DestaquesMeio Ambiente

Queda de neve no deserto do Saara: um fenômeno climático incomum

A neve no Saara está se tornando mais ou menos comum?

A queda de neve em um deserto quente pode parecer uma contradição, mas a neve foi registrada várias vezes no deserto do Saara nas últimas décadas, mais recentemente em janeiro de 2022. Assim, a queda de neve pode ser incomum, mas não é inédita na região.

Para que a neve se forme, são necessárias duas propriedades climáticas distintas: temperaturas frias e ar úmido. A presença de neve reflete uma combinação especial de circulação de ar na atmosfera e a natureza da superfície terrestre sobre a qual a neve cai.

Embora o Saara geralmente experimente temperaturas muito altas (mais de 50°C), baixas temperaturas também são registradas (em particular à noite) por causa da superfície da terra “nua” e do céu sem nuvens. Um frio máximo de -14°C foi registrado na Argélia em janeiro de 2005 durante o inverno do hemisfério norte.

O Saara é o maior deserto quente do mundo. Abrange 11 países no norte da África: Argélia, Chade, Egito, Líbia, Mali, Mauritânia, Marrocos, Níger, Saara Ocidental, Sudão e Tunísia. Faz fronteira com o Oceano Atlântico a oeste, o Mar Vermelho a leste, o Mar Mediterrâneo ao norte e a savana do Sahel ao sul.

Os padrões de circulação de ar no inverno atraem ar fresco e úmido para o norte do Saara do Atlântico e do Mediterrâneo. Isso resulta em maior precipitação de inverno ao longo da orla do Saara nesta temporada.

Em terrenos mais altos – como as montanhas do Atlas do Marrocos e da Argélia – o ar ascendente pode esfriar, condensar e, se o ar estiver frio o suficiente, sua umidade pode congelar para formar cristais de neve e, eventualmente, um manto de neve. Se a superfície da terra também estiver fria, a neve pode persistir e não derreter imediatamente.

É nestas condições meteorológicas, e nestas zonas montanhosas, que ocasionalmente se pode encontrar neve no Saara.

Chuvas e neve no Saara

O centro do Saara é hiperárido, recebendo menos de 100 mm de chuva por ano, mas também possui corpos d’água em três de seus quatro lados. O ar úmido chega à região do Oceano Atlântico, do Mar Mediterrâneo e do Oceano Índico, por ciclones de baixa pressão no norte do Saara durante o inverno e chuvas de monção no sul do Saara durante o verão. As periferias do deserto são, portanto, mais úmidas que seu centro. Isso significa que é mais provável que a neve se forme na periferia do deserto.

As montanhas do Atlas, em particular, atuam como uma armadilha de neve por causa de sua proximidade com o Atlântico e elevação. A cidade argelina de Aïn Séfra recebeu neve nos invernos do hemisfério norte de 1979, 2016, 2017, 2018, 2021 e 2022. Este último evento foi apenas “um leve pó”, transformando as dunas de areia com uma fina camada branca, enquanto em 2018, por exemplo até 30 cm de neve caiu em áreas de maior altitude. Vários resorts de esqui são encontrados nas montanhas do Atlas (principalmente com neve feita por máquinas), como evidências mostram que a neve cai com relativa frequência aqui.

O Saara e as mudanças climáticas

A neve no Saara está se tornando mais ou menos comum? A resposta curta é que ainda não sabemos. Isso se deve em parte à falta de dados sobre eventos passados, mas também porque o esforço de modelagem climática não se concentrou no Saara, uma área de baixa população.

Uma propriedade chave do Saara é seu tamanho (9 milhões de km2) e seu afastamento. Isso significa que os métodos de sensoriamento remoto por satélite, em vez de observações de campo, agora são usados ​​para mapear o tempo, a quantidade e a distribuição das chuvas e da queda de neve. Mas isso se estende apenas às últimas décadas: há muito pouca evidência de padrões de queda de neve antes dos registros de satélite se tornarem disponíveis na década de 1970.

Portanto, a queda de neve do Saara historicamente pode ser mais comum do que pensamos. Seria interessante usar evidências antropológicas e histórias orais para explorar essa possibilidade.

Globalmente, no entanto, as mudanças climáticas estão levando a padrões climáticos mais imprevisíveis. No Saara, isso pode significar aumento da variabilidade das chuvas ao longo de sua orla mais úmida do Sahel e ao longo das costas atlântica e mediterrânea (incluindo nas montanhas do Atlas).

Os eventos de neve provavelmente continuarão – e podem se tornar mais variáveis ​​em tempo e quantidade – se as condições mais frias sobre as montanhas persistirem.

Embora os padrões de neve sejam incertos, este não é o principal desafio que o Saara enfrenta sob as mudanças climáticas. Prevê-se que o lado terrestre das montanhas se tornará mais seco e o centro do Saara permanecerá seco e se tornará ainda mais quente. O aumento da secura e a poluição dos aquíferos subterrâneos significam que há menos água disponível para a agricultura e cidades em crescimento.

Nas últimas décadas, o próprio Saara também tem crescido devido ao fato de o sul do Sahel se tornar mais seco e se transformar em deserto, e é provável que isso continue nas próximas décadas.

Este artigo é da The Conversation sob uma licença Creative Commons*

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.