Negócios

Stake chega ao Brasil para facilitar o acesso à Bolsa de Nova York

Ter a chance de acessar um mercado de ações internacional e que reúne as maiores empresas do mundo é um objetivo distante para a maioria das pessoas e, também, um assunto que gera interesse e curiosidade.

Para mudar essa perspectiva, a plataforma global Stake disponibilizará aos latinos americanos, incluindo os brasileiros, um novo mundo de possibilidades com investimentos no mercado de ações americano – onde estão concentrados os papéis de empresas como Apple, Microsoft, Amazon, Facebook e muitas outras.

A Stake permite que os investidores comuns – que não possuem grandes fortunas, possam acessar ações diretamente de Wall Street cortando toda a burocracia que existe para abrir uma conta em uma corretora de investimentos nos EUA.

A empresa iniciou as atividades em 2017 obtendo um crescimento significativo: são mais de 25.000 usuários no mundo inteiro que estão aproveitando o acesso, simples e em tempo real ao mercado dos EUA. Está competindo com gigantes americanos e outras startups, como Robinhood na abertura do mercado para o resto do mundo.

“Nosso diferencial é fazer com que o usuário da Stake seja o protagonista de todas as negociações tendo total liberdade de tomada de decisões: ele é quem decide quando comprar ou vender ações”, conta Matt Leibowitz, australiano CEO da Stake.

Como vai funcionar a Stake no Brasil?

Num primeiro momento, a Stake disponibilizará plataforma digital que permite o acesso aos produtos de maior liquidez nos EUA, aqueles que são mais fáceis na hora das negociações de compra e venda. O cliente poderá acessar, em tempo real, uma das mais de 3.300 ações do mercado americano.

A operação acontecerá pelo app e site, e o usuário vai precisar se cadastrar e depois transferir os recursos em moeda local para um parceiro cambial. Depois de recebido o dinheiro, ele será convertido em dólar e disponibilizado na conta do cadastrado. Assim, o usuário poderá ver seu saldo em dólar e escolher em qual ação irá investir.

Toda a burocracia geralmente enfrentada nessas operações ficará a cargo da Stake e, também, os usuários terão uma equipe especial para orientá-los sobre dúvidas a respeito do funcionamento da plataforma.

“As pessoas, não importam onde vivam, deveriam ter oportunidades iguais. A Stake foi criada para entregar a melhor experiência de negociação para o maior e mais importante mercado mundial. Nós chegamos para democratizar os mercados de ações globais. Entendemos que essas negociações devem ser simples, acessíveis e possibilitar liberdade de escolhas e opções”, completa o CEO.

Já é possível fazer parte deste novo mundo de possibilidades: basta acessar o link hellostake.com/br e se cadastrar.

Indicando para amigos permitirá acesso antecipado e, também, a distribuição de kits e valores em dólares para serem utilizados na plataforma. O lançamento oficial da plataforma acontecerá em fevereiro, no dia 14.

Read More...

Mundo

Príncipe Philip sofre acidente de carro, mas sai ileso

Batida ocorreu perto da residência de Sandringham, em Norfolk

(ANSA) – O marido da rainha Elizabeth II, príncipe Philip, de 97 anos, sofreu um acidente de trânsito nesta quinta-feira (17), perto da residência de Sandringham, em Norfolk, mas saiu ileso.

Segundo o Palácio de Buckingham, a batida também envolveu outro veículo, cujos dois ocupantes sofreram ferimentos leves. De acordo com a BBC, o duque de Edimburgo dirigia um Range Rover, mas o carro capotou ao tentar fazer uma conversão.

Testemunhas disseram que ajudaram Philip a sair do veículo e que ele estava “tremendo”, mas consciente. O príncipe voltou para Sandringham, onde foi examinado por um médico. Ele se retirou da vida pública em agosto de 2017 e não participa mais de eventos oficiais como representante da realeza.

Read More...

Agenda Cultural

Raul Seixas: tributo ao Maluco Beleza acontece neste sábado (19)

O ídolo do rock brasileiro, Raul Seixas, será homenageado no próximo sábado (19) com o especial Quem não tem colírio usa óculos escuros, que acontece no Buds Pub.

