Destaques, Economia

FGTS deve injetar R$ 330 bilhões na economia em 4 anos

O Brasil terá mais de R$ 330 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para investimentos em habitação, saneamento e infraestrutura nos próximos quatro anos, de acordo com orçamentos aprovados pelo Conselho Curador do FGTS, na sede do Ministério do Trabalho, em Brasília (DF).

A estimativa é de que esses investimentos beneficiem até 144,7 milhões de pessoas e gerem em torno de 6,7 milhões de empregos em todo o período. “É um bom orçamento. O Fundo está sólido e estável e continua sendo um importante instrumento para financiar o desenvolvimento do País”, comentou o coordenador-geral do FGTS, Bolivar Moura Neto.

Durante a reunião, os conselheiros aprovaram os orçamentos operacional, financeiro e econômico do FGTS para 2018 e o orçamento plurianual de aplicação para o período 2019-2021. Somente no próximo ano, serão mais de R$ 85,5 bilhões para os três setores, valor superior aos R$ 77,5 bilhões do Orçamento de 2017. Já em 2019 e 2020, o volume de recursos será de R$ 81,5 bilhões por ano, com mais R$ 81 bilhões em 2021.

Para a área de habitação, considerada o carro-chefe do orçamento do FGTS, estão previstos R$ 69,4 bilhões em 2018, R$ 68 bilhões em 2019, outros R$ 68 bilhões em 2020, e R$ 67,5 bilhões em 2021. A maior parte desses recursos é para habitação popular, com estimativa de R$ 62 bilhões por ano até 2020 e R$ 62,5 bilhões em 2021. “Na habitação, a execução de recursos do FGTS já é boa e estamos mantendo os valores para os próximos anos”, avaliou Moura Neto.

moradia cidadã rn

Foto: Divulgação / Fotos Públicas

Financiamentos – Ele lembra que, em meio à crise econômica, os bancos reduziram o volume de empréstimos com recursos da Caderneta de Poupança. “Os bancos, somados, financiaram 140 mil unidades nos últimos 12 meses. Só o FGTS financiou 470 mil unidades nesse período. Então, praticamente o FGTS é que está sustentando o mercado imobiliário”, observou. A expectativa, porém, é de que nos próximos anos a Poupança se recupere e os bancos voltem a utilizar recursos dessa fonte para os financiamentos.

Moura Neto salienta que o FGTS para habitação atende a uma grande parcela da população – no primeiro semestre deste ano, foram destinados mais de R$ 31 bilhões para o setor. Por isso, o orçamento dos próximos anos prevê uma fatia menor do bolo para o programa Pró-Cotista, voltado para a classe média. “O Conselho manteve o valor de R$ 5 bilhões por ano, operado historicamente no Pró-Cotista, justamente para que os bancos voltem a operar com recursos da Poupança para a classe média, e o FGTS seja mais voltado para a habitação popular, que é o foco do Fundo”, explicou.

A previsão do Conselho é de que os recursos para habitação atendam a 528,3 mil pessoas no próximo ano; 525,8 mil em 2019 e, também, em 2020; com mais 525,3 mil em 2021. O total chega a mais de 2,1 milhões de moradias financiadas com o FGTS nos próximos quatro anos.

Saneamento e infraestrutura – No saneamento básico, o orçamento do Fundo prevê R$ 6,8 bilhões em 2018 e mais R$ 6 bilhões por ano até 2021. Já para a infraestrutura urbana, a estimativa é de R$ 8,6 bilhões no ano que vem, com outros R$ 7 bilhões por ano até 2021.

A expectativa é de que esses investimentos beneficiem 41,8 milhões de pessoas em 2018 e 34,3 milhões por ano, até 2021, totalizando um acumulado de mais de 144,7 milhões de brasileiros atendidos com melhorias em saneamento e infraestrutura.

emprego

Empregos – Os recursos do FGTS também devem movimentar o mercado de trabalho no País. Segundo os números do Conselho Curador do FGTS, os investimentos em habitação, saneamento e infraestrutura urbana com dinheiro do Fundo vão responder pela abertura de mais de 6,7 milhões de novas vagas nos próximos quatro anos. A estimativa é de 1,7 milhão de empregos em 2018 e mais de 1,6 milhão por ano até 2021.

