Negócios

Profarma teve aumento de 13% na Receita Bruta

A Profarma divulgou nesta segunda-feira, dia 22 de julho, os resultados do segundo trimestre de 2019 (2T19). Neste período, a receita bruta consolidada do Grupo Profarma atingiu R$ 1,3 bilhão, o que representa crescimento de 13% na comparação com igual trimestre do ano anterior, enquanto o Ebitda foi de R$ 31,8 milhões, superior em 11% ao apresentado no 2T18.

A Companhia também obteve melhoria em seu ciclo de caixa, apresentando redução de 1,5 dia frente ao ciclo observado no mesmo trimestre de 2018. A evolução operacional da Profarma fica mais evidente ao considerar a evolução do Ebitda acumulado nos 12 meses, encerrado em julho de 2019, com aquele registrado em igual período do ano anterior. De junho/2018 a julho/2019, o Ebitda consolidado somou R$ 103,7 milhões, ante R$ 62,1 milhões nos 12 meses anteriores, com alta de 67% no período.

Aliado ao melhor desempenho operacional, as despesas financeiras líquidas no 2T19 apresentaram redução de R$ 1,3 milhão em comparação com o 2T18. Com isso, o lucro líquido no trimestre foi de R$ 2,3 milhões, resultado 53,3% superior ao lucro de R$ 1,5 milhão obtido no 2T18.

No final do 2T19, a dívida liquida consolidada ficou em R$ 448,5 milhões, demonstrando ainda o impacto dos investimentos em estoques adicionais, em função do reajuste anual de 4,3% nos preços de medicamentos autorizado pelo governo em março. Assim, o indicador dívida líquida/Ebitda ficou, ao final do 2T19, em 4,3 vezes, uma redução de 28,5%, comparado ao índice de alavancagem de 6,0 vezes registrado há um ano, no encerramento do 2T18.

O vice-presidente de Finanças e Relações com Investidores da Profarma, Max Fischer, destaca a evolução contínua dos resultados operacionais: “Essa é a primeira vez, depois de anos, que o fluxo de caixa de um segundo trimestre do exercício apresenta geração positiva de caixa a partir das atividades operacionais: R$ 21,8 milhões no trimestre. Comparado ao mesmo período do ano passado, o aumento do caixa gerado nas operações foi de R$ 51,3 milhões, uma vez que, no 2T18, as atividades operacionais levaram à aplicação de caixa de R$ 29,5 milhões”.

Destaques por Divisão

DISTRIBUIÇÃO FARMA

A Divisão registrou evolução de 19,1% na receita bruta, quando comparada com o 2T18, e incremento de 63,6% no Ebitda, atingindo R$ 23,4 milhões, com margem Ebitda de 2,2%. O ciclo de caixa apresentou redução de 1,5 dia no período, atingindo 28,9 dias, principalmente, em função da diminuição de 3,2 dias nos estoques. O menor ciclo de caixa representou redução de capital de giro da ordem de R$ 20,0 milhões.

DIVISÃO VAREJO

O faturamento médio por loja foi de R$ 504,0 mil, com evolução de 5,4% em relação ao registrado no 2T18. O ticket médio foi de R$ 46,10, um crescimento de 9,0%, considerando a mesma base de comparação. O ganho de eficiência operacional se reflete no Ebitda de R$ 7,6 milhões do trimestre, montante 29,5% superior ao registrado no 2T18, a despeito da redução líquida de 16 lojas no decorrer dos últimos 12 meses, encerrando o 2T19 com 198 lojas. A margem de contribuição atingiu 7,9%, 0,5 p.p. acima, na comparação com o mesmo período de 2018, e quase 2,0 p.p. superior à do primeiro trimestre do ano.

Read More...

Negócios

Varejo farmacêutico fatura R$ 120,3 bilhões e cresce 11,76%

Com os dados finais referentes à 2018, o mercado farmacêutico mostrou mais uma vez sua força, crescendo muito acima da economia nacional. Segundo dados da IQVA, o faturamento das farmácias durante os 12 meses do ano passado foi 11,76% maior se comparado com o mesmo período do ano anterior. Isso significa que foi faturado R$ 120.331.216266,40.

