Rodrigo Maia diz que Bolsonaro está “brincando de presidir o Brasil”

março 27, 2019 1 Por Rafael Nicácio
Rodrigo Maia diz que Bolsonaro está “brincando de presidir o Brasil”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, reagiu a um comentário do presidente Jair Bolsonaro, que atribuiu algumas declarações dele [Maia] a questões pessoais e emocionais. Segundo Bolsonaro, Maia estaria abalado.

“Abalados estão os brasileiros, que estão esperando desde 1º de janeiro que o governo comece a funcionar. São 12 milhões de desempregados, 15 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza; a capacidade de investimento no estado brasileiro diminuindo, 60 mil homicídios, e o presidente brincando de presidir o Brasil. Estamos na hora de parar com esse tipo de brincadeira, está na hora de ele sentar na cadeira dele, do Parlamento sentar aqui e em conjunto resolver os problemas do Brasil”, disse Rodrigo Maia.

“Não dá mais para a gente perder tempo com coisas secundárias, com coisas que não vão resolver a fome dos brasileiros, que não vão melhorar a renda dos brasileiros e não vão resolver o problema da Previdência. Do meu ponto de vista, a gente tem que focar naquilo que é fundamental, e o fundamental no Brasil hoje é a gente recuperar a nossa economia, a gente aprovar a Previdência. Eu estou empenhado nisso há dois anos, vou continuar trabalhando, a reestruturação da Previdência é fundamental para o Brasil. Então vamos parar de brincadeira. O Brasil precisa do governo funcionando”, acrescentou.

Convocação de Moro

Em relação à convocação do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, aprovada nesta quarta pela Comissão de Legislação Participativa, Maia disse que pretende cancelar a convocação e transformá-la em convite. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) apresentou recurso ao presidente da Casa, alegando que o colegiado não tem competência para convocar o ministro Moro.

“Minha impressão é que isso será transformado em convite. O ministro Moro não tem negado nenhum convite para debate. Se ele tem vindo, por que a gente vai convocar numa comissão que não é nem a comissão ligada a ele?”, questionou o presidente.

Pautas bombas

Questionado por jornalistas, Rodrigo Maia negou que a Câmara vá votar projetos com impacto fiscal (as chamadas “pautas bombas”). Segundo ele, todo projeto que gere aumento de despesa só vai ser votado pela Casa após um amplo diálogo com a equipe econômica.

“Tenho minha posição, sou presidente e da Câmara, mas tenho a responsabilidade dessa função e sem nenhuma dúvida vou continuar onde estive, presidindo a Câmara com responsabilidade fiscal e com o meu País”, afirmou Maia.

Com informações da Agência Câmara*