Destaques, Dicas de Saúde

Plantas medicinais como alternativa para equilíbrio e tranquilidade

Uma rotina intensa, decisões no trabalho, uma entrevista de emprego, realização de provas e concursos são situações que muitas vezes nos tiram a calma e até comprometem a qualidade do sono. Dentre as opções para manter a mente e o corpo tranquilos, as plantas medicinais, em preparações de infusão (o que chamamos de chá), se apresentam como alternativas paliativas de preparo simples e com benefícios comprovados cientificamente.

O uso consciente das plantas medicinais é aceito e preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com os dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 2013 e 2015, a busca pelo tratamento à base de plantas e medicamentos fitoterápicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) teve um crescimento de 161%.

A professora Ana Elizabeth Alves explica que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regula o consumo das plantas medicinais como fitoterápicos por meio de uma lista de espécimes que foram estudadas e que apresentam comprovação científica da sua eficácia na melhoria de sintomas de determinadas doenças. Raízes, folhas, flores, cascas e frutos têm propriedades para tratamento de uma infinidade de enfermidades. Antes do uso, no entanto, é importante verificar se há alguma sensibilidade a alguns dos componentes.

Para situações de estresse, a professora recomenda algumas plantas que podem ser utilizadas:

Funcho (Foeniculum Vulgare) ou Erva-Doce: As sementes concentram as maiores propriedades medicinais, contudo, as folhas também são utilizadas na medicina popular. O funcho relaxa os músculos lisos na área tônica digestiva. Como utilizar: fazer a infusão com três colheres de sopa de sementes secas de Funcho para um litro de água. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Camomila (Matricaria Recutita): A camomila é rica em propriedades sedativas e calmantes. Suas folhas e flores apresentam características medicinais. Como utilizar: fazer a infusão com suas folhas e flores. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Maracujá (Passiflora Incarnata): As folhas possuem efeito adstringente, agem como sedativo no tratamento da tensão nervosa e insônia. Como utilizar: fazer a infusão com uma folha fresca de maracujá para uma xícara de chá. Beba duas xícaras por dia.

Projeto dá orientações a idosos sobre uso consciente das plantas medicinais

O projeto de extensão do curso de Nutrição da Estácio Ponta Negra – denominado “Educação em saúde visando o uso racional de plantas medicinais e/ou fitoterápicos em grupos de idosos na cidade de Natal/RN” -, realiza encontros mensais com grupos da terceira idade no Serviço Social do Comércio do RN (SescRN). Estudantes supervisionados pela coordenadora do projeto, professora Ana Elizabeth Alves, já realizaram um levantamento das plantas medicinais mais conhecidas e utilizadas pelos idosos atendidos pelo grupo.

A partir destas informações, o trabalho terá continuidade com a promoção de palestras a fim de orientá-los sobre o uso consciente das plantas de acordo com suas necessidades e com a preconização do Ministério da Saúde. Também faz parte do projeto a realização de oficinas culinárias com preparações de chás, infusões e suchás junto aos idosos, de modo que possam fazer o uso correto das plantas medicinais e usufruir seus benefícios de forma segura. O próximo encontro mensal será no dia 19 de junho.

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde

Banana ajuda na digestão, combate o estresse e auxilia na perda de peso

A banana faz parte do dia a dia de muitas pessoas, no entanto, há aqueles que optam por não incluí-la em sua dieta por causa da crença generalizada de que é engorda. Longe de ser um vilão da dieta, a banana contém vários nutrientes e proporciona benefícios para a digestão, estresse e até mesmo para perda de peso.

Os benefícios da banana

A banana fornece muita fibra, assim como potássio, vitamina B6, vitamina C, magnésio, proteína e gordura, além de trazer vários outros benefícios para a saúde.

Ajuda a aliviar o estresse

A banana pode ser útil para superar a depressão e a ansiedade por ter altos níveis de triptofano, que o corpo converte em serotonina – o neurotransmissor cerebral que proporciona a sensação de bem-estar, de acordo com o canal Ciência Viva. Além disso, a vitamina B6 ajuda a relaxar e o magnésio relaxa os músculos.

benefícios da banana

Imagem de PublicDomainPictures por Pixabay*

Saciedade

A banana é rica em amido resistente – que é um tipo de amido que não é completamente digerido e absorvido no estômago ou no intestino delgado. Em vez disso, ele passa para o cólon e é convertido em ácidos graxos de cadeia curta. Ele reduz o apetite e aumenta a sensação de saciedade após as refeições.

Tem poderosos antioxidantes

Frutas e legumes são excelentes fontes de antioxidantes e bananas não são exceção. Esses antioxidantes trazem vários benefícios à saúde, como por exemplo, a redução do risco de doenças cardíacas e degenerativas.

Ajuda a perder peso

De acordo com o portal Helthline, nenhum estudo testou diretamente os efeitos da banana para perda de peso. No entanto, ela possui vários atributos que facilitam esse processo:

  • Não tem muitas calorias (uma banana média possui pouco mais de 100 calorias);
  • O amido resistente, que reduz o apetite.

Importante lembrar que antes de iniciar qualquer dieta em suas refeições diárias, é necessário consultar primeiro um nutricionista.

Read More...

Destaques, Saúde

Você sabia? Bruxismo causado por estresse pode levar a perda da dentição

“A doença do século é o estresse, visto que, na correria diária, o cúmulo de atribuições pessoais pode gerar desconforto e cansaço físico e mental. A Odontologia, como especialidade da área da saúde, não poderia estar alheia às consequências que tais situações que podem acarretar para a saúde física no meio odontológico”, afirmou Murilo Oliveira, que é coordenador do curso de Odontologia da Faculdade UNINASSAU Aracaju.

O professor e mestre em Odontologia observou que há diversos males causados pelo desequilíbrio emocional e, entre eles, está o ranger de dentes, que pode levar a perda total da dentição. “O bruxismo, nome dado a esse fenômeno, é uma doença neurossensorial e não de consequência odontológica”, certificou.

Murilo explica que a doença deve ser observada pelo diagnóstico da prevenção com atuação multiprofissional: “Entendemos que a condução clínica dos casos diagnosticados é realizada cientificamente através de um dispositivo interoclusal denominado placas miorelaxantes. Tais dispositivos não impedirão o apertamento e nem o ranger dos dentes, mas os protegerão contra o trauma e o desgaste”.

Como consequência, a doença causa a destruição dental, afetando a estética e a saúde de uma forma séria, já que provoca dores de cabeça, na região mandibular e do pescoço. Pessoas que sofrem com o bruxismo relatam estalidos e créptos, que são arranhões nas articulações tempero-mandibulares. “É comprovado que 95% dos fatores que desencadeiam a doença são emocionais e apenas 5% são locais”, observou o profissional.

Desconforto

Restaurações altas e próteses mal adaptadas causam incômodos e as pessoas costumam ranger os dentes em busca de mais conforto. Esse processo leva a perda dos dentes e um desconforto emocional. “O curso de Odontologia, dentro da grade curricular, oferece aos alunos uma disciplina especifica sobre dor orofacial e a prática para atendimento odontológico, afim de resolver situações como o Bruxismo”, explicou Murilo.

O professor exemplificou o curso da UNINASSAU, pelo qual é responsável, e disse que a Instituição trabalha com quatro estágios supervisionados. “Viabilizamos a atuação clínica dos alunos, desde o diagnóstico, até o tratamento, desenvolvendo suas habilidades e competências. Buscamos ainda, preparar o futuro profissional para o mercado de trabalho, pondo em prática o conceito de empregabilidade”, concluiu o mestre em Odontologia, Murilo Oliveira.

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde

Como o estresse nos afeta fisicamente? A ciência responde

O estresse é um dos males mais comuns da atualidade – por exemplo, 75% dos adultos norte-americanas revelaram numa pesquisa que sofrem com o problema. Em muitos casos, ele se tornar mais grave quando o subestimamos. Para evitar que isso aconteça, é importante saber como isso nos afeta fisicamente.

1. Problemas no sistema digestivo

Como o cérebro e o trato digestivo estão intimamente conectados, o estresse pode causar muitos efeitos negativos. Entre eles, a síndrome do intestino irritável, uma das consequências digestivas mais difundidas do estresse, embora não seja a única, como também há inflamações no estômago, úlceras e refluxo, especialmente quando o estresse é crônico.