Os dados foram comparado com os 12 meses de 2017, quando o faturamento das farmácias do Brasil tinha sido de R$ 107.669.025.621,42.

“O mercado farmacêutico vem crescendo de forma sistemática na faixa de dois dígitos e muito acima do PIB, comparando 2017 com 2016 o aumento já tinha sido de 12,08%. Considerando que em 2018 o PIB brasileiro deve ficar em torno de 1% a 2%, o dado é realmente muito positivo e que esse mercado continua a ser promissor”, explica Edison Tamascia, presidente da Febrafar.

Destaque associativista

O grande destaque no período foi o crescimento das farmácias das redes associativista ligadas à Febrafar, que no mesmo recorte cresceram 19,14%, passado o faturamento de R$ 11.249.574.733,70 para R$ 13.403.271.477,16.

“Vemos que as farmácias das redes associadas à Febrafar que estão utilizando as ferramentas de gestão disponibilizadas estão se destacando, pois passam por uma maior profissionalização, percebem como é o mercado e crescem acima da média”, explica Tamascia.

Projeção para 2019

Ainda segundo Tamascia, para 2019, as previsões de crescimentos do faturamento devem se manter nas mesmas faixas. Com o mercado farmacêutico em geral crescendo cerca de 10% e as associativistas 20%.

“Para 2019 existem alguns paradigmas a serem desvendados em função de um novo governo, com proposta diferente e algumas incertezas. Contudo, devemos ter um PIB melhor do que os últimos quatro anos, com uma economia mais pujante. Tirando essa questão, não se deve ter muita modificação nos rumos atuais do mercado”, avalia o presidente da Febrafar.

Um dado que é observado na análise do mercado é que o crescimento só será consistente se esse se der em função da profissionalização das lojas e não apenas na abertura de novas lojas.

Com base nisso, Tamascia faz um alerta: “Para os empresários independentes, se não acompanharem a evolução do mercado, a situação é de dificuldade. Com a mudança no comportamento e nas exigências do consumidor, se ele não se adequar e se mostrar competitivo nos preços e qualidade, possivelmente passará por dificuldades”.

Por mais que se tenha um sistemático crescimento no mercado farmacêutico, uma coisa fica clara na análise dos números: esse crescimento não se mostra uniforme para todas as lojas. Assim, como em qualquer mercado, apenas obterão destaque as farmácias que buscarem por uma maior adequação.

Read More...

Destaques, RN

Profarma: empresa do ramo farmacêutico planeja instalação no RN

Representantes da secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Secretaria de Tributação do Estado participaram de um encontro com o diretor jurídico da Profarma para discutir a chegada da empresa ao Rio Grande do Norte.

A Profarma é uma distribuidora de medicamentos presente em diversos estados do país, atuando na venda de atacado e varejo e na venda especializada de fármacos de alto custo e para tratamentos crônicos ou de alta complexidade, sendo esta última categoria o foco das discussões.

O encontro abriu diálogo sobre o futuro do segmento no Rio Grande do Norte e sobre a necessidade de um estudo de modelo de tributação segmentado, que possa englobar de forma mais eficiente a venda de produtos farmacêuticos especiais, como os que são negociados pela Profarma Specialty, podendo ser fornecidos a hospitais, clínicas, profissionais da saúde e clientes que necessitam de suporte diferenciado.

O secretário de desenvolvimento econômico Jaime Calado debateu sobre a posição estratégica do Aeroporto Internacional Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, para a instalação de empresas como a Profarma e explicou sobre o potencial do estado para receber também o segmento de varejo e indústrias relacionadas à marca.

O aeroporto de São Gonçalo foi planejado nos moldes de aeroporto-cidade e possui estrutura nos arredores para comportar galpões e centros de distribuição de grandes investidores, com fácil acesso à BR 406, BR 226 e BR 101, que atravessa o país até o Rio Grande do Sul. O secretário também lembrou do grande potencial de vendas devido ao constante fluxo de pessoas no interior do aeroporto.

Read More...