(ANSA) – Oscar Pérez, o agente da polícia científica venezuelana que atacou de um helicóptero o Ministério do Interior e o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), em Caracas, reapareceu e anunciou a segunda fase de seu plano para a “libertação” da Venezuela.

Através de um vídeo divulgado no Youtube nesta terça-feira, dia 4, Pérez afirmou que ele e a brigada de intervenção da Polícia Científica tiveram que ficar vários dias “desconectados” devido à aterrissagem de “emergência” que realizaram no litoral do estado de Vargas, perto da capital do país.

“Mas já estamos em Caracas prontos e dispostos a continuar a nossa luta ferrenha pela libertação da nossa pátria”, disse o militar na gravação que tem mais de cinco minutos de duração.

Pérez também disse que continuará sua luta incansavelmente e que participará das manifestações e dos protestos da capital “defendendo também nosso povo contra os ataques armados”.

“E que atuem toda a G-2 [serviço secreto de Cuba] e toda a inteligência cubana […] porque há uma população inteira, 30 milhões de venezuelanos, [e eles] terão que prender o país por completo para poder calar a nossa missão, nosso patriotismo”, ressaltou.

Pérez continuou afirmando que está disposto a dar a sua vida para frear a Assembleia Nacional Constituinte que foi convocada pelo presidente Nicolás Maduro e cujas eleições deverão ser realizadas no próximo dia 30 de julho.

“Saiam às ruas a representar a Venezuela, a lutar porque se essa constituinte [for aprovada] não haverá mais Venezuela, teremos dado o país aos cubanos e a esse pequeno grupo de corruptos que está negociando no governo o futuro do nosso país”, pediu o venezuelano à população.

Por fim, Pérez também acusou Maduro e o vice-presidente do Partido Socialista Unido de Venezuela (Psuv), Diosdado Cabello, de serem “assassinos” e agradeceu aos jovens “anônimos” que seguem na luta contra a administração chavista.

“Permaneçamos firmes nas ruas, com fúria, com energia, estamos defendendo o nosso futuro, nossos direitos e nossos deveres”, enfatizou o policial de 36 anos que no dia 27 do mês passado, junto a um grupo de militares, lançou granadas de um helicóptero nas sedes do TSJ e o Ministério do interior de Caracas.

Independência

E nesta quarta-feira (5), a Venezuela está celebrando o aniversário de 206 anos de independência em meio ao caos. Pouco tempo antes da sessão solene para comemorar a data, militantes pró-governo invadiram a Assembleia Nacional, em Caracas, encapuzados e com armas em mãos.

Os chavistas entraram no Parlamento ainda de manhã cedo, lançaram foguetes, fizeram disparos e agrediram fisicamente parlamentares e jornalistas que estavam presentes. Ao menos 12 pessoas ficaram feridas.

Os grupos armados favoráveis ao governo de Maduro, chamados de “coletivos”, também semearam o caos e o terror em vários outros pontos da capital venezuelana para impedir que manifestações contra o presidente se organizassem e ficassem maiores.

Invasões e confusões causadas por pessoas pró-governo, por policiais e pela Força Armada Nacional Bolivariana já causaram centenas de feridos e ao menos 90 mortes em pouco mais de 3 meses de protestos.

Enquanto isso, o mandatário, junto ao Exército e aos seus apoiadores, começou a fazer a tradicional “marcha vitoriosa” para comemorar a independência da nação até a Assembleia Nacional.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.