2. A vida de nossas células

Todas as células possuem cromossomos. Os cromossomos, por sua vez, têm telômeros e estes, com estresse crônico, encurtam. Quando o telômero é afetado, a célula morre. Nesse sentido, o estresse nos afeta no nível celular, acelerando nosso envelhecimento ou tornando os sinais da velhice mais visíveis.

3. Vulnerabilidade do sistema imunológico

Quando uma pessoa sofre de estresse crônico, o hormônio cortisol se comporta de forma estranha e elevando sua presença no corpo. Por isso, o sistema imunológico começa a ignorá-lo. Quando esse sistema, que é aquele que defende nosso corpo da ameaça externa, começa a falhar, o corpo fica mais vulnerável.

Por um lado, o perigo de resfriados aumenta. Por outro lado, feridas comuns podem demorar mais para curar. E, quanto mais tempo demorar para curar nossas feridas, mais estaremos expostos a outras ameaças. Além disso, as vacinas são menos eficazes.

4. Propagação de doenças cardíacas

A ciência sabe que o estresse pode causar problemas cardíacos, embora os fatores determinantes não sejam bem conhecidos. Por um lado, tem sido relacionado à hipertensão arterial, por outro, as pessoas com estresse tendem a fumar mais ou a se alimentar de comidas menos saudáveis ​​do que as pessoas sem estresse.

Entre suas diferentes consequências, o estresse também pode causar a síndrome do coração partido.[ou tako-tsubo], nome dado à um problema cardíaco que acontece quando a pessoa sofre uma emoção negativa muito forte, como o término de um casamento, a descoberta de uma traição, um acidente, ou a perda de um ente querido. Acredita-se que excesso de adrenalina provado por este susto, por esta emoção forte, seja o responsável pelo mal funcionamento cardíaco.

5. Distúrbios mentais

Traumas na infância podem causar, no futuro, algumas doenças mentais. O professor Alan Brown, da Universidade de Columbia, descobriu que certos eventos da vida inicial aumentam o risco de sofrer esquizofrenia na vida adulta.

Mas, voltando ao assunto das mudanças físicas, o estresse pode causar mudanças na amígdala, especialmente em um estágio inicial de nossas vidas. Essas mudanças, além disso, muitas vezes foram relacionadas à ansiedade e à depressão.

Foto: Mandyme27 / Pixabay

6. Mudanças no metabolismo

Níveis elevados de cortisol podem causar a resposta do cérebro ao estresse para aumentar e gerar mudanças no metabolismo. Nesse sentido, podem surgir distúrbios alimentares ou distúrbios do sono, modificando totalmente o “relógio interno”.

Por outro lado, o estresse e suas mudanças nos níveis de cortisol podem causar danos no hipocampo e potenciar problemas de memória ou concentração e até mesmo a doença de Alzheimer.

7. Problemas ao dormir

O estresse pode causar alterações no nosso metabolismo e também afetar nossos ritmos circadianos. Nesse sentido, os problemas para dormir podem começar a aparecer, especialmente quando devemos seguir uma rotina que exige que levantemos cedo.

Por outro lado, o estresse também pode causar outros distúrbios do sono, como pesadelos. Nesse sentido, as mudanças no metabolismo tornam o cérebro mais ativo à noite e os pesadelos se tornam mais frequentes.

Lembre-se que antes dos sintomas de estresse, ansiedade ou depressão, a melhor decisão é consultar um médico especialista: o estresse não deve ser subestimado.

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde

6 hábitos que podem estar prejudicando sua saúde mental

Se você nunca experimentou situações de depressão ou ansiedade, é provável que conheça alguém que esteja passando por isso. Embora, de uma forma ou de outra, tentem ser felizes, ainda assim, existem certos hábitos perpetuados que podem prejudicá-lo em vários níveis.

Alguns têm que a ver com a continuação de uma tradição familiar, enquanto outros respondem às demandas de pressões sociais e culturais nas quais alguém está imerso. Agora, se você deseja modificá-los, primeiro você precisa identificá-los. Aprenda a reconhecer esses 6 hábitos que (embora você não perceba) podem estar prejudicando sua saúde mental.

1. Muito cafeína

Café, alguns chás e certos refrigerantes têm uma quantidade substancial de cafeína. Bem, se você é do tipo de pessoa que não começa sua manhã sem uma xícara de café ou almoço sem uma bebida do tipo coca-cola, temos uma má notícia para você… De acordo com estudos científicos, o excesso de cafeína está ligado ao aumento dos níveis de estresse e ansiedade .

Foto: Shixugang/Pixabay

Além disso, foi provado que este estimulante pode dificultar um bom descanso e afetar muito o humor. Tente então diminuir a quantidade de cafeína em sua dieta (especialmente à noite) e opte por beber sucos naturais, chás sem cafeína ou diretamente mais água.

2. Estilo de vida sedentário

Foto: Concord90/Pixabay

A ciência mostrou que um estilo de vida sedentário aumenta as chances de sofrer depressão e ansiedade. Na via contrária, a atividade física ajuda a liberar endorfinas, o que produz uma sensação de bem-estar e melhora o humor.

Além disso, aumenta a autoconfiança, lhe dar mais energia e assegura um bom descanso. Lembre-se então de incluir na sua rotina semanal um tipo de exercício que lhe agrade e que o encha de entusiasmo para praticar. Também tente permanecer ativo durante as horas que você dedica ao emprego.

3. Smartphone e computador

Foto: Free-Photos/Pixabay

Vários estudos foram encomendados para aprofundar os efeitos de passar muito tempo na frente das telas de computador, Smartphone tablet. Eles mostram que existe um estreito vínculo entre o tempo que gastamos (tanto no trabalho quanto no tempo de lazer) com esses aparelhos e a depressão .

Então, se durante a semana você passar várias horas por dia na frente de um computador, tente em casa não dedicar tempo excessivo às redes sociais. Passe a optar, em todos os casos, por passar um tempo ao ar livre e desfrutar da família e amigos sem ter que usar um dispositivo tecnológico.

4. Abusar dos carboidratos simples

Foto: Stevepb/Pixabay

Os carboidratos são significativos para manter os níveis de energia equilibrados. Eles também estão ligados à serotonina (um produto químico que promove bom humor e alegria). No entanto, você deve ter em mente que nem todos os carboidratos são igualmente recomendáveis.

Vegetais e grãos inteiros, por exemplo, contêm carboidratos complexos, enquanto os doces e outros alimentos processados ​​possuem carboidratos simples. O corpo assimila rapidamente carboidratos simples e o predispõe a um aumento significativo nos níveis de açúcar no sangue. Essas mudanças drásticas podem gerar mudanças de humor e aumento de irritabilidade e ansiedade.

Nesse sentido, uma dieta que possui uma grande quantidade de carboidratos complexos em comparação com carboidratos simples ajudará a manter os níveis de açúcar em equilíbrio. Portanto, evite refeições processadas e excesso de açúcares, sal e farinhas refinadas.

5. Pensando que tudo está além do seu controle

Foto: Loilamtan/Pixabay

Muitas pessoas têm o hábito de pensar que tudo o que acontece com elas é produzido por uma ação do destino. Segundo essa visão, a responsabilidade pelas ações de alguém é externa e incontrolável. Numerosos estudos associam este tipo de pensamento com um aumento nos níveis de ansiedade e depressão.

Infelizmente, até mesmo a menor situação pode ativar esses mecanismos. Se você costuma se sentir assim, pense que talvez você não possa mudar os eventos que acontecem com você, mas a maneira como você reage a eles. Esta será a chave para ser capaz de lidar com mais serenidade com os conflitos que podem aparecer.

6. Pensamento binário

Foto: SevenHeads/Pixabay

Existem muitas pessoas que tendem a ir de um extremo para o outro: ou é branco ou é preto; ou está certo ou está errado! Essa maneira de experimentar situações que ocorrem na vida, muitas vezes produz nervosismo e estresse. Nestes casos, é importante notar que é sempre bom estar aberto a diferentes opiniões, pois o levarão a uma vida com maior bem-estar e harmonia.

A saúde mental é um aspecto fundamental da vida e lhe fornece um campo fértil para ser capaz de funcionar fluentemente e aproveitar a vida ao máximo. Se você consegue reconhecer os hábitos que impedem você de alcançá-la, certamente será muito mais fácil superá-los e encontrar alternativas mais saudáveis.

Read More...