Universo

NASA descobre sinais da presença de água na Lua

Cientistas podem estar muito próximos de encontrar água na Lua, uma descoberta que poderia ajudar a criar combustível para foguete e ar respirável para futuras colônias. De acordo com o portal Techie Notícias , cientistas da NASA conseguiram mapear os níveis de hidrogênio dos depósitos íngremes usando dados da sonda espacial Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO).

O mapa mostra níveis surpreendentes de hidrogênio em uma área muito específica: as encostas das crateras do hemisfério sul da Lua, que, de acordo com os astrônomos, pode ser a melhor esperança da humanidade para encontrar água potável na superfície do satélite.

Os investigadores da NASA dizem que também poderia ser possível encontrar hidrogênio na forma de hidroxol, o que representa um átomo ligado a um átomo de oxigênio. Os cientistas acreditam que a água lunar poderia ser utilizada para consumo humano e seus componentes (hidrogênio e oxigênio), para a fabricação de combustível de foguete ou ar respirável.

Read More...

Universo

EUA prepara regulação para atividade comercial na Lua

Os Estados Unidos estão preparando uma autorização para atividade comercial na Lua, como a criação de “casas infláveis” na superfície do satélite natural da Terra. Com a autorização, empresas dos EUA poderão adquirir territórios na Lua com o mesmo procedimento necessário para poder lançar foguetes no espaço, relata a Reuters.

A informação vem de uma carta enviada pela Administração Federal de Aviação (FAA) a Bigelow Aerospace, uma empresa norte-americana que faz habitats espaciais infláveis ​​para uso no espaço. Isto significa que se Bigelow coloca um de seus artefatos na Lua terá direitos exclusivos para o território onde estiver instalado.

Lua será habitada com "Casas infláveis" (Foto). Foto: Reprodução/Nasa

Lua será habitada com “Casas infláveis” (Foto). Foto: Reprodução/Nasa

A Bigelow planeja enviar seu habitat inflável para a Estação Espacial Internacional ainda este ano para mantê-los como postos avançados no espaço que poderia ser usado em turismo espacial. Então, em 2025, a ‘casa inflável’ será transferida para a lua. No entanto, a empresa disse à Reuters que as novas regras não significam que qualquer pessoa pode possuir a lua.

Agência dos EUA diz que isso é parte de um tratado da ONU sobre o direito de espaço que proíbe qualquer governo tome posse da Lua ou de qualquer outro corpo celeste. No entanto, não proíbe que empresas privadas coloquem objetos na Lua, que agora está autorizada pelo processo FAA.

As informações são do Actualidad RT.

Read More...

Universo

Cientistas do MIT dizem que o núcleo da Lua era um dínamo

Foto: © newsoffice.mit.edu

Os cientistas dizem que há cerca de 4.000 milhões de anos atrás o núcleo da Lua era uma espécie de dínamo impulsionado pelo enorme magnetismo que emitiam, mais poderoso do que o campo magnético atual da Terra e de longa duração. As informações são do Daily Mail.

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, sigla em Inglês) realizaram um estudo com base nos fatos conhecidos sobre as origens, a intensidade e a duração do campo magnético lunar, que revelou a possibilidade de que o nosso satélite possuía um núcleo fundido, semelhante a um dínamo, que persistiu entre, pelo menos, 4200 e 3560 milhões anos.

“O núcleo se agitava pelo movimento da camada sobrejacente sólida, de forma análoga a um misturador. O manto da Lua se movia em torno do seu eixo de rotação, e o seu movimento era milhões de vezes mais forte do que antes [da criação do dínamo], quando a lua estava mais perto da Terra. Tais dínamos mecânicos não são conhecidos em outro corpo celeste, fazendo da Lua um fascinante laboratório de física natural”, diz Ben Weiss, professor de ciências planetárias do MIT. Além disso, o MIT anunciou que o próximo passo da pesquisa envolve saber exatamente quando a cessação da atividade deste gerador de corrente elétrica. Os cientistas ainda não sabem se a lua gerou um campo magnético da mesma forma que a Terra, ou se os campos magnéticos observados na lua foram produzidos por forças externas.

Read More...

