Títulos de renda fixa continuam mais rentáveis mesmo com queda da taxa Selic

Títulos de renda fixa continuam mais rentáveis mesmo com queda da taxa Selic

novembro 8, 2017 0 Por Rafael Nicácio

Com a decisão da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a taxa básica de juros (Selic) para 7,50% ao ano, alguns fundos de renda fixa acabaram perdendo a competitividade frente à poupança. As altas taxas de administração cobrada pelos bancos – entre 0,50% a.a e 3% a.a –, são um dos principais fatores para que isso ocorra.

O cenário é distinto na modalidade RDB, via PoupaBrasil Investimentos, que não cobra nenhuma tarifa ou taxa de administração, além de possuir excelente rentabilidade e garantia integral do FGC – Fundo Garantidor de Créditos.

Segundo o CEO do PoupaBrasil Investimentos, Cláudio Ferro, existem ganhos satisfatórios nesse cenário. “Apesar da previsão de nova queda, estamos com uma inflação muito baixa apontando para 3,2% ao ano. A taxa de juros caindo até o final do ano para 7,0% ao ano, teremos juros real em torno de 4,0% a.a. Que é uma ótima taxa”, aponta. Ferro informa ainda que, os rendimentos no PoupaBrasil para um investimento de quatro anos, se baseiam em taxa equivalente a 118% do CDI, que equivale a 8,85% ao ano – bem superior à poupança, tesouro direto e títulos de renda fixa de grandes bancos.

Nesse tipo de aplicação, sob o ponto de vista da taxa de juros real, a rentabilidade ainda é grande e, mesmo com tendência de queda da taxa de juros. Analistas do mercado financeiro apontam que a inflação em 2018 ficará ao redor de 4,0% e a taxa de juros deverá manter o patamar de 7,0%, existindo ainda uma margem de juros real em torno de 3,0% ao ano”, afirma Ferro, com olhar otimista.

Reflexos no dia a dia do consumidor

O controle da inflação e a, consequente, manutenção das taxas de juros, refletem a clara intenção do governo em estimular a economia, já que os juros menores impulsionam a produção e o consumo. Essa queda também influencia os bancos a baixarem suas taxas para tomadas de empréstimos e parcelamentos. Porém, é importante alertar as pessoas que possuem a intenção de buscar créditos que tomem muito cuidado e deixem que o consumo seja focado nas reais necessidades e objetivos para não se endividarem.

Portanto, é importante que os consumidores brasileiros aproveitem estes momentos para iniciar sua poupança, por meio de investimentos mais rentáveis.

Simulação realizada no dia 07/11/2017:

R$ 10.000,00

1 ano

2 anos

4 anos

PoupaBrasil

R$             10.792,89

R$        11.957,60

R$        15.343,24

CDB

R$              10.694,10

R$        11.670,48

R$        14.295,49

Poupança

R$              10.526,48

R$        11.079,10

R$        12.271,16

R$ 60.000,00

1 ano

2 anos

4 anos

PoupaBrasil

R$           64.757,36

R$     71.745,59

R$     92.059,42

CDB

R$           64.164,59

R$     70.022,88

R$     85.772,93

Poupança

R$           63.158,88

R$     66.474,62

R$     73.626,99

R$ 100.000,00

1 ano

2 anos

4 anos

PoupaBrasil

R$         107.928,94

R$   119.575,98

R$   153.432,37

CDB

R$         106.940,98

R$   116.704,81

R$   142.954,88

Poupança

R$         105.264,80

R$   110.791,03

R$   122.711,64

Para mais notícias sobre Economia, clique aqui!

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!