DestaquesUniverso

“Precisamos de um plano para quando descobrirmos vida alienígena”, alerta NASA

Reconhecer a vida alienígena pode não ser tão simples como chegamos a imaginar

Aquela velha questão de se os terráqueos estão sozinhos no universo é algo que pesa em nossas mentes. Se não formos, como será a outra vida? Será muito simples ou avançada? Seremos capazes de reconhecê-la, pois pode ser muito diferente de nós? Por todas essas razões, os cientistas da NASA estão propondo que o mundo concorde com uma abordagem de como anunciaremos qualquer descoberta futura que pode ou não ser vida extraterrestre para minimizar qualquer mal-entendido.

Em primeiro lugar, é importante lembrar que não devemos apostar na descoberta de algo que seja inequivocamente vida. Pode não aparecer na forma de homenzinhos verdes ou ET’s, como muitos esperam. É muito mais provável que as assinaturas de vida que poderíamos observar dessem um resultado empolgante, mas nada certo. Qualquer evidência terá de ser verificada, estudada e verificada novamente, o que pode levar algum tempo. Por esse motivo, ter uma estrutura para lidar com a forma de transmitir tal descoberta é importante para evitar que quaisquer resultados sejam considerados mais do que realmente são.

Em um artigo de perspectiva publicado na revista Nature, os pesquisadores da NASA discutem a necessidade de uma abordagem metódica e como será benéfico ter algo no lugar, antes de quaisquer descobertas confiáveis ​​virem à tona. “Nossa geração poderia ser realisticamente aquela que descobriria evidências de vida fora da Terra”, começa o artigo. “Com esse potencial privilegiado, vem a responsabilidade.”

Eles até sugeriram uma escala possível chamada CoLD, ou escala de detecção de confiança de vida. Tem sete níveis, para garantir que o que estamos vendo é inegavelmente vida. O nível 1 é a detecção de um sinal que pode ser biológico. O próximo passo é descartar qualquer contaminação humana ou terrena. Os próximos dois níveis se concentram em garantir que seja um evento biológico e não químico não relacionado à vida. Chegar ao nível 3 requer a demonstração de que uma fonte biológica pode produzir sinais e o nível quatro requer a exclusão de todas as fontes não biológicas naquele ambiente.

O nível 5 é alcançado quando um sinal adicional independente da biologia é detectado. O nível 6 é alcançado quando todas as hipóteses alternativas anunciadas após a primeira detecção são excluídas. E, finalmente, o nível 7 é a confirmação independente de comportamentos mais biológicos.

Aplicar a escala CoLD a exemplos famosos realmente os coloca em um contexto melhor. O notório meteorito marciano ALH84001 de 4,5 bilhões de anos, que pode conter evidências de processos de vida antigos, atinge no máximo o nível 3.

A pergunta “É evidência de vida? Sim ou não?” não é mais o tipo certo de pergunta, argumentam os pesquisadores. Um tópico tão importante precisa de mais nuances.

Realizar esse potencial requer um diálogo em nível de comunidade entre cientistas, tecnólogos e a mídia para chegar a um acordo sobre padrões objetivos de evidências para a vida e as melhores práticas para comunicar essas evidências”, escrevem os autores.

Fazer isso antes que os resultados de detecção de vida sejam relatados, ao invés de em resposta a uma descoberta específica, permitirá um tratamento mais imparcial, objetivo e abrangente do assunto e garantirá que sua embalagem apoie o entendimento claro pelo público em geral. O objetivo desta Perspectiva é convocar para tal diálogo e propor um esboço de estrutura e um conjunto de considerações para semear a discussão.”

A escala CoLD pode não ser aquela em que a comunidade científica global se estabelece, mas uma estrutura para concordar o que contaria como evidência de vida em outras partes do universo e a melhor forma de comunicá-la certamente beneficiaria a discussão.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo