Política

Suspensão de prisão de Maluf é negada por STF

O pedido de suspensão de prisão do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) foi negada nesta quinta-feira (21), pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia. Ela argumentou, no momento da decisão, ela relembrou que o caso está em processo desde 2006, e que Maluf está tentando se esquivar da condenação desde então.

“Condenado em 23.05.2017 [pelo próprio STF], persiste o autor [Paulo Maluf] da presente ação a opor recursos buscando esquivar-se do cumprimento da pena na forma imposta por este Supremo Tribunal!”, disse a ministra. “Bom direito não arrasta processos por décadas sem conseguir provar sequer sua existência! Mesmo num sistema processual emaranhado e dificultoso como o vigente no Brasil…”, completou ela.

Maluf se entregou nesta quarta-feira (20) à PF, depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou que o político cumpra pena de 7 anos e 9 meses em regime fechado na Penitenciária da Papuda, em Brasília. O ex-prefeito é acusado de receber propina  referente a contratos públicos com as empreiteiras Mendes Júnior e OAS. Esse período, foi referente ao tempo em que Maluf era prefeito da cidade de São Paulo, de 1993 a 1996.

Os recursos teriam sido desviados da construção da Avenida Água Espraiada, na época. O valor total da obra foi aproximadamente de R$ 800 milhões.

Com a cobrança do juiz Bruno Aielo Macacari, da Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal, de que Maluf seja transferido o mais rápido para Papuda, o advogado de defesa de Maluf solicitou que o deputado passe por exames médicos antes para comprovar que eles não tem condições físicas de ser transferido para Brasília.

Porém, Macacari informou que “evidencia a possibilidade de nova viagem para esta capital federal, consubstanciando-se em apenas mais uma dentre as muitas que certamente fez ao longo da sessão legislativa do ano corrente”.

A ministra também rejeitou o pedido da defesa para prisão domiciliar de Maluf, em razão da condição de saúde dele. “As condições necessárias para a sua segurança física e psicológica, o atendimento de eventuais necessidades específicas em razão de moléstias de que seja acometido devem a ser comprovadas e sobre o pleito deliberado pelo juízo ao qual delegados ‘os atos de execução’ penal”, escreveu.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.