Sergio Moro e Jair Bolsonaro trocam farpas nas redes sociais após demissão

abril 26, 2020 0 Por Romário Nicácio
Sergio Moro e Jair Bolsonaro trocam farpas nas redes sociais após demissão

Após o pedido de demissão do então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o clima entre ele e o presidente Jair Bolsonaro esquentou nas redes sociais. Antes disso, ambos trocaram acusações sérias em pronunciamento.

Bolsonaro insinuou uma ‘ingratidão’ por parte de Moro, citando o episódio da “VazaJato”, onde foram vazadas conversas do ex-juiz com com membros do MPF, buscando anular processos e acabar com a reputação de Moro. O presidente divulgou uma imagem onde aparece ao lado do ex-ministro para afirmar que estava ao seu lado neste momento.

Em resposta, Moro disse que também apoiou Jair Bolsonaro quando ele “foi injustamente atacado [sobre o caso Marielle]”. Sergio concluiu dizendo que “preservar a PF de interferência política é uma questão institucional, de Estado de Direito,e não de relacionamento pessoal”

Acusado de barganhar cargo no STF para aceitar troca na direção da PF, Moro rebateu dizendo que a “permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF.”

Rebatendo acusações feitas no pronunciamento do presidente, Moro negou que o ex-diretor da PF, Maurício Valeixo, tenha pedido demissão como disse Bolsonaro e citou que “Valeixo estava cansado de ser assediado desde agosto do ano passado pelo Presidente para ser substituído”.

Demissão

Sergio Moro anunciou seu pedido de demissão em um pronunciamento na última sexta-feira (24). Na ocasião, o ex-ministros fez uma série de acusações ao presidente. Entre elas, Moro falou para o presidente que a troca de Valeixo “seria uma interferência política e ele disse que seria mesmo”.

Ainda de acordo com Moro, Bolsonaro disse que “queria alguém que ele pudesse ligar, pudesse solicitar informações, relatórios”. “Não é papel da PF dar esse tipo de investigação e as investigações precisam ser preservadas. Imagina se a Dilma ligasse para o superintendente para pedir informações de investigações em andamento. A autonomia da PF é um valor fundamental que temos que preservar dentro do Estado de Direito”, pontuou ainda.

Em resposta, Jair Bolsonaro também realizou um pronunciamento onde disse Moro não se importa com os brasileiros e nem com o país, apenas com o próprio ego. “Uma coisa é admirar uma pessoa, outra é conviver com ela. Hoje pela manhã, tomando café com aliados, eu lhes disse: hoje vocês conhecerão aquela pessoa que tem o compromisso consigo próprio, com seu ego, e não com o Brasil. O que eu tenho ao meu lado é o povo brasileiro”, disse Bolsonaro.

Bolsonaro ainda explicou que Moro pediu para ele fazer a troca da liderança da PF depois do ex-ministro ser indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para ele, “é desmoralizante para um presidente ouvir isso”.

“O dia em que eu tiver que me submeter a um subordinado, deixo de ser presidente da República”, acrescentou.

Inquérito

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu na sexta-feira (24) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito para apurar as declarações feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, que pediu demissão do cargo e fez acusações contra o presidente Jair Bolsonaro. Entre as medidas solicitadas ao STF, Aras pediu que seja determinado o depoimento de Moro.

De acordo com o procurador, os fatos evidenciam supostos crimes de falsidade ideológica, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, coação no curso do processo ou denunciação caluniosa e crime contra a honra.