Destaques, RN

Clínica de Fonoaudiologia da UFRN oferece atendimentos a crianças com dificuldades de linguagem

Diga flauta”, pede o estudante. Numa sintonia tão próxima das melodias que ecoam pelo instrumento, Caio, de 12 anos, canta: “Falauta”, com uma voz rouca, mas cheia de convicção. A rotina faz parte das sessões fonoaudiológicas destinadas a crianças que têm dificuldade em se expressar correta e foneticamente como esperado para a idade. Os atendimentos às crianças com dificuldades de linguagem realizado pela Clínica Escola de Fonoaudiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) são apenas um dos ofertados à comunidade.

Localizada no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), a Clínica faz parte do projeto pedagógico do curso de Fonoaudiologia da Instituição. Desde 2012, ano de sua inauguração, foram realizados inúmeros atendimentos diários, oferecendo à população uma oportunidade de acesso a serviços fonoaudiológicos, além de atuar como um espaço “onde os estudantes do curso podem realizar seus estágios”, explica Ana Manhani, professora da UFRN e coordenadora da Clínica.

É exatamente lá que a teoria, tão estudada em sala de aula durante a graduação, toma vida por meio dos atendimentos práticos vinculados aos estágios realizados pelos estudantes nos diversos projetos desenvolvidos na clínica. Os principais, atualmente, envolvem o monitoramento da audição com crianças desde cedo na infância, assim como o acompanhamento de “adultos e idosos que possuam algum problema de audição e que procurem a clínica para fazer os exames”, pontua Manhani.

É possível, também, a realização de testes por parte de pessoas com alguma perda auditiva e que seja comprovada, por meio dos procedimentos, a necessidade do uso de prótese, demanda que é encaminhada para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Os atendimentos são realizados com base na procura dos pacientes após encaminhamento. “Alguns serviços da cidade nos encaminham pacientes e, de acordo com a agenda que temos, são realizados os atendimentos”, explica a professora. A Clínica, apesar de receber as demandas da rede pública, não é inserida no SUS. A solicitação para novos pacientes é feita por meio do encaminhamento de algum médico vinculado aos hospitais e clínicas públicas ao HUOL.

Serviço:

Clínica de Fonoaudiologia da UFRN

Contato: (84) 3324-9757

Outros tratamentos

Alunas do Curso de Fonoaudiologia UFRN

Professores, estudantes e funcionários do Departamento de Fonoaudiologia compõem a equipe que coordena a Clínica e os projetos desenvolvidos nela. Um que merece destaque é a terapia vocal ofertada a mulheres transsexuais e transgêneros.

A extensão se intitula Programa de Assistência Vocal e Comunicativa para Indivíduos Transexuais e é coordenada pela professora Juliana Godoy, também do Departamento de Fonoaudiologia.

Atuando desde 2017, a terapia é destinada a mulheres trans que não se identificam com sua voz e que queiram realizar a transição vocal. As interessadas podem entrar em contato por meio do email (godoy.juliana@gmail.com), manifestando o desejo de participar do projeto, que é ofertado gratuitamente.

Read More...

Destaques, Família

Será que meu filho está viciado na internet?

Em mundo globalizado e cada vez mais conectado, é quase impossível proibir crianças e adolescentes de usarem a tecnologia. Porém, se seu filho fica excessivamente preocupado com o sinal do wi-fi quando sai de casa, sente necessidade cada vez maior de ficar conectado, anda muito irritado ou depressivo, apresenta ataques de ansiedade quando não pode usar o celular, passa mais tempo online do que em passeios ou com os amigos e mente sobre o tempo gasto com a internet: atenção!

Estes podem ser indícios de que a dependência da internet está se instalando. Segundo um estudo publicado no Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, que avaliou 89 mil pessoas em 31 países, a dependência da internet afeta cerca de 6% da população global.

Para a neuropsicóloga Thaís Quaranta, os pais realmente precisam prestar mais atenção na questão do uso da tecnologia pelos filhos. “As crianças e adolescentes costumam adotar os padrões de comportamentos da família, ou seja, dos pais. Assim, se os pais usam demasiadamente o celular, a internet, as mídias sociais ou até mesmo o vídeo game, estão contribuindo para que a criança ou o adolescente siga este mesmo padrão”, comenta.

E por falar nos pais, um estudo divulgado este ano, avaliou a associação entre o vício de adolescentes na internet com o relacionamento parental. Os resultados mostraram que a pouca disponibilidade materna é um preditor da dependência. “Este é um achado muito importante, pois corrobora com a percepção que temos das dinâmicas familiares atuais. Pais cada vez mais ocupados e menos presentes. Os eletrônicos, em muitos casos, acabam sendo usados para preencher esse espaço, essa ausência parental”, reflete Thaís.

Um cérebro vulnerável

criança no celular

Foto: Portal Comunique-se

O grande problema, de acordo com a neuropsicóloga, é que um cérebro em formação, como é o caso das crianças e dos adolescentes, é mais vulnerável à dependência. “Há inúmeros efeitos negativos bem documentados pela literatura. Depressão, isolamento social, ansiedade, distúrbios do sono, déficit de atenção e queda do desempenho escolar. Todas essas condições podem ser causadas quando o uso da tecnologia ultrapassa os limites”, explica Thaís.