Os grandes sucessos e as músicas lado b que os fãs amam serão revisitados pelo carioca e radicado em Natal, Gustavo Concentino & Blue Mountain. Acompanham Gustavo, o baixista Paulo Ricardo no baixo, Emerson Carpegianne no saxofone e Samir Santos na bateria. O show começa às 21h e a entrada custa R$ 10. Os drinks Pina Colada e Sex on the Beach clonados até às 23h.

Buds

O Buds Pub oferece um cardápio de petiscos exclusivos e produzidos com insumos potiguares como é o caso da prestigiada linguiça de bacon. Os chopps artesanais de produtores do RN, marca registrada da casa, completam a noite de boa música, comida e bebida.

Serviço

“Quem não tem colírio usa óculos escuros” no Buds Pub

Horário: 21h

Entrada: R$ 10

Informações e reservas: (84) 99917-8488

Local: Av. Gov. José Varela, 2771 – Capim Macio / Natal

Read More...

Mundo

Você está sendo vigiado e provavelmente perderá seu emprego

“Deus sonhou o homem, o homem sonhou a máquina e a máquina sonha Deus”, frase do pensador Dietmar Kamper. Esta frase nunca foi tão atual. Hoje, todos os dias, somos bombardeados de notícias sobre os avanços da tecnologia e, na maioria das vezes, não paramos para nos perguntar sobre suas consequências.

As tecnologias de vigilância estão cada vez mais avançadas. Hoje, alguns metrôs pelo mundo já conseguem identificar cada cidadão. Mas não é somente nas cidades. As redes sociais sabem tudo. Somos vigiados das ruas às redes. Os nossos aparatos gravam tudo: textos, áudios, etc. Você por acaso já leu os termos de uso das redes sociais que utiliza?

A quantidade de dados que tais empresas recebem de nós é gigantesca. Esses dados viram informações para as mais elaboradas estratégias de marketing. No fim, trabalhamos para tais máquinas e entregamos nossos dados para elas nos venderem coisas. Mark Zuckerberg nos conhece melhor do que nossas próprias mães, afinal, ele é dono de pelo menos três redes sociais super famosas do mundo.

Foto: Pixabay

Além disso, as inteligências artificiais estão cada vez mais desenvolvidas. Com a vigilância, elas aprendem cada vez mais sobre nós e nossas profissões, sobre o que fazemos e como fazemos. Yuval Noah Harari afirma que até 2050 muitas profissões irão se extinguir. Muitos setores serão automatizados.

A tecnologia tem nos distanciado. A depressão, o suicídio e as redes sociais estão mais ligados do que imaginamos. Paralelamente ao desenvolvimento dos computadores e da internet, a taxa de suicídio no mundo aumentou cerca de 60%, segundo a OMS. No ritmo do pensamento de Yuval, que haverá uma grande mudança social nos próximos anos, acredito que o setor que mais deva evoluir, não visando o mercado, mas por necessidade social, é o da Psicologia.

O sentido de vida foi perdido e deve ser retomado. Os remédios não darão conta do vazio da alma humana. Sem uma inteligência emocional e uma saúde psíquica, estaremos fadados no mínimo às histerias coletivas, no máximo à extinção. E as redes sociais têm corroborado muito com
esse prognóstico.

O fato é que, se a máquina está nas ruas e nas redes, presa aos nossos corpos com os aparelhos de última geração, registrando para o bem ou para o mal até nossos batimentos cardíacos, ela tende para a onisciência, onipresença e onipotência. Com certeza, sonha ser Deus.

*Artigo publicado por Leonardo Torres, 28 anos, Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática.

Read More...

Mundo

Microsoft destina US$500 mi para construção de casas nos EUA

(ANSA) – A Microsoft anunciou nesta quinta-feira (17) um investimento no valor de US$500 milhões para a construção e manutenção de moradias públicas na região de Seattle, nos Estados Unidos.

De acordo com o jornal norte-americano “New York Times”, os investimentos serão destinados para a região de Redmond. Cerca de US$25 milhões do montante irá priorizar a situação de sem-tetos.

A Microsoft tem uma sede no local e pretende expandi-la. A ideia é de que o valor possa auxiliar seus mais de oito mil funcionários a encontrarem uma casa perto do local de trabalho.

A medida é uma iniciativa da companhia de Bill Gates para reduzir as desigualdades na área em que as grandes empresas de alta tecnologia estão concentradas.

Read More...