Polícia Militar e Bombeiros fecham lojas no bairro do Alecrim

junho 4, 2020 0 Por Rafael Nicácio
Polícia Militar e Bombeiros fecham lojas no bairro do Alecrim

Militares do Corpo de Bombeiros e da PM-RN determinaram o fechamento de lojas, camelôs e outros estabelecimentos não essenciais, nesta quinta-feira (4), durante as fiscalizações da operação “Pacto pela vida“. Ação aconteceu no bairro Alecrim – na Zona Leste de Natal, e os lojistas foram notificados sobre a proibição de funcionamento que vigora desde março.

De acordo com o governo do Estado, as ações de fiscalização que iniciaram nesta quinta-feira, dia 4 de junho, em parceria com os municípios, “visam garantir a obediência aos decretos estaduais que determinam o fechamento do comércio não essencial durante a pandemia do novo coronavírus”. Isso porque, de acordo com o próprio governo, “os índices de isolamento social estão abaixo do que era previsto, por causa do descumprimento às regras”.

Vários comerciantes chegaram a fazer um protesto e fecharam a avenida Presidente Bandeira ao lado do camelódromo. Após negociação com a Polícia Militar, eles permitiram a passagem de transporte público. Veja nos vídeos abaixo:

Além de Natal, ações aconteceram em pelo menos outros quatro municípios: Macaíba, Parnamirim, Extremoz e São Gonçalo do Amarante.

Mais rigidez nas fiscalizações

O governo anunciou para a tarde de hoje (04/06), a publicação de um novo decreto com o endurecimento das regras de combate ao novo coronavírus, em edição extra do Diário Oficial. Apesar da recomendação do Comitê Científico do Nordeste, o estado não deverá decretar lockdown – com medidas restritivas à circulação de pessoas – mas vai ampliar a fiscalização. Outra mudança deverá ser a retirada de estabelecimentos como salões de beleza e armarinhos dos serviços previstos como essenciais.

A governadora Fátima Bezerra enfatizou que o rigor na fiscalização para fazer valer o cumprimento do decreto nas ruas, onde as forças de segurança pública estarão articuladas com as prefeituras será vital para o combate à Covid-19. “Se nos próximos 15 dias continuar a velocidade de crescimento da curva não vamos ter como diminuir a pressão no sistema de saúde”, advertiu Fátima Bezerra. E reafirmou: “É por isso que optamos ao pacto pela vida”.