Universo

Astrônomos descobrem a outra “lua” da Terra

A Lua, tradicional satélite natural da Terra por mais de quatro bilhões de anos, poderá não ser a única companheira do nosso planeta. Astrônomos encontraram um objeto próximo à Terra, chamado 2014 OL339, que também leva um ano para completar uma volta em torno do Sol. As informações são do jornal Daily Mail.

O asteroide leva um ano para dar uma volta em torno de sol, e tem tudo para ser um satélite natural. Foto: NASA

O asteroide leva um ano para dar uma volta em torno de sol, e tem tudo para ser um satélite natural. Foto: NASA

Com as características muito parecidas, o objeto já está sendo chamado de “segunda lua” da Terra. A nova “lua”, que é na verdade um asteroide com 150 metros de diâmetro, está próximo da Terra o suficiente para se parecer com um satélite natural.

O asteroide foi descoberto acidentalmente em julho deste ano pelo astrônomo Farid Char, da Universidade chilena de Antofagasta e tem sido objeto de estudo para os irmãos Carlos e Raúl da Fuente Marcos, especialistas da Universidade Complutense de Madrid, na Espanha.

De acordo com os estudiosos, esse “novo companheiro de viagem ao redor do Sol” esteve próximo da órbita terrestre durante os últimos 775 anos e o ficará por mais 165.  Ele tem uma órbita elíptica e leva cerca de 364,92 dias para dar uma volta em torno do sol, ou seja, o asteroide e a Terra estão em órbitas ressonantes.

Read More...

Ciência

Pela primeira vez cientistas conseguem cultivar plantas em solos quase idênticos aos de Marte e da Lua

Um dos grandes sonhos da humanidade sempre foi habitar, ou pelo menos chegar a conhecer, outros planetas. O fato é que isso não é nada fácil e envolve uma série de coisas nada simples. Antes de criarmos uma base permanente na Lua ou em Marte, é necessário conseguirmos plantar a nossa própria comida por lá. Pensando nisso, uma equipe de cientistas da Holanda cultivou 14 espécies de plantas em solos que simulam a terra de Marte e da Lua.

Ao final da pesquisa, a conclusão é que o solo que simulava as condições de Marte se mostrou melhor para o cultivo de plantas até mesmo do que algumas amostras de terra do nosso planeta, o que é uma boa notícia para os astronautas. Contudo, há algumas ressalvas neste experimento.
O solo marciano vem de um vulcão do Havaí e tem uma composição química semelhante ao pó que a sonda Viking 1 analisou em Marte. O solo simulado da Lua é originário de depósitos de cinzas vulcânicas perto de Flagstaff, no Arizona. Os solos reais da Lua e de Marte parecem conter os ingredientes essenciais que as plantas necessitam, com exceção de nitrogênio reativo e uma fonte abundante de água. Apesar de esses solos serem semelhantes aos que seriam encontrados em Marte ou na Lua, eles contêm vestígios de nitratos e compostos de amônia – compostos a base de nitrogênio que as plantas adoram. Assim, o solo simulador não é um modelo perfeito.

Pote para cultivo de plantas em Marte e na Lua. Foto: History Channel

Pote para cultivo de plantas em Marte e na Lua. Foto: History Channel

Para o experimento, os cientistas plantaram, em potes, 14 espécies – incluindo cenoura, tomate, trigo, algumas ervas daninhas e quatro espécies que transformam o nitrogênio atmosférico em alimentos vegetais. Os cientistas também plantaram sementes em um solo terrestre de um rio, pobre em nutrientes. Ao todo, foram plantados 840 potes.
Os resultados foram promissores. A maioria das plantas cresceu em todos os três tipos de solos. Na verdade, muitas floresceram melhor no solo simulador de Marte do que na terra pobre do rio. As plantas tiveram um desempenho pior no solo lunar. As plantas fixadoras de nitrogênio, por exemplo, nem germinaram. Isso sugere aos pesquisadores que os agricultores lunares terão que usar bactérias fixadoras de nitrogênio ou até mesmo fezes humanas como adubo para fornecer algum tipo de nitrogênio ao solo.
“Nossos resultados mostram que, em princípio, é possível cultivar plantas e outras espécies de plantas, em simuladores de solo marciano e lunar,” escrevem os pesquisadores. “No entanto, muitas questões permanecem …”, tais como a quantidade de água retida pelos solos e como a gravidade, luz e outras condições em outros mundos podem afetar o desenvolvimento das plantas.

Fonte: History Channel

Read More...