Foto: Kremlin

O presidente do Irã, Hassan Rohani, disse na última sexta-feira que o Teerã e outras nações da região vão “vingar” o assassinato do general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds, unidade da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã responsável pelas operações especiais no exterior, segundo informa a Reuters.

“O martírio de Soleimani tornará o Irã mais determinado a resistir à expansão dos Estados Unidos e defender nossos valores islâmicos. Sem dúvida, o Irã e outros países que buscam liberdade na região se vingarão”, disse Rohani.

Enquanto isso, o porta-voz da Guarda Revolucionária, Brigadeiro-General Ramezan Sharif, disse que “os guardas revolucionários do Irã, forças anti-EUA, vingarão Soleimani em todo o mundo muçulmano”, segundo a Reuters.

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, classificou os ataques dos EUA de “ato de terrorismo internacional”. Segundo o ministro, a ação “é extremamente perigosa” e Washington terá que enfrentar suas consequências.

Por sua parte, o líder supremo do Irã, Ali Hosseiní Khameneí, alertou que os “criminosos” que mataram Soleimani aguardem uma vingança forte. “Todos os inimigos devem saber que a resistência continuará com uma motivação dupla e que uma vitória definitiva aguarda os combatentes na guerra santa”, disse Khamenei, anunciando três dias de luto nacional.

Rússia

Após a morte dos militares, o chefe de Estudos Americanos da Universidade de Teerã, Mohammad Marandi, comentou que o papel de Soleimani na liquidação do Estado Islâmico o tornou “um herói nacional” no Irã e em outros países da Oriente Médio.

Nesse contexto, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, María Zajárova, disse que após esse ataque norte-americano o mundo enfrentará “uma nova realidade”.

“Certamente hoje enfrentamos a demonstração de uma nova realidade, ou seja, a eliminação de um representante do governo de um Estado soberano, um funcionário público, sem correlação dessas ações com nenhuma base legal”, afirmou a porta-voz em uma entrevista com o canal Rossiya 24.

Segundo Zajárova, é “um fato extremamente importante, que leva a situação a um nível completamente diferente”.

Além disso, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse em um post em seu Facebook que “além da escalada de tensão na região, que inevitavelmente atingirá milhões de pessoas, esse [ataque dos EUA] não levará a nada”.

Ataques dos EUA

Na última quinta-feira (2) os EUA realizaram um ataque com mísseis perto do aeroporto internacional de Bagdá (Iraque), no qual o general iraniano Qassem Soleimani foi morto.

O Pentágono disse que o ataque foi realizado “sob a direção” do presidente dos EUA , Donald Trump, e “que pretendia impedir futuros planos de ataque iranianos”.

O Departamento de Defesa acusou Soleimani de “desenvolver ativamente planos para atacar diplomatas dos EUA e membros do serviço no Iraque e em toda a região”.

Outra vítima do atentado desta quinta-feira foi Abu Mahdi al Muhandis, chefe das Forças de Mobilização Popular (FMP) e comandante da milícia Kataib Hezbollah (KH). Em 29 de dezembro, suas bases foram atacadas pelos EUA, uma ação que deixou um saldo de 25 mortos e causou o ataque à embaixada dos EUA na capital iraquiana.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.