Educação

Projeto oferece bolsas de estudo para alunos de baixa renda

O programa de bolsas SOMOS Futuro 2020, uma iniciativa do Instituto SOMOS, braço social das redes Kroton Educacional e Somos Educação, está com inscrições abertas para o processo que selecionará estudantes brasileiros que desejam concorrer a uma das mais de 400 bolsas de estudo integrais em instituições de ensino que integram a sua rede. Podem participar da seleção alunos que estejam cursando o 9º ano em escolas públicas ou que sejam bolsistas integrais em escolas particulares, que tenham alto desempenho acadêmico e renda brutal familiar de até dois salários mínimos.

O processo de seleção é composto por quatro fases: triagem, avaliação acadêmica e sociocomportamental, entrevistas online e entrevistas presenciais. Os candidatos aprovados em todas as etapas começarão o ano letivo de 2020 em uma das unidades parceiras do programa com isenção total nas mensalidades e materiais didáticos.

Além da isenção, o candidato selecionado receberá benefícios, tais como: material escolar, uniforme, cobertura de despesas como alimentação e mentoria. Os benefícios valerão para os três anos do ensino médio. As inscrições são feitas através do site e será preciso preencher a ficha de inscrição e o questionário socioeconômico.

Confira o edital do programa aqui

Cronograma do programa

  • Inscrições e questionário socioeconômico: Inscrições abertas até 15/09/2019.
  • Prova on-line e teste comportamental: De 26/09/2019 a 28/09/2019.
  • Entrevistas on-line: Outubro/2019.
  • Visita e entrevista presencial na escola selecionada: Novembro/2019.

Bolsas de estudo através do Educa Mais Brasil

Os estudantes que não forem selecionados para participar do programa têm outras opções para estudar em escolas particulares. O Educa Mais Brasil é o maior programa de incentivo educacional do país e oferta bolsas de estudos com até 70% de desconto nas mensalidades de instituições de ensino médio em todo território nacional. Acesse o site do programa e confira as oportunidades na sua cidade. É gratuito! Clique aqui.

*Com informações do Instituto SOMOS

Read More...

Destaques, Educação

IFRN abre 3.172 vagas para cursos técnico integrado

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), por meio da Pró-reitoria de Ensino (Proen), está disponibilizando 3.172 vagas para Cursos Técnicos de Nível Médio na forma Integrada. O processo seletivo, regido pelo Edital Nº 29/2019, traz vagas para os campi de Apodi, Caicó, Canguaretama, Ceará-Mirim, Currais Novos, Ipanguaçu, João Câmara, Lajes, Macau, Mossoró, Natal (Central, Cidade Alta e Zona Norte), Nova Cruz, Parelhas, Parnamirim, Pau dos Ferros, Santa Cruz, São Gonçalo do Amarante e São Paulo do Potengi.

Estão aptos a concorrer ao processo seletivo os portadores de certificado de conclusão do ensino fundamental (ou de curso equivalente). A prova da seleção será aplicada no dia 6 de outubro, e abrangerá conhecimentos de escolarização do ensino fundamental.

Inscrições seguem abertas até a próxima quinta-feira, dia 05 de setembro.

Para realizar as inscrições os candidatos interessados deverão acessar o link disponível AQUI, e preencher o formulário de inscrição. No ato da inscrição será necessário informar o número de documento oficial de identificação e do CPF, e em seguida realizar o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 30,00 (trinta reais), até 13 de setembro, conforme o anexo VIII do Edital. Vale ressaltar que os candidatos do ProITEC estão ISENTOS de pagar a taxa de inscrição.

Para mais informações, acesse o Edital (aqui).


Se você quer ficar por dentro das novidades de concurso público e processo seletivo no Rio Grande do Norte, participe do nosso grupo no Facebook (clique aqui). Agora, se pretende focar nos estudos com os mais variados materiais para concurso, clique aquiQuer bolsa de estudo com até 70% de DESCONTO? Clique aqui e saiba mais!