Os orçamentos aprovados pelo Conselho levam em consideração a estimativa de arrecadação do FGTS no período. Segundo Moura Neto, a expectativa é de que a arrecadação líquida volte a crescer, mas as projeções ainda foram conservadoras.

Ele explica que os números podem ser revistos, para mais ou para menos, dependendo de medidas que venham a ser adotadas pelo governo, ou aprovadas pelo Congresso Nacional, e que impliquem a utilização do Fundo. “Em 2017, foram utilizados R$ 45 bilhões só na liberação das contas inativas. Isso é quase 12% do volume total das contas”, lembrou.

ORÇAMENTO FGTS – 2018-2021

Em R$ mil

Discriminação

2018

2019

2020

2021

1. Habitação

69.470.000

68.000.000

68.000.000

67.500.000

1.1. Habitação popular

62.000.000

62.000.000

62.000.000

62.500.000

1.1.1. Pessoas físicas e jurídicas

52.500.000

52.500.000

52.500.000

53.000.000

1.1.2. Pró-Moradia

500.000

500.000

500.000

500.000

1.1.3. Descontos

9.000.000

9.000.000

9.000.000

9.000.000

1.2. Pró-Cotista

5.000.000

5.000.000

5.000.000

5.000.000

1.3. Operações especiais

1.500.000

1.000.000

1.000.000

0

1.4. Carteira administrada*

970.000

0

0

0

2. Saneamento básico

6.867.000

6.000.000

6.000.000

6.000.000

2.1. Saneamento para Todos

6.000.000

6.000.000

6.000.000

6.000.000

2.2. Carteira administrada*

867.000

0

0

0

3. Infraestrutura urbana

8.680.000

7.000.000

7.000.000

7.000.000

3.1. Pró-Transporte

7.000.000

7.000.000

7.000.000

7.000.000

3.2. Carteira administrada*

1.680.000

0

0

0

4. Operações urbanas consorciadas

500.000

500.000

500.000

500.000

Total

85.517.000

81.500.000

81.500.000

81.000.000

* Valores correspondentes ao orçamento remanescente das carteiras administradas.

Read More...

Economia

Dilma convida empresários italianos para investirem no Brasil

 

(Agência Brasil) – Em visita oficial à Itália a presidenta Dilma Rousseff apresentou as oportunidades de investimentos em obras de infraestrutura no Brasil ao primeiro-ministro do país, Matteo Renzi, e o presidente Sergio Mattarella. Dilma se reuniu com as autoridades italianas, nesta sexta-feira (10), em Roma.

“Discuti com o presidente e com o primeiro-ministro as oportunidades de investimentos que se abrem no Brasil na área de ferrovia, por exemplo. Várias empresas italianas podem participar dos leilões,  nas áreas de rodovias, portos e aeroportos. Convidei todos os empresários italianos a intensificarem sua presença no Brasil por meio da participação nessa nova fase do programa [Programa de Investimento em Logística]”, disse em declaração à imprensa acompanhada de Renzi.

A presidenta relatou que acertou com os mandatários italianos elevar o patamar da relação entre Itália e Brasil. “Acertamos hoje que nossas relações se darão no mais alto nível entre os ministros e com isso queremos fortalecer essa relação e garantir que ocorram modificações reais que levem essa relação a um patamar mais elevado.”

Em Roma, a presidenta também teve reunião com o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano.

Após a agenda em Roma, Dilma seguiu para Milão onde visitará, neste sábado (11), a Expo Milão 2015 uma das principais feiras de inovação e soluções criativas do mundo. O Brasil tem um pavilhão na feira onde apresenta sua capacidade de ampliar a produção de alimentos com tecnologias inovadoras e sustentáveis e possibilidade de atender às demandas mundiais.

Antes da Itália, Dilma esteve na Rússia para reunião de cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul.

 

Read More...