CoronavírusDestaques

Queiroga diz que governo vai imunizar crianças, mas exigirá prescrição médica

As exigências não existem em outros grupos que já tiveram a vacinação autorizada

Após abrir consulta pública para avaliar se permitiria a vacinação de crianças contra covid-19 no Brasil, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira, 23, que o governo federal vacinaria crianças de 5 a 11 anos, mas exige receita e assinatura de um formulário de consentimento dos pais. As exigências não existem em outros grupos que já tiveram a vacinação autorizada.

Segundo o ministro, o modelo adotado na Alemanha é o ideal. Lá, disse ele, as crianças com comorbidades clinicamente reconhecidas têm prioridade, mas isso depende da autorização do responsável.

(Para) as sem comorbidades, há necessidade de prescrição médica“, afirmou o ministro em entrevista na sede do ministério. “O documento que vai ao ar é um documento que recomenda a vacina da Pfizer. Nossa recomendação é que não seja aplicado de forma compulsória. Essa vacina estará vinculada à prescrição médica, e a recomendação obedece às orientações da Anvisa“, disse Queiroga.

Questionada, a Anvisa indicou que não estava nas recomendações que a vacina só poderia ser aplicada em crianças após recomendação médica.

Demanda gera desigualdade, segundo infectologista

Para a infectologista Raquel Stucchi, da Sociedade Brasileira de Infectologia, a decisão de vacinar as crianças apenas com prescrição estimula a desigualdade, tendo em vista que as crianças que procuram clínicas privadas conseguem prescrições mais facilmente do que quem utiliza o SUS.

A exigência de receita médica para crianças serem vacinadas contra covid-19 é um entrave e aumentará ainda mais a desigualdade no nosso país, pois poucas serão as crianças que terão acesso a esta prescrição“, afirmou Raquel Stucchi.

Insistência na consulta pública

Durante a entrevista, mesmo após ter sido anunciado como seria a vacinação infantil, Queiroga defendeu a consulta pública com a sociedade para discutir a vacina para crianças. Segundo ele, o modelo ideal é o modelo “determinado pela sociedade de cada país”. “Os dados que embasam a decisão [sobre vacinas para crianças] são preliminares, então o caso é delicado”, disse ele.

Segundo Queiroga, a decisão de como vacinar crianças será anunciada no dia 5 de janeiro, “se todos concordarem com o que estamos propondo na consulta pública“. Assim que a vacina for introduzida no programa nacional de imunização, Queiroga disse que “a curto prazo” haverá uma dose para crianças.

Aprovação científica

A decisão do Ministério da Saúde de dar início, nesta quinta-feira, 23, a uma consulta pública para colher pareceres sobre a vacinação contra covid-19 em crianças no país, mesmo depois de a Anvisa ter permitido a vacinação para crianças de 5 a 11 anos, foi criticado por especialistas. Em sua opinião, a consulta teve como objetivo apenas postergar a aplicação das doses do medicamento, por não ser aplicável em outros momentos de pandemia.

A imunização de crianças de 5 a 11 anos com dose pediátrica da Pfizer foi aprovada pela Anvisa na última quinta-feira, seguindo o que vem sendo feito por autoridades de saúde dos Estados Unidos e da Europa em mais de um mês.

Além da Anvisa, a Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI), órgão consultivo do Ministério da Saúde, anunciou seu apoio à imunização infantil no Brasil.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo