Brasil

Mesmo aposentados, 21% dos idosos continuam trabalhando

A longevidade impõe desafios para a população brasileira, em que parte significativa segue exercendo alguma atividade profissional mesmo após a aposentadoria. Um levantamento realizado em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que sete em cada dez idosos (70%) estão aposentados. Desse total, 21% continuam trabalhando e uma das principais razões é o fato de a renda não ser suficiente para pagar as contas (47%). Já 48% disseram que querem se sentir produtivos nessa fase da vida e 46% buscam manter a mente ocupada.

Embora atuem ativamente, 43% reconhecem que tiveram dificuldades para conseguir uma oportunidade, principalmente por enfrentar preconceito com a idade avançada (30%). Por outro lado, 57% afirmam não ter tido problemas em conseguir trabalho. Quando questionados sobre até que idade pretendem trabalhar, mais da metade (61%) não soube definir ao certo. Para os que sinalizaram ter uma perspectiva em mente, a média é de 74 anos.

Apesar da questão financeira ser um ponto relevante para aqueles que optam por não parar, 76% dos idosos encaram o trabalho de forma positiva nessa fase da vida. Tanto que um terço (30%) destes menciona sentir satisfação por estar trabalhando e poder produzir, enquanto 20% têm orgulho de manter sua independência, ao passo que 18% disseram gostar do que fazem e ainda possuem muitos projetos a serem realizados.

Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, os dados refletem um novo cenário com o aumento da expectativa de vida no Brasil. “Percebe-se, muitas vezes, que os idosos não se prepararam para este momento e os ganhos com a aposentadoria acabam não sendo suficientes para manter o padrão de vida desejado. Mas já enxergamos uma mudança na visão de grande parte dessas pessoas, que começam a encontrar um sentido especial no trabalho por se sentirem mais produtivos e independentes”, ressalta.

Nove em cada dez idosos contribuem com orçamento familiar; previdência social é principal forma de preparação para aposentadoria

O estudo observa ainda que boa parte dos lares conta com a renda de familiares acima dos 60 anos. Nove em cada dez (91%) idosos contribuem financeiramente com o orçamento, sendo que 43% são os principais responsáveis pelo sustento da casa. Ainda assim, 34% dos entrevistados recebem algum tipo de custeio — percentual que cresce para 40% entre as mulheres — vindo principalmente de pensão por falecimento do cônjuge (15%) ou de familiares (15%).

Quando o assunto é preparação para aposentadoria, o que se percebe ainda é uma falta de conscientização sobre a necessidade de pensar no futuro. Entre os que se planejaram de olho nesta fase da vida, três em cada dez (32%) admitem nunca ter guardado dinheiro exclusivamente para esta finalidade. Outros 25% não lembram quando começaram a fazer uma reserva. Em relação aos 43% que recordam o período de início dessa poupança, a média de idade foi aos 27 anos.

A maior parte (47%) se preparou ou ainda se prepara para a aposentadoria por meio da contribuição ao INSS. Já 34% realizam ou realizaram algum tipo de investimento — número que sobe para 43% entre os homens e 49% nas classes A e B. Desse total, 13% dos recursos foram aplicados em poupança, 9% em previdência privada da empresa onde trabalhou e 7% destinados a outros investimentos, como fundos, ações, CDBs, Tesouro direto e renda fixa. Há também uma parcela que investe em previdência paga por conta própria (7%) e em imóveis (6%) – considerando apenas os imóveis tratados como investimento e não moradia.

Entre os que sinalizaram ter se preparado, 25% atribuem esse comportamento ao seu perfil mais precavido, enquanto 21% dizem que se espelharam em exemplos próximos de pessoas que não se preparam e tiveram problemas financeiros na aposentadoria. Já 17% seguem orientações de amigos e familiares. Quanto àqueles que não se prepararam, os principais fatores citados são falta de renda (29%) e de sobra de dinheiro no orçamento (25%).

“Planejar a aposentadoria pensando apenas na renda que virá com o INSS é arriscado no contexto econômico atual do país, especialmente porque as regras da previdência social podem mudar a qualquer momento. Além disso, o valor médio do benefício concedido raramente é suficiente para dar cobrir despesas que não estavam previstas, gastos com remédios e plano de saúde, por exemplo. O recomendável é complementar os ganhos da previdência com um plano privado ou outro tipo de reserva. E quanto mais cedo, melhor”, orienta o educador financeiro do SPC Brasil e do portal “Meu Bolso Feliz”, José Vignoli.

