Educação

Alemanha abre inscrições para o Green Talents 2017 e busca talentos da pesquisa no Brasil

O Ministério Federal da Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF) realiza a nona edição da competição “Green Talents – Fórum internacional de projetos com alto potencial para a inovação e sustentabilidade”. Desde 2009, a iniciativa tem o objetivo de promover o intercâmbio internacional de ideias sustentáveis e ecologicamente inovadoras. Com centros de pesquisa e inovação de ponta, a Alemanha dá apoio especial a esses esforços ao intensificar a cooperação internacional entre as mentes brilhantes mais promissoras de todo o mundo.

O prêmio, que tem como patrona a Ministra Profª Johanna Wanka, contempla 25 jovens pesquisadores a cada ano. Os vencedores vêm de vários países e disciplinas científicas e são reconhecidos pela capacidade inovadora de suas iniciativas, que objetivam tornar a sociedade mais sustentável. Desde a sua criação, o prêmio já reconheceu 182 jovens pesquisadores e cientistas de 51 países diferentes, devido aos seus excelentes desempenhos e contribuições para que as suas comunidades, países e sociedades sejam mais sustentáveis.

Neste ano, o tema do concurso é “Produção e Consumo Sustentáveis“. Essas questões, bem como os desafios enfrentados pelo meio ambiente em geral, exigem cooperação científica internacional. No entanto, a competição permanece aberta a todas as áreas, oferecendo chances iguais de êxito aos participantes. “O contato de longa duração entre especialistas experientes e futuros talentos tem um importante papel a desempenhar aqui. É por isso que a competição Green Talents busca criar uma rede ampla e interdisciplinar de especialistas em ciências e indústrias para que eles trabalhem em conjunto em cima dos objetivos fundamentais de moldar o futuro, transformar os desafios globais em oportunidades e criar condições habitáveis e decentes para todos”, afirma a ministra da educação e pesquisa da Alemanha, Profª Johanna Wanka.

Todos os anos, os pesquisadores brasileiros têm se destacado no concurso com projetos na área da sustentabilidade. Em 2016, um júri de especialistas do país selecionou para a edição 25 cientistas promissores entre 757 candidatos de mais de 104 países e dois brasileiros se destacaram na competição alemã com pesquisas no âmbito do manejo de animais silvestres  e mudanças climáticas. Hani Rocha El Bizri, 29, mestrando em Saúde e Produção Animal pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e pesquisador associado do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), apresentou uma iniciativa focada na sustentabilidade da caça na Amazônia. Já Marina Demaria Venâncio, 23, estudante de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), teve como foco de sua pesquisa as interconexões entre mudanças climáticas, agricultura e os sistemas alimentares sob uma perspectiva do direito, com ênfase nas políticas públicas agroecológicas brasileiras e suas implicações jurídicas. No total, 15 brasileiros venceram a competição desde o lançamento da iniciativa, em 2009.

Selecionados por um júri de especialistas alemães de alto prestígio, os vencedores também ganham acesso exclusivo à elite da área da pesquisa na Alemanha.

A premiação de 2017 inclui:

– Convite para visitar a Alemanha em 2017 e participar do fórum científico com duração de duas semanas, com todas as despesas pagas. Durante a visita, os vencedores terão acesso a instituições de pesquisa e ciência de ponta, que oferecem visões únicas dos trabalhos desenvolvidos por elas;

– Os vencedores terão oportunidade de apresentar os seus trabalhos pessoalmente, em reuniões individuais com especialistas de sua escolha (durante o fórum científico de duas semanas) para discutir oportunidades de investigação e cooperação;

Oportunidades de networking com os demais acadêmicos na maior conferência dos Green Talents Alumni, durante a cerimônia de premiação em Berlim;

– Estadia de pesquisa com duração de até três meses em 2018, totalmente custeada, em instituição da escolha do vencedor;

– Acesso exclusivo à “Rede Green Talents”, composta por alunos de diversos países que atuam no segmento de desenvolvimento sustentável.

O prazo para envio de candidaturas é até 23 de maio de 2017, às 12h00 CET (Horário da Europa Central), no site do projeto.

Read More...

Futebol

Brasil derrota Alemanha e conquista primeiro ouro olímpico no futebol

A seleção brasileira de futebol é campeã olímpica dos Jogos Rio 2016. O ouro olímpico foi definido nos pênaltis, após o empate de 1 a 1. Na quinta bola chutada pela Alemanha, o goleiro Weverton defendeu, garantindo o ouro para o Brasil.

O placar do jogo não mudou nos dois tempos da prorrogação, após os 90 minutos com os dois times empatados. O Brasil abriu o placar com o gol de Neymar, aos 26 minutos de jogo, em cobrança de falta. Em comemoração, Neymar repetiu o gesto de imitar um raio do jamaicano tricampeão olímpico de atletismo, Usain Bolt, presente no estádio. Bolt vibrou com o gol de Neymar.

Meyer, da Alemanha empatou, aos 13 minutos do segundo tempo. O gol de ocorreu após uma falha da defesa brasileira, numa bola rebatida. A partir daí, as duas equipes fizeram um jogo tenso com várias chances de gols perdidas pelas duas seleções.

História de uma conquista

Foram necessários 64 anos, mas a seleção brasileira enfim chega ao ouro nos Jogos Olímpicos, numa conquista que serve de redenção para uma geração de jogadores que, pelo menos, desde a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, vinha sendo apontada como desprovida de grandes craques, assim como a responsável pelo rebaixamento da seleção brasileira do papel de protagonista para o de coadjuvante no futebol mundial.

Quis também o destino que o ouro fosse proporcionado por uma vitória sobre a Alemanha, país que derrotou o Brasil por 7 x 1 na semifinal do Mundial de 2014, no Brasil. O feito de agora passou longe de ser encarado pelos brasileiros como uma revanche para o fiasco de dois anos atrás. Um dos motivos é o de a seleção olímpica alemã ter em seu elenco somente um jogador que estava presente no Mundial, o zagueiro reserva Mathias Gunter. Mas esse foi um ingrediente a mais para incrementar o sabor de ganhar em casa um título há muito sonhado.

A perseguição ao ouro olímpico, último grande título internacional que faltava ao Brasil no futebol, ganhou contornos de obsessão nas últimas décadas, sentimento que acabou catalisado nestes Jogos Olímpicos, pelo fato do elenco jogar em casa, na primeira Olimpíada na América do Sul.

Primeira medalha

A primeira medalha pode também ser considerada uma zebra, pois surgiu quando ninguém esperava. A prata em Los Angeles (1984) foi conquistada por um time formado sem o apoio da CBF, com um elenco composto por jogadores quase que exclusivamente do clube gaúcho Internacional, incluindo Gilmar Rinaldi e Dunga, e comandado por um técnico novato, Jair Picerni. Acabaram perdendo a final por 2 x 0 para a França.

Nos Jogos seguintes, em Seul (1988), a história era outra. Treinado pelo experiente Carlos Alberto Silva, o elenco contava com astros que viriam a ser tetracampeões mundiais com a amarelinha, entre eles o goleiro Taffarel e os atacantes Bebeto e Romário. Mais uma decepção na final, com derrota de 2 x 1 para a União Soviética.

Eliminado na primeira fase em Roma (1960), Tóquio (1964) e Cidade do México (1968), o Brasil sequer se classificou para Barcelona (1992). Mas seria em Sidney (2000) que a canarinha protagonizaria talvez a maior decepção de sua trajetória olímpica, ao ser eliminada novamente por um gol de ouro, dessa vez por Camarões, na quarta de final. O fiasco custou o cargo de Vanderlei Luxemburgo como técnico, e a seleção voltaria a ficar fora de uma Olimpíada na edição seguinte, em Atenas (2004).

Jogos de Pequim e Londres

Em Pequim (2008), sob o comando de Dunga e tendo Ronaldinho Gaúcho como capitão, a seleção brasileira voltaria ao pódio, conquistando o bronze sobre a Bélgica após ter perdido a semifinal para a bicampeã olímpica Argentina. Mas seria em Londres (2012) que uma nova decepção marcaria o Brasil: depois de chegar sem dificuldades à final, o time perdeu para o México por 2 x 1.

Para chegar ao tão sonhado ouro, Neymar e companhia superaram toda a carga pesada de decepções passadas da seleção em Olimpíada e em torneios internacionais disputados no Brasil. Ao fim, eles conseguiram se recuperar de um início de campanha apático e deram finalmente ao torcedor o direito gritar “É campeão” a plenos pulmões em casa, no Maracanã.

Da Agência Brasil

Read More...

Futebol

Brasil busca ouro olímpico, mas tem Alemanha no caminho

(ANSA) – Após um início péssimo nos Jogos Olímpicos, o tão esperado momento chegou: sábado, no Maracanã, a seleção masculina de futebol do Brasil entrará em campo em busca do tão sonhado ouro olímpico. Mas terá que afastar o fantasma da Alemanha, sua adversária na final e a responsável pelo drama do 7 a 1 na Copa do Mundo de 2014.

O primeiro ouro olímpico no futebol parece perto para o Brasil e os brasileiros, mesmo diante do placar de 2 a 0 de hoje da Alemanha em São Paulo, mostraram confiança em Neymar e companhia, que mais cedo marcaram 6 a 0 contra Honduras. “Alemanha, sua hora está chegando”, foi o grito das arquibancadas ao longo do dia no Rio de Janeiro, vindo de uma torcida que tem se mostrado criativa para provocar os rivais. “Sai do chão, sai do chão quem é pentacampeão”.

