Portal N10

Tremores são registrados em João Câmara (RN)

A cidade de João Câmara – 74 km distante da capital, registrou 17 tremores de terra na madrugada desta segunda-feira (12). De acordo com o Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN), os tremores ocorreram entre 00h e 6h – o maior atingiu magnitude de 2,1 na escala Richter.

A magnitude de 2,1 é de pequena intensidade e quase não é sentido por moradores das regiões afetadas. Na maioria das vezes não provoca desastres, apenas balanço de telhas, portas e pequenas fissuras dependendo da estrutura de cada construção.

Áreas sísmicas ativas

De acordo com o LabSis, a borda da Bacia Potiguar (Rio Grande do Norte e leste do Ceará), é uma das áreas sísmicas mais ativas do Nordeste do Brasil.

Sismo de João Câmara em 1986

Uma serie de abalos sísmicos destruíram a maior parte do município no ano de 1986. A sequência de tremores de terra que atingiram a região foi a mais espetacular, melhor estudada e documentada atividade sísmica ocorrida no Brasil.

No dia 30/11/86, às 05h 19min 48 s (hora local), aconteceu o principal tremor de toda a série, com magnitude 5.3. Ele foi seguido por centenas de réplicas, quatro delas com magnitude maior ou igual a 4.0. Danos significativos ocorreram tanto na área urbana como na rural fazendo com que grande parte da população abandonasse a cidade.

Ações da Secretaria de Defesa Civil, além de entidades estaduais e federais, ajudaram a minimizar os problemas dos habitantes locais. Os sismos destruíram/danificaram 4.000 casas e 500 delas foram reconstruídas adotando certas normas anti-sísmicas, desenvolvidas pelo Batalhão de Engenharia do Exército. Os grupos de sismologia da UnB, da USP e da UFRN desdobraram esforços para documentar, estudar e mesmo orientar as autoridades diante da constância dos abalos sísmicos. Confira matéria exibida em rede nacional pela TV Globo:

Escala Ritcher

Criada em 1935 pelo sismólogo americano Charles F. Richter, integrante do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a escala Richter foi desenvolvida para medir a magnitude dos terremotos, que consiste no ato de quantificar a energia liberada no foco do terremoto. É uma escala que se inicia no grau zero e é infinita (teoricamente), no entanto, nunca foi registrado um terremoto igual ou superior a 10 graus na escala Richter. Um dos fatores é que ela se baseia num princípio logarítmico, ou seja, um terremoto de magnitude 6, por exemplo, produz efeitos dez vezes maiores que um outro de 5, e assim sucessivamente.

Leave A Reply

Your email address will not be published.