Read More...

Destaques, Notícias

Carreira de estatístico tem alto potencial de crescimento

Filtrar, organizar e interpretar algumas das milhares de informações que surgem a cada segundo na internet é uma das funções do Estatístico, carreira com alto potencial de crescimento no Brasil. De acordo com um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), essa é a segunda profissão mais bem pagado país, perdendo apenas para medicina. A remuneração inicial pode chegar a R$5 mil e chegar a R$30 mil.

Engana-se quem pensa que essa profissão surgiu recentemente. Regulamentada desde 1968, hoje, conta com o Conselho Federal de Estatística (CONFE), além de sete conselhos regionais (CONRE). Entretanto, nos últimos anos, empresas têm enxergado nesses profissionais a solução para reduzir custos com logística, analisar o comportamento dos consumidores, calcular preços e trabalhar com big data.

Segundo o CONRE-3, os consultores dessa área chegam a cobrar 400 reais por hora e os estagiários podem receber bolsa de até R$2.500. De acordo com CONFE, os salários em regime de contrato CLT – 40 horas semanais – de acordo com o grau de qualificação do profissional são: Bacharel (3.528,73), Especialista (4.538,74), Mestre (5.994,10) e Doutor (7.104,12).

Um estudo do site CareerCast apontou a carreira como a melhor de 2017 nos Estados Unidos. Segundo o levantamento, a ocupação registra altos níveis de satisfação em quesitos como renda, estresse, ambiente de trabalho e perspectivas de ascensão. No mercado de trabalho norte-americano, a perspectiva é que a empregabilidade dos estatísticos cresça 34% nos próximos sete anos.

Toda essa ascensão desfaz a impressão de que lugar de estatístico é somente em entidades de pesquisa como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E, realmente, a maior procura por esses profissionais parte de bancos e financeiras. Embora o cenário seja animador, a tarefa é para poucos. É fundamental que o estatístico tenha aptidão para matemática e facilidade em manusear programas de computador e simuladores.

O curso de Estatística dura quatro anos e as disciplinas básicas são matemática e cálculos. Dentre as específicas, destacam-se análise estatística e tecnologia da amostragem. A grande vantagem da área também é a flexibilidade de poder atuar em diferentes setores mas, por outro lado, a qualificação e reciclagem devem ser contínuas para que o profissional possa aproveitar as oportunidades que estão surgindo.

Se você se interessou pela área, não pense que esse é um sonho impossível. Com a ajuda do Educa Mais Brasil, você pode encontrar uma faculdade bem perto de você que ofereça o curso e ainda conseguir uma bolsa de estudo de até 70%. Acesse o site do Educa Mais Brasil, confira todas as oportunidades disponíveis na sua região e inicie 2019 em uma nova graduação. A inscrição é gratuita.

Read More...

Destaques, Empregos e Estágios

Como conquistar um emprego temporário

O período dos empregos temporários chegou. Com a alta do desemprego no Brasil, as vagas, mesmo que provisórias, são cobiçadas por muitos, visto que abrem portas para a chances de efetivação. A Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) calcula que estão sendo ofertadas 434.429 mil vagas desse tipo em todo o País. Para conquistar as oportunidades, o candidato ao emprego deve estar bem preparado diante da concorrência.

Só no comércio, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima a contratação de 72,2 mil pessoas. Já a pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) contabiliza que, até o fim do ano, aproximadamente 59,2 mil vagas serão abertas nos segmentos do comércio e serviços.

Antes de bater de porta em porta é necessário dedicar atenção à sua vitrine profissional: o currículo. “Um currículo bem escrito, com as informações adequadas ao cargo pretendido pode ser decisivo na hora da escolha do empregador”, relata Carolline Candeias, coordenadora dos cursos de Gestão da Faculdade Estácio – unidade Zona Norte.

currículo

Foto: dreamstime

Segundo a coordenadora, na descrição da experiência profissional é importante um bom detalhamento das atividades desempenhadas. “Devem ser escritas as últimas experiências profissionais, sempre com o tempo em que permaneceu naquele emprego. Também é interessante acrescentar resultados e premiações conquistados no antigo emprego, e projetos de que tenha participado na escola e ou faculdade”, aconselha a especialista em Recursos Humanos.

O candidato também pode adequar as qualificações e/ou experiências descritas de acordo com a vaga pretendida. “Estes elementos vão facilitar a visualização do tipo de profissional que está se candidatando à vaga”, orienta Candeias.

Comportamento

As empresas buscam profissionais que estejam em constante aprendizado, que solucionem os problemas e sejam criativos. “Não adianta pensar e não agir. O ideal é que você demonstre disposição e conhecimento, principalmente em áreas que não fazem parte da sua zona de conforto”, reforça Carolline.

Para a professora, a principal forma de se destacar é através das suas habilidades profissionais, sendo mais criativo e assertivo. “Atualmente, para ter tais características, o profissional precisa estar sempre atualizado, buscando conhecimento tanto formal, através da graduação e especialização, quanto informal, como palestras e cursos online”, destaca a especialista.

Read More...

Destaques, Empregos e Estágios

Oportunidades de emprego são oferecidas durante evento em Natal

Oportunidades de emprego e estágio estarão disponíveis nesta quarta-feira, dia 31 de outubro, durante a 5ª Feira de Empregabilidade da UnP. O evento gratuito, que começa hoje na Unidade Roberto Freire da UnP, integrante da rede Laureate, trará 22 estandes com diversas empresas que estarão recebendo currículos de todo público, fazendo triagem de perfil e recebendo os visitantes para um bate-papo sobre mercado de trabalho.

As empresas estarão presentes no Espaço de Eventos, das 17h às 21h. Além delas, outros estandes irão compor os espaços como dos Agentes de Integração, IEL e CIEE, com oportunidades e orientações sobre estágios.

Os representantes de Recursos Humanos das empresas participantes esperam, além de divulgar as oportunidades disponíveis, preencher vagas em aberto. É o caso da Potiguar Honda, uma das empresas que estará presente.

“Nosso objetivo é aumentar a visibilidade da empresa no mercado de trabalho de Natal, para que as pessoas conheçam o que está por trás do salão de motos, e desejem mergulhar no universo de uma Empresa humana e capacitada”, afirma a Analista de RH da empresa, Thatianni Barbalho.

Clique aqui e confira a programação com as empresas já confirmadas, ou confira a imagem abaixo:

feira de emprego e estágio em natal RN UNP

Read More...

Mossoró

Mossoró mantém saldo positivo de emprego pelo 5º mês consecutivo

Com a criação de 1.702 vagas com carteira assinada em setembro, Mossoró registrou mais uma vez saldo positivo na criação de empregos formais. Os dados constam no levantamento do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério do Trabalho. No mês foram registrados 1.702 admissões contra 1.337 desligamentos, o que representa uma variação positiva de 0,69%

Pelo quinto mês consecutivo o município de Mossoró apresenta saldo positivo de emprego. No acumulado do ano de 2018, entre desligamentos e contratações foram criadas 1.095 novas vagas com carteira assinada. Isso representa quase três vezes mais do que o saldo alcançado em 2017, que foi de 398 novos postos de trabalho. “Os números de 2018 mostram o melhor resultado dos últimos três anos, visto que em 2015 e 2016, o município encerrou o ano com saldo negativo de contratações. Isso indica que estamos no caminho certo da retomada do desenvolvimento”, ponderou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Lahyre Rosado Neto.

Entre os setores econômicos, a agropecuária foi o que mais contratou em setembro, ficando com um saldo de 119 empregos formais. Em seguida, aparecem os setores de indústria de transformação, com 77 novos postos de trabalho e o de serviços, com saldo positivo de 65 novos postos.

Mossoró mantém saldo positivo de emprego pelo 5º mês consecutivo

O segmento da construção civil, um dos mais penalizados com a crise nacional, ficou entre os quatro setores que mais contrataram em Mossoró no mês de setembro, apresentando um saldo de 62 novas vagas e uma variação positiva de 1,28%.

Com um investimento de mais de 40 milhões em obras de infraestrutura, a Prefeitura também tem estimulado a criação de novos postos de trabalho no setor. Um exemplo disso, é o do o ajudante de pedreiro, Romilson Rodrigues de Melo, contratado por uma construtora para finalizar a obra da creche da Estrada da Raiz. “Faz dois anos que eu estava parado, precisando ajudar a família e agora com essa obra da Prefeitura eu voltei a trabalhar, graças a Deus”, comentou Romilson.

Read More...