Outro ponto levantado pela neuropsicóloga é que houve uma mudança importante relacionada a inversão da hierarquia geracional. “Hoje, as crianças já nascem em um mundo altamente tecnológico. É muito comum que ensinem os pais a usarem o celular, o computador e outros dispositivos. Esse conhecimento digital pode criar um ambiente familiar menos equilibrado, dificultando que os pais delimitem o uso da tecnologia, pois perdem a autoridade”, diz.

Pais precisam se empoderar

O mais importante é que os pais, em um primeiro momento, avaliem o próprio comportamento em relação ao uso da tecnologia. Não é possível exigir da criança ou do adolescente um modelo diferente daquele que existe.

“Isso quer dizer que se os pais usam o celular na hora das refeições em família, por exemplo, e dedicam mais tempo para a tecnologia do que para os próprios filhos, a mudança precisa começar por eles. Depois, é fundamental retomar a autoridade e impor limites. Crianças e adolescentes precisam disso”, ressalta Thaís.

Veja algumas dicas da neuropsicóloga para ajudar os pais na educação digital, evitando que a tecnologia se torne um problema. Confira:

Dose certa: Proibir o uso não irá funcionar. Assim, é preciso definir o tempo que poderá ser dedicado ao vídeo game, mídias sociais, internet, etc. Os pais podem e devem controlar o conteúdo acessado. Hoje em dia é possível colocar senhas e usar aplicativos para bloquear conteúdos inapropriados para menores de idade. Lembrando que para crianças menores de 2 anos, o uso de qualquer tipo de dispositivo é contraindicado, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria.

Atenção aos comportamentos: Ninguém melhor que os pais para conhecerem os seus filhos. Portanto, mudanças nos comportamentos, queda do desempenho escolar, perda ou ganho de peso, alterações no sono, irritabilidade e ansiedade devem ser investigados, pois podem ter relação com o uso abusivo da tecnologia.

Presença e disponibilidade: Crianças e adolescentes precisam de pais presentes e disponíveis. Não adianta a mãe ou pai sentar para brincar com a criança com o celular na mão. É preciso dedicar um tempo de qualidade e isso implica em estar disponível por completo, inclusive sem o celular por perto ou a TV ligada.

Locais estratégicos: Uma dica importante é não instalar computadores no quarto das crianças e adolescentes e, se possível, nem televisores. Claro que temos os dispositivos móveis, como celulares e tablets, que também devem ter o uso supervisionado pelos pais.

“A tecnologia, a internet e as mídias sociais fazem parte do mundo atual e do contexto social em que vivemos. O mais importante é fazer um bom uso e estar consciente de que os pais são responsáveis por limitar e supervisionar o uso, assim como são os modelos de comportamento para os filhos. Além, claro, de prestar atenção aos sinais que possam indicar um atitude de dependência destes dispositivos”, finaliza Thaís.

Read More...

Brasil, Destaques

Ausência em reuniões escolares pode acarretar em processo judicial aos pais

Segundo dados escolares, entre 60 e 80% dos pais não comparecem às reuniões escolares de seus filhos. O número é maior quando se trata de crianças pequenas. “Há, inclusive, casos onde nenhum dos pais compareceu às reuniões e nem mesmo enviaram algum representante em seu lugar, durante todo o ano letivo”, revelou o Promotor de Justiça do MPMG, Lélio Braga Calhau.

De acordo com o artigo 932, I, do Código Civil, os pais são responsáveis civis pelos filhos menores que estiverem sob sua autoridade e em sua companhia. Não comparecer a essas reuniões para se inteirar da situação da criança, pode acarretar futuramente um processo civil contra o responsável, sobretudo, se algum problema for causado pelo seu filho menor dentro da escola.

As atas dessas reuniões podem ser utilizadas em processos judiciais por juízes, promotores de justiça e advogados em casos de ocorrência de bullying, por exemplo. “O documento ajuda na análise dos juízes porque apontam um início de prova de possível desídia por parte de alguns pais e mães que não procuram se inteirar concretamente da situação de seus filhos”, diz Lélio Braga. A ausência acarreta em prejuízos efetivos para o desenvolvimento escolar e do trabalho adequado por parte da escola.

Ocorrendo um caso de bullying, tanto a responsabilidade dos pais como a da escola pode ser objeto de avaliação judicial e isso pode ter consequências jurídicas muito negativas para quem for eventualmente responsabilizado – inclusive, com repercussões na vara da infância e da juventude e no patrimônio dos envolvidos.

“Portanto, nada de subestimar as reuniões de pais. Elas são importantes para o desenvolvimento e acompanhamento das crianças e adolescentes e facilitam o trabalho da escola. Caso estejam impossibilitados de comparecer por motivos de trabalho ou outras questões, é recomendável enviar algum representante de sua confiança em seu lugar. Assim como a escola tem o seu papel e responsabilidades, os pais também os tem”, finaliza Lélio Braga.

Estando em dia com as suas obrigações, os pais evitam problemas futuros e a criação de eventual prova contra si mesmo de omissão em uma discussão judicial que possa envolver seu filho no colégio.

Read More...

Agenda Cultural, Destaques

Dia das Crianças com diversão gratuita no Natal Shopping

Brincadeiras, teatro e muita diversão: é o que o Natal Shopping preparou para a criançada nesta sexta-feira (12). O Dia das Crianças será repleto de ações gratuitas que compõem uma programação para toda a família, com ênfase especial para os pequenos, que têm o dia todo dedicado a eles. O circuito Kids começa às 15h com atividades abertas ao público.

A festa começa com os fantásticos personagens dos Minions, Toy Story, Frozen e Jovens Titans, que iniciarão as atividades com um animado cortejo que vai percorrer todo o shopping, conduzido pela banda Clarim. O momento ainda conta com muitas guloseimas para a garotada, como pipoca e algodão doce.

Logo após, às 16h, será a vez das apresentações teatrais, que começa com a encenação da peça Saltimbancos. A programação continua às 17h com a peça Mágico de Oz, um clássico que garante diversão para toda a família.

A alegria não para por aí. Enquanto as apresentações teatrais acontecem, as crianças também podem participar das oficinas de slime, pintura de rosto, pintura de brinquedos de madeira e a oficina ecokids com a plantação de mudas. Essas atividades contam com diversas turmas que se iniciam às 16h e vão até 17h40.

Além de todo a diversão gratuita preparada especialmente para o Dia das Crianças, a criançada ainda tem a oportunidade de brincar no Castelo Encantado, um pula-pula inflável gigante em forma de castelo. A atração é um espaço de lazer que promove entretenimento para a família inteira e permanece até o dia 30 deste mês. A diversão pode ser de 15 minutos a R$ 20, 30 minutos por R$ 30 e R$ 50 para uma hora. Os acompanhantes das crianças menores de três anos não pagam. O Natal Shopping conta ainda com outras atrações infantis, como Brinkids, Puppy Play, Play Jump e muitas outras diversões que vão tornar o dia da garotada ainda mais especial.

Dia das Crianças com diversão gratuita no Natal Shopping

Read More...

Ciência, Destaques

Filhos de pais religiosos têm menor risco de pensamentos suicidas

Frequentemente, cientistas e pesquisadores apontam para os aspectos positivos da religião como um meio para criar um senso de comunidade e fornecer um propósito para a vida. Agora, um estudo recente mostra que ter pais religiosos diminui significativamente o risco de as crianças terem pensamentos ou comportamentos suicidas.

O estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Columbia e do Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York, é um dos primeiros a analisar como as crenças religiosas influenciam os filhos.

A descoberta veio de um estudo familiar de três gerações que durou 30 anos. Inicialmente, os pesquisadores reuniram dois grupos de voluntários: um formado por pessoas que sofreram uma depressão maior e o outro incluía pessoas sem essa história.

A fase final do estudo concentrou-se nas crianças (segunda geração) e netos (terceira geração) daqueles voluntários iniciais, entre 6 e 18 anos.

Filhos de pais religiosos têm menor risco de pensamentos suicidas orando rezando igreja

Foto: Jaime Wiebel / Pixabay

Para compilar o estudo, os pesquisadores examinaram dados de 214 crianças com seus respectivos genitores. Pais e filhos foram entrevistados sobre temas sobre espiritualidade, incluindo questões como: “Quão importante é a religião ou espiritualidade para você, quantas vezes, se isso acontecer, você vai à igreja, sinagoga ou outros serviços religiosos ou espirituais?” – entre outras questões.

Os pesquisadores descobriram que mais pais do que crianças relataram que a religião ou a espiritualidade era de grande importância para eles, em uma proporção de 45% contra 25%. Enquanto mais crianças do que pais relataram que isso não importava, 15% contra 4%.

Quando os pesquisadores investigaram os dados, descobriram que a sensação de que a religião é importante estava relacionada a uma probabilidade 52% menor de comportamento suicida.

A assistência religiosa também estava ligada, apresentando uma probabilidade 36% menor de comportamento suicida em comparação com aqueles que não frequentavam essas congregações.

A Dra. Connie Svob, afiliada ao Departamento de Psiquiatria da Universidade de Columbia e co-autora da pesquisa, comentou:

“Descobrimos que a crença dos pais na importância da religião estava associada a uma diminuição significativa no risco de pensamentos e comportamentos suicidas em seus filhos, em comparação com os pais que relataram que a religião não era importante”.

Os autores observam que o estudo foi independente da crença (ou falta de crença) de uma criança na importância da religião e independente de outros fatores de risco parental forte, como a depressão dos pais, história ou comportamento suicida, divórcio, entre outros.

Eles também esclarecem que suas conclusões não dizem que as pessoas religiosas não têm pensamentos suicidas ou tiram suas próprias vidas, afinal, houve até casos de ministros que morreram por suicídio. O que isso mostra é que a religiosidade pode proporcionar um valioso senso de pertence e apoio àqueles que sofrem pensamentos de autoflagelação.

Read More...