Mundo

Vaticano e China estão próximos de acordo histórico

vaticano
Vaticano (Foto: Reprodução / Internet)

(ANSA) – O Vaticano e a China estão próximos de alcançar um acordo histórico sobre a nomeação de bispos no país asiático, informou o cardeal de Hong Kong, John Tong Hon, em uma matéria publicada nesta sexta-feira (10) pelo jornal “Sunday Examiner”.

De acordo com o religioso, as duas instituições conseguiram atingir um “consenso inicial” sobre o tema, considerado o “obstáculo central” para a retomada das relações bilaterais que foram cortadas em 1951. Esse consenso teria definido que é o Papa da Igreja Católica quem dará a palavra final sobre a nomeação dos bispos.

“Um grupo de trabalho foi instituído e, através dele, ambas as partes buscam resolver os problemas acumulados. [O principal] é a nomeação dos bispos e depois de uma série de conversas, chegou-se a um consenso preliminar que levará a um acordo sobre a nomeação dos bispos”, informou.

Desde a década de 1950, existe na China uma “igreja oficial” e a Igreja Católica de Roma atua quase que na clandestinidade. No entanto, a nomeação de bispos para as dioceses chinesas são feitas pelo próprio governo e não pelo Pontífice, como é tradicional em todas as partes do mundo.

“Segundo a doutrina católica, o Papa tem a última e é a mais alta autoridade de nomeação de um bispo. Se o Papa tem a última palavra sobre a dignidade e a idoneidade de um candidato episcopal, as eleições da Igreja local e as recomendações da Conferência Episcopal da Igreja Católica na China serão simplesmente uma maneira de repassar informações”, acrescentou.

A Conferência não é reconhecida pelo Vaticano e, comumente, dá “conselhos” aos cristãos que nada tem a ver com a doutrina da Igreja Católica. Por exemplo: na última edição da reunião da entidade, em dezembro do ano passado, um dos principais líderes do governo chinês, Yu Zhengsheng, discursou e pediu que os católicos chineses promovam o “comunismo e o patriotismo” pela religião.

No entanto, desde que o papa Francisco assumiu o posto de líder da Igreja, ele vem tentando acelerar as negociações para por fim – ou amenizar – as divergências em prol dos católicos do país.

Sobre os sete bispos nomeados recentemente sem a autorização do Vaticano, o cardeal lembra que eles “escreveram para o Papa e disseram estar dispostos a pedir perdão”. Já quando foi questionado sobre os temores de um envolvimento do Vaticano com um Estado que limita a liberdade de culto, Tong destaca que permitir que o líder da Igreja nomeie os bispos é “uma liberdade fundamental”.

“A Igreja nos ensina a escolher o menor de dois males. Portanto, sob o ensinamento do princípio do realismo que o papa Francisco ensina, é claro qual o percurso que a Igreja Católica na China deve percorrer”, finalizou o cardeal.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.