Read More...

Destaques, Educação

Desempenho escolar poderá ser critério para ingressar em faculdades

O desempenho escolar do estudante durante os ensinos fundamental e médio poderá ser um dos critérios para a admissão no ensino superior, tendo igual peso ao da nota do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. A proposta foi apresentada no projeto de lei (PLS 441/2018), do ex-senador Airton Sandoval (MDB-SP), que diz que a intenção é equilibrar as condições de acesso ao ensino superior. A matéria está em análise na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), onde aguarda a designação de um relator.

Outro objetivo da proposta, segundo o autor, é contribuir para a melhoria do ambiente de ensino-aprendizagem durante a educação básica, especialmente no ensino médio. Para Sandoval, a aferição de desempenho a cada ano motivará os estudantes a se dedicar mais durante todo o período escolar e será um importante instrumento na busca da melhoria da qualidade do ensino.

O projeto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.394, de 1996) para acrescentar o histórico escolar como critério de aprovação nos processos seletivos de universidades e faculdades. Pelo texto, o desempenho do aluno terá peso igual ao da nota de avaliação nacional do ensino médio, hoje feito por meio do Enem.

Vestibular

Universidades públicas e privadas de todas as regiões do país usam a nota do Enem como critério para selecionar candidatos para os seus cursos. Em algumas instituições é a única forma de seleção, em outras a nota pode ser utilizada como um complemento ao vestibular. Existem ainda instituições que aderiram parcialmente ao Enem e ainda mantêm vestibulares próprios, como é o caso da Universidade de Brasília (UnB).

Sandoval defende uma revisão da essência do vestibular, por se tratar de uma avaliação “pontual finalística do rendimento acadêmico”. Ele argumenta que historicamente o acesso à universidade “tem sido feito não em razão da capacidade de cada um, mas das oportunidades sociais, econômicas e, por consequência, de estudo”. O senador explica que o projeto é uma alternativa à “perversidade do sistema” de vestibulares seletivos muito disputados.

“Aqueles que têm acesso a escolas privadas durante a educação básica ou a cursinhos preparatórios caros são normalmente os que acedem à graduação pública e de qualidade, enquanto que aos estudantes de escolas públicas são negadas as vagas por total falta de igualdade de condições de competição nos disputadíssimos processos seletivos, ainda que tenham tido um bom aproveitamento curricular ao longo de sua formação”, afirmou na justificativa do projeto.

Se for aprovado na CE e não houver recurso para votação em Plenário, o projeto seguirá para a análise da Câmara dos Deputados.

Com informações da Agência Senado

Read More...

Política

Temer pretende sancionar reforma do ensino médio nos próximos dias

Em tom comemorativo pela aprovação da reforma do ensino médio, o presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira (9) que pretende sancionar a medida provisória nos próximos dias. “Foi aprovada ontem na Câmara a segunda das reformas fundamentais do Brasil, que é a do ensino médio. Quero comemorar isso e sancionar muito rapidamente, nos próximos dias”, afirmou.

A reforma foi aprovada ontem (8) no Senado, por 43 votos a 13 e, para o presidente Temer, a exemplo da aprovação de ontem, a bancada de apoio ao governo conseguirá aprovar “com relativa facilidade” as outras reformas defendidas por sua equipe. Segundo ele, essas vitórias têm sido obtidas graças à capacidade de diálogo do governo.

“O Congresso Nacional nos permitiu aprovar matérias fundamentais para o país que estavam paralisadas há muito tempo. Uma dela é a questão do teto dos gastos públicos, algo tão trivial, frontal, simples e singelo, que até me causa espanto que de vez em quando, ou melhor, agora não mais, mas no passado, havia uma certa resistência”, disse o presidente durante a abertura do evento Caixa 2017, em Brasília.

Temer também falou sobre a importância de uma “modernização da legislação trabalhista”. Segundo ele, com os acordos que vêm sendo costurados com empregadores e empregados, a reforma trabalhista deve ser aprovada com “relativa facilidade”, assim como a da Previdência.

“Essa reforma da legislação trabalhista também se dará com relativa facilidade. De igual maneira, a reforma da Previdência, que será fundamental para o país. Sei que é uma matéria difícil e complicada porque diz respeito a cada um, mas é uma coisa importante para o país”, acrescentou o presidente, ao ressaltar que pretende também atuar no sentido de simplificar o sistema tributário, desburocratizando-o, de forma a atrair investimentos para o país.

Da Agência Brasil

Read More...

Política

Texto-base de MP da reforma do ensino médio é aprovado na Câmara

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (7) por 263 votos a favor, 106 contra e três abstenções o texto-base da medida provisória (MP 746/16) que reestrutura o ensino médio. A medida, entre outras coisas, ampliou de 50% para 60% a composição do currículo da etapa de ensino preenchido pela Base Nacional Comum. Os 40% restantes serão destinados aos chamados itinerários formativos, em que o estudante poderá escolher entre cinco áreas de estudo: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

A votação da MP ocorreu após acordo do líder do governo André Moura (PSC-SE) com deputados da oposição, que obstruíram os trabalhos durante toda a sessão por serem contra o debate do tema por meio de uma medida provisória.

Pela proposta, os deputados aprovariam o texto-base em votação nominal e deixariam para votar, na próxima semana, os destaques ao texto, também em votação nominal. “Em uma matéria tão importante e controversa como essa é importante que a população brasileira saiba como cada deputado votou”, defendeu a vice-líder do PT, Maria do Rosário (RS).

O texto, aprovado no último dia 30 na comissão mista que analisou a matéria, incluiu artes e educação física entre as disciplinas obrigatórias para o ensino médio, suprimidas no texto encaminhado pelo Palácio do Planalto. No caso específico da educação física, no último ano do ensino médio, a disciplina será optativa ao aluno.

Itinerário formativo e notório saber

O projeto prevê ainda que os estudantes poderão escolher a área na qual vão se aprofundar já no início do ensino médio. Foi mantida no texto a permissão para que profissionais com notório saber, ou seja, sem formação acadêmica específica na área, possam dar aulas no ensino técnico e profissional.

A proposta também estabelece uma meta intermediária de ampliação da carga horária para pelo menos mil horas anuais no prazo máximo de cinco anos para todas as escolas do ensino médio. A MP prevê ainda que o governo federal amplie de quatro para dez anos o prazo de repasse de recursos federais aos estados para apoiar a ampliação da carga horária.

Debate

Apresentada pelo presidente Michel Temer em setembro, a MP do Ensino Médio flexibiliza os currículos e amplia progressivamente a jornada escolar. A matéria foi motivo de embates no plenário.

O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), que presidiu a comissão especial da Câmara que discutiu a reforma do ensino médio, disse que a mudança na carga horária terá alcance limitado pela falta de recursos. “A proposta traz aumento de 1.400 horas só no enunciado, mas a meta é de 500 mil alunos e somos 8,3 milhões de estudantes. Estamos fazendo duas escolas no país: uma que vai ter tudo e uma que não vai ter nada”, disse.

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) criticou a MP e afirmou que a proposta não foi discutida amplamente com professores e estudantes, principais afetados pela matéria. “Qualquer mudança educacional precisa do envolvimento não só do setor docente, mas da valorização de sua formação educacional”, disse.

As críticas foram rebatidas pelo deputado Izalci (PSDB-DF), que presidiu a comissão especial. “A medida provisória pega 90% do texto já discutido pela Câmara e nós aceitamos sugestões da oposição”, disse. “Colocamos R$ 1,5 bilhão para incentivar o início do ensino integral”, acrescentou.

Já o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) afirmou que a MP rompe com um “imobilismo” na discussão de mudanças mais profundas. “O governo faz bem em romper esse imobilismo, esse tema é discutido há mais de 20 anos”, disse.

Read More...