Jose-Mujica

(ANSA) – A Câmara dos Deputados do Uruguai aprovou a criação de uma comissão de inquérito sobre um suposto caso de corrupção durante o mandato de José Mujica (2010-2015) envolvendo a empreiteira brasileira OAS.

A comissão foi aprovada por apenas um voto de diferença (50 a 49), graças à desobediência do deputado Gonzalo Mujica, da Frente Ampla, aliança à qual pertence o ex-mandatário e seu sucessor, Tabaré Vázquez. Apesar do sobrenome, o parlamentar não tem parentesco com José Mujica.

O objetivo é investigar irregularidades no contrato para a construção de uma planta de extração de gás operada pela empresa de energia GNLS, sociedade criada pela filial brasileira da francesa Gaz de France (atual Engie) e pela japonesa Marubeni e que contratou a OAS para as obras.

Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira, está preso por seu envolvimento no escândalo de corrupção na Petrobras. Segundo o deputado Pablo Abdala, do oposicionista Partido Nacional, que apresentou a denúncia, vários depoimentos à Justiça do Brasil indicam que a operação envolveu propinas, além de o projeto não ter sido concluído, causando um prejuízo de mais de US$ 65 milhões aos cofres públicos.

O caso nasceu em outubro de 2013, quando o Estado uruguaio concedeu à GNLS o direito de construção e operação da planta. Por sua vez, a empresa contratou a OAS para elaborar o projeto executivo da obra e realizá-la. Já a empreiteira brasileira subcontratou diferentes companhias uruguaias para diferentes tarefas.

Segundo Abdala, ele obteve documentos da Justiça brasileira que mostram que o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), na época ministro do Desenvolvimento de Dilma Rousseff, se reuniu com um alto funcionário do governo uruguaio para obter o contrato para a OAS, o que acabou acontecendo.

Pimentel já foi indiciado duas vezes pela Polícia Federal por suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro na campanha que o elegeu em 2014. Ele teria recebido propina da Odebrecht para liberar um financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) quando ainda era ministro.

Além disso, a PF investiga suposto pagamento de propina de R$ 3 milhões ao governador pela OAS, com base na delação premiada do empresário Benedito Rodrigues Oliveira, o Bené, que atuou na campanha de Pimentel. O dinheiro teria sido pago justamente para favorecer a empreiteira no Uruguai.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.