgado inapto para a direção caso apresente sinais de agressividade, depressão e impulsividade acima do tolerável ou sinais que acusem doenças psicológicas, como esquizofrenia, que geralmente é caracterizada por fobias, paranoias, distúrbios bipolares, síndrome do pânico.

A avaliação psicológica faz parte das exigências do processo de emissão da primeira CNH, sendo que, quando ela é renovada, somente os motoristas profissionais são obrigados a realizar o teste.

  • Avaliação física – Nesta modalidade de avaliação, o candidato deverá responder a um questionário. Após respondido, o conteúdo do questionário será avaliado por um médico perito. Depois dessa etapa, o candidato terá de fazer exame cardiovascular, sensorial (audição e visão), neurológico e de sono (aplicado para as categorias C, D e E), conforme informou o médico e diretor da Abramet, Alberto Sabbag.

Essa avaliação também tem a função de analisar as dificuldades de locomoção de cada pessoa. Desta forma, será observado se há a necessidade de adaptação do veículo e, além disso, será feita uma avaliação de faces e uma morfológica.

Sabbag afirma que, além das análises já mencionadas, o candidato passará por análises que identificam se existem casos de perturbações de atenção, de concentração e de indícios de uso de entorpecentes. Também será averiguado se há sinais na pele (colorações) ou malformações que possam oferecer risco para o desempenho do candidato ao volante.

Mas tudo dependerá do laudo emitido pelo médico e pelo psicólogo. Se o médico julgar necessário, poderá solicitar exames complementares, os quais deverão ser realizados em clínicas particulares.

A avaliação física faz parte das exigências para a emissão da primeira CNH, assim como para as renovações da carteira, realizadas a cada cinco anos.

Por isso, lembre-se: para que sejam constatadas as limitações atuais do condutor, assim como as consequentes necessidades, um novo exame médico e de direção (prático) deverá ser realizado.

Este artigo foi útil para você? Caso tenha ficado com alguma dúvida, entre em contato com o Doutor Multas a qualquer momento e solicite mais informações gratuitas! Deixe seu comentário. Compartilhe!

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.