Destaques, Negócios

Projeto pretende otimizar produção de empresas no Rio Grande do Norte

De olho nas vantagens de ingressar na quarta revolução industrial, o SENAI elaborou um projeto que ajuda pequenas e médias empresas a darem os primeiros passos rumo à evolução. Ainda em fase de implantação, o projeto denominado Indústria Mais Avançada conta com a participação de 56 empresas espelhadas pelo país, inclusive no Rio Grande do Norte.

O propósito é espalhar sensores pela fábrica para identificar falhas em qualquer lugar da linha de produção. Isso, segundo o diretor Regional do SENAI no estado, Emerson Batista, permitirá uma ação rápida do responsável no casso de detecção de algum problema.

Batista afirma ainda que o país está atrasado em relação à indústria 4.0. E, com esse projeto, ele espera que outras empresas criem interesse por investir em novas tecnologias. “Muitas empresas ainda analisam não como investimento, mas como custo. Então a quebra dos paradigmas é um trabalho de suma importância.”

Para o gerente executivo de Política Industrial da Confederação da Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves, investir nessas novas tecnologias é fundamental, avisto que sem isso, as empresas não vão atingir um bom nível de competitividade. “Avançar rapidamente não é uma opção, é uma absoluta necessidade para a indústria brasileira. A gente tem uma série de desafios e vários deles passa, por questões sistêmicas”, diz João Emílio.

As principais tecnologias envolvidas na Indústria 4.0 são: robótica avançada, manufatura híbrida, big data, impressão 3D, computação em nuvem, inteligência artificial, sistemas de simulação virtual e internet das coisas.

Projeto pretende otimizar produção de empresas no Rio Grande do Norte

Outros projetos

A chegada do movimento 4.0 no Brasil implica na necessidade de implementação das novas tecnologias digitais na maneira do produzir. Por isso, além do programa Indústria Mais Avançada, as pequenas e médias empresas também têm a opção de conhecer outros projetos. O Brasil Mais Produtivo (B+P) é um deles.

O programa também oferece consultoria para introduzir técnicas da Manufatura Avançada/Indústria 4.0 a pequenas e médias empresas brasileiras. O programa, já atendeu três mil empresas de todas as regiões brasileiras.

Segundo a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), as empresas que participaram, em 2017, alcançaram um aumento médio de produtividade de 52,09% nas linhas de produção.

Outra forma de os empresários ficarem por dentro dos novos modelos de produção é participando do Senai 4.0. O projeto disponibiliza uma série de soluções e serviços relacionados à Indústria 4.0.

O trabalho é estruturado em três fases. A primeira consiste na difusão dos conceitos através de encontros presenciais e cursos gratuitos. Nessa etapa, a ideia é possibilitar o melhor entendimento das oportunidades de melhorias.

O próximo passo se refere à construção de um plano de ação com uma trajetória objetiva de utilização dos conceitos e tecnologias da Indústria 4.0. Já na última fase, o SENAI oferece espaços para as empresas terem acesso à informação e ambientes neutros para realização de testes e compartilhamento dos resultados.

Propostas da indústria

 Indústria 4.0 no Rio Grande do Norte

Diante da necessidade de os avanços tecnológicos da Indústria 4.0, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) encaminhou uma série de propostas aos candidatos à Presidência da República.

O documento contém medidas de apoio à modernização industrial e aplicação de novas tecnologias digitais no dia a dia das empresas. O objetivo é melhorar a infraestrutura de telecomunicação e desenvolvimento de estratégias para a formação e qualificação profissional. As propostas fazem parte do documento Propostas da Indústria para as Eleições.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.