Notícias, São Gonçalo do Amarante

Plenário aprova proposta que altera Lei de Registros Públicos

Foto: Divulgação

Foi aprovada nesta terça-feira (05), pelo Plenário da Câmara dos Deputados, a proposta que altera a Lei de Registros Públicos (6.015/73). Atualmente, a lei prevê apenas o registro de onde ocorreu o parto como naturalidade da criança. Se a mudança realmente acontecer, a certidão de nascimento passará a indicar como naturalidade do filho o município de residência da mãe na data do nascimento, se localizado no país.

Com informações da Agência Câmara Notícias, o texto que foi aprovado é um projeto de lei de conversão da senadora Regina Souza (PT-PI), para a Medida Provisória 776/17, com duas emendas aprovadas pelos senadores e segue para a sanção presidencial.

Os cartórios poderão prestar outros serviços remunerados à população em credenciamento ou em matrícula com órgãos públicos e entidades interessadas, mediante convênio. Essa foi uma das emendas aprovadas pelos senadores e mantida pelos deputados mesmo após alguns partidos terem se manifestado contra.

Ságuas Moraes (PT-MT) foi um dos deputados a criticar a emenda. “Quando a gente passa a emissão de documentos para os cartórios, teremos uma dupla cobrança para o cidadão, além de tirar a responsabilidade do Estado”, disse. “Alguns documentos, como o passaporte, já são pagos para o órgão público emissor e, com essa emenda, a pessoa terá que pagar também pelo serviço realizado pelo cartório”, completou.

Já o deputado Júlio Lopes (PP-RJ), que foi favorável e autor da reforma, disse que quer facilitar os serviços para o cidadão. “Queremos maior capilaridade aos serviços prestados ao cidadão, desburocratizar. Ninguém está querendo avançar nas competências dos cartórios, nem dar a eles qualquer atribuição estranha às suas atribuições originárias”, falou.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias em seu e-mail. O artigo continua após o formulário!

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Outra correção mantém no atual texto da Lei de Registros Públicos dispositivo que torna obrigatório o registro de nascimento de criança de menos de um ano mesmo diante de óbito. Na mesma emenda, prevalece o interesse público para cremação  além de atestado de óbito firmado por dois médicos ou por médico legista e, no caso de morte violenta, manifestação favorável da autoridade judiciária.

Agora, o Ministério Público não precisará mais ser ouvido antes da averbação de documentos em cartórios e seu parecer será solicitado pelo oficial do cartório apenas se ele suspeitar de fraude, falsidade ou má-fé nas declarações ou na documentação apresentada.

O Ministério Público também não precisará mais ser consultado pelo oficial do cartório de registro no caso de correção de erros que não precisem de questionamentos para a constatação imediata dessa necessidade.

E em caso de falecimento, o texto aprovado permite o registro na cidade de residência da pessoa, mesmo o óbito ocorrendo em cidade diferente.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.