Brasil

Silas Malafaia é indiciado pela PF por suposta lavagem de dinheiro

O pastor Silas Malafaia, da Associação Vitória em Cristo, ligada à Assembleia de Deus, foi indiciado por lavagem de dinheiro e participação em um esquema de corrução ligado a royalties da mineração, segundo um inquérito divulgado pela revista IstoÉ.

De acordo com o documento da PF divulgado na revista, o pastor teria recebido R$ 100 mil de um escritório de advocacia que estava no centro do esquema de corrupção. Na época, Malafaia se defendeu afirmando que os R$ 100 mil recebidos foram “doados” de um empresário, após o pastor “orar” por ele. Malafaia disse que o empresário fez um depósito em sua conta bancária pessoal depois da oração. Mas, segundo investigação da PF, o dinheiro recebido como doação por uma oração são recursos ilícitos que foram desviados de prefeituras e repassados como propina.

O relatório é referente às informações colhidas da Operação Timóteo, na qual Malafaia havia sido alvo de condução coercitiva em dezembro de 2016. O nome da operação teve inspiração na primeira epístola a Timóteo, um dos livros do Novo Testamento da Bíblia, onde no seu capítulo 6, versículos 9-10, diz: “Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”.

Através das redes sociais, o pastor disse que foi alvo de perseguição. “Estou desafiando a provarem que eu estou envolvido com esses canalhas, meta eles na cadeia”, disparou Malafaia. “É uma tentativa de me denegrir.”

Além de Malafaia, a PF indiciou 49 pessoas que estariam ligadas ao esquema. Entre eles estão o ex-diretor de Procedimentos Arrecadatórios do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Marco Antônio Valadares Moreira, indiciado como líder da organização criminosa. No total, os valores involvidos no esquema de corrupção e de desvios de impostos sobre mineração ultrapassam os R$ 66 milhões.

O que diz Silas Malafaia

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.