Mundo

Maioria dos pilotos com depressão ‘esconde’ doença das empresas

A maioria dos pilotos que sofrem de depressão, oculta a doença das companhias e das autoridades aéreas, segundo um estudo divulgado neste domingo (5) pelo jornal alemão Bild. O problema veio à tona após a queda do avião da Germanwings, com 150 pessoas a bordo, no último dia 24, na região dos Alpes franceses.

O copiloto da companhia, Andreas Lubitz, que teria deliberadamente derrubado avião, que fazia a ligação entre Barcelona (Espanha) e Dusseldorf (Alemanha), sofria de depressão e, segundo a investigação em curso, fez buscas na internet sobre métodos de suicídio na véspera da viagem.

Segundo o estudo divulgado pelo Bild, o caso de Andreas Lubitz não é único entre os pilotos, que procuram esconder os problemas de saúde dos seus superiores. A análise, do diretor do Departamento de Medicina da Organização Civil Internacional da Aviação, Anthony Evans, datada de novembro de 2013, revela a existência de déficits graves no acompanhamento dos pilotos em matéria de saúde mental.

De acordo com o estudo, cerca de 60% dos pilotos que sofrem algum tipo de depressão decidem continuar a voar sem comunicar aos empregadores. Com base na análise de 1.200 casos de pilotos com depressão, o trabalho de Evans revela que cerca de 15% dos profissionais optam por tratar-se em segredo com medicamentos que conseguem por seus próprios meios, e apenas 25% declaram ao empregador que está fazendo tratamento.

O estudo resulta da observação de casos entre 1997 e 2001, informa o Bild, que destaca ainda a enorme pressão a que são submetidos os pilotos e o fato de um diagnóstico de depressão implicar seu afastamento do serviço.

A investigação alemã sobre queda do avião da Germanwings revelou que Lubitz fez, há alguns anos, antes de receber a licença de piloto, tratamento psicoterapêutico por ter tendências suicidas.

Nas buscas à casa do copiloto e dos pais foi descoberto que Andreas Lubitz estava em tratamento e que tinha um atestado médico para o dia da catástrofe, que não tinha comunicado à companhia.

Agência Lusa*

Read More...

Mundo

Acidentes aéreos mataram mais de 650 pessoas em 2014

O acidente de domingo (28) com um avião da companhia AirAsia, que transportava 162 pessoas, soma-se aos três graves desastres registrados no ano de 2014 em linhas comerciais, nos quais morreram 653 pessoas, conforme balanço divulgado pela Agência Lusa.

O Airbus 320-200 da AirAsia desapareceu no Sudoeste de Bornéu, na Indonésia, quando viajava da cidade javanesa de Surabaia para Cingapura.

No dia 8 de março, desapareceu o Boeing 777-200 da Malasya Airlines, que decolou de Kuala Lumpur com destino a Pequim. No avião, estavam 239 pessoas e até hoje não foram encontrados vestígios dele. Uma semana depois, foi confirmado que o último sinal recebido do avião ocorreu sete horas após a partida, quando sobrevoava o Oceano Índico.

Em 17 de julho, morreram os 298 ocupantes do Boeing 777, também da Malasya Airlines, entre os quais 173 holandeses. A aeronave foi abatida por um míssil no Leste da Ucrânia, zona de conflito entre forças governamentais e rebeldes pró-russos.

Em 24 de julho, morreram os 116 ocupantes, inclusive seis espanhóis da tripulação, do avião MD83 da companhia espanhola Swiftair, operado pela Air Algérie. A aeronave fazia o trajeto entre Uagadugu, capital de Burkina Faso, na África, e Argel, capital argelina.

Read More...