Destaques, Saúde

Quase metade dos abortos que ocorrem no mundo são feitos sem segurança

Um estudo publicado no The Lancet procurou encontrar quantos abortos realizados no planeta são feitos em condições ideais e saudáveis. Cerca de 55,7 milhões de pessoas abortaram entre 2010 e 2014, e estima-se que cerca de 25,1 milhões, 45%, não foram feitas em ambientes médicos e eram perigosos .

A pesquisa classificou os abortos em três seções, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS): “seguro”, “menos seguro” e “inseguro”.

Mais de 30% do número total de abortos são considerados “menos seguros”: isso significa que eles foram realizados por profissionais treinados, mas usando métodos obsoletos ou inseguros. Aproximadamente 14% dos abortos, um total de 8 milhões, são considerados “inseguros”, o que significa que eles foram realizados por uma pessoa não treinada que usou métodos perigosos. Isso inclui o uso de objetos afiados ou remédios a base de ervas.

A grande maioria dos abortos “inseguros” (97%) ocorreu em regiões de baixa renda e em países em desenvolvimento. Na Ásia Central e do Sul, menos de 1 a cada 2 abortos eram considerados “seguros”. Na América Latina, bem como em grande parte da África, essa figura diminui para 1 em cada 4 abortos .

Europa e América do Norte são as regiões mais seguras. De acordo com o estudo, é porque muitos desses países têm “leis menos restritivas sobre o aborto, um alto uso de contraceptivos, bom desenvolvimento econômico, altos níveis de igualdade de gênero e infra-estrutura de saúde bem desenvolvida”. O Leste da Ásia e a China têm um nível de segurança semelhante à da Europa e da América do Norte, embora muitas dessas áreas ainda sejam consideradas “em desenvolvimento”.

Os autores do estudo concluem enfatizando a importância das leis liberais, do desenvolvimento econômico, da medicina baseada na evidência científica e na igualdade de gênero como métodos para garantir a maior segurança possível ao aborto.

Fonte: The Lancet

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.