Foram dois gols de Neymar, dois de Gabriel Jesus, um de Marquinhos e outro de Luan. Já os alemães balançaram a rede do Itaquerão com Klostermann e Petersen.

Esta será a quarta vez que o Brasil disputará o ouro nos Jogos Olímpicos. O jogo começa às 17h30.

Read More...

Mundo

Sírio explode bomba e deixa 12 feridos na Alemanha

(ANSA) – Um refugiado de origem síria explodiu uma bomba, se matando e ferindo ao menos 12 pessoas, sendo que três estão em estado grave, na noite do último domingo, dia 25, durante um festival de música realizado na cidade de Ansbach, nas proximidades de Nuremberg, na Alemanha. O homem, identificado como um imigrante sírio de 27 anos que pedia asilo no país, explodiu uma bomba que trazia em sua mochila quando tentava entrar em um festival local de música, onde se encontravam cerca de 2.500 pessoas.

O criminoso já havia tentado se matar em pelo menos duas ocasiões e esperava ser extraditado. Ele tinha passagem pela Polícia alemã por crimes relacionados ao uso e venda de drogas. Ainda que o atentado não tenha sido reivindicado por nenhum grupo, autoridades acreditam que a ação tenha sido inspirada nos recentes ataques dos militantes jihadistas do Estado Islâmico (EI, ex-Isis).

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, está acompanhando a situação e lamentou os episódios de violência, como informaram representantes.

Ataques

Esse é mais um de uma série de ataques do tipo no espaço de poucos dias no país. Ainda na noite do último domingo, um refugiado sírio de 21 anos matou uma mulher com um facão em Reutlingen e deixou outras duas pessoas feridas durante um ataque em um restaurante que, segundo as autoridades locais, não tinha ligações com terrorismo. Na última sexta-feira, um homem abriu fogo em um shopping em Munique, deixando nove mortos e mais de 30 feridos. O atirador, identificado como Ali Sonboly, um jovem de 18 anos de origem iraniana, era obcecado por armamentos e sofria com bullying na escola.

Na última segunda-feira, dia 18, um jovem afegão de 17 anos invadiu um trem com destino a Wurzburg, no centro-sul da Alemanha, com um machado e feriu quatro pessoas, sendo três gravemente.

Refugiados

Os episódios podem reacender o debate sobre as políticas de acolhimento adotadas pelo governo Merkel. No início do ano, sua decisão de receber milhares de refugiados já havia sido bastante criticada após a onda de abusos sexuais registrada em Colônia na noite de Ano Novo. A Chancelaria alemã pediu que a população local não generalize os fatos e não culpe todos os refugiados pelo ocorrido. O governo de Berlim ainda destacou que a maior parte dos atentados terroristas registrados nos últimos meses não foram realizados por imigrantes.

Read More...

Mundo

Estado Islâmico reivindica ataque a trem na Alemanha

(ANSA) – O grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) reivindicou nesta terça-feira (19) o ataque provocado por um jovem afegão de 17 anos em um trem em Wurzburg nesta segunda-feira (18). A ação deixou quatro pessoas feridas.

“O autor da operação de esfaqueamento na Alemanha é um combatente do Estado Islâmico e realizou esta operação em resposta aos apelos para atingir a coalizão que combate o Estado Islâmico”, escreveu em matéria a agência dos jihadistas, a Amaq, citando “fontes de sua segurança”. A fala é praticamente a mesma da reivindicação de outro ataque, ocorrido em Nice, na França, no dia 14.

Autoridades do governo de Berlim confirmaram que foi encontrada uma bandeira do EI no apartamento onde o jovem vivia na Baviera. Porém, ressaltaram que “ainda é cedo” afirmar que o grupo terrorista está por trás do ataque.

“Nós soubemos da reivindicação do EI, mas preciso dizer que as investigações ainda estão em curso e, até agora, não emergiram indícios sobre uma ligação do jovem de 17 anos com a rede do EI”, disse o ministro do Interior, Joachim Herrmann, em entrevista à mídia do país. Ele ainda acrescentou que pessoas próximas ao rapaz informaram que ele era “calmo, raramente ia à mesquita, e não era um radical aparente”.

Segundo o titular da pasta, diversas testemunhas afirmaram que o rapaz gritou a frase “Allahu Akbar” (“Deus é grande”, em tradução livre) antes de começar a atingir as pessoas com um machado. Herrmann deu mais detalhes sobre as buscas no apartamento do jovem.

O ministro contou que um documento escrito em pashto, uma das línguas usadas no Afeganistão, encontrado no quarto do jovem indicava que ele se “auto-radicalizou”. Ele ainda acrescentou que as informações de que o rapaz tenha chegado ao país como refugiado não procedem e que não há indícios de como ele chegou à Alemanha.

Um bilhete de despedida também teria sido encontrado no apartamento e teria sido escrito como um “adeus ao seu pai” e um encorajamento para que os muçulmanos defendam sua religião.

Read More...