Sábado tranquilo na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro
Foto: Marcelo Horn

Sábado tranquilo na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro

setembro 30, 2017 0 Por Aline Rodrigues

Depois da retirada das Forças Armadas da comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro, o dia neste sábado (30) amanheceu aparentemente tranquilo, na zona sul da cidade. Segundo informação da 11ª Delegacia Policial, responsável pela área, nenhuma ocorrência relacionada a tiroteios foi registrada na Rocinha desde a saída das poder militar.

Foi expedido, nesta manhã, no Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, o mandado de prisão contra um dos criminosos que faz parte do grupo de traficantes que estavam atuando no local. É o Carlos Alexandre da Silva, ele faz parte do bando traficante Antonio Bonfim Lopes, o famoso Nem. Durante o confronto com os agentes militares na comunidade, ele tentou recuperar o controle do comércio de drogas.

Na última sexta-feira (29), o pai de um dos adolescentes que foi torturado pela quadrilha que era comandada por Nem, esfaqueou Carlos Alexandre. O pai do adolescente se apresentou ontem à Polícia Civil, e deverá responder o processo em liberdade.

Foi contabilizada a saída de 950 soldados da comunidade nesta sexta, além de veículos blindados das Forças Armadas. O cerco no local foi realizado no dia 22 a pedido do governo da cidade, devido a tiroteio que aconteceu entre traficantes e policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Ontem, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, havia informado que mesmo com a saída dos militares, o Rio de Janeiro não estaria sendo abandonado e que as tropas estariam à disposição da Secretaria de Segurança quando fosse necessário. Informando ainda que a situação já estava sob controle.

“O delito zero ou a ocorrência de crime zero é uma utopia. Falávamos de uma guerra entre gangues, falávamos de uma população aterrorizada e presa nas suas casas. Isso não está acontecendo”, disse Jungmann.

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!