CoronavírusDestaques

Ômicron: quais são os sintomas mais comuns e tudo que você precisa saber sobre a variante

Os primeiros dados estão começando a nos mostrar claramente os problemas que o Ômicron pode causar

A variante Ômicron do coronavírus está se espalhando rapidamente pelo mundo. Casos de covid-19 estão aumentando em países com uma elevada percentagem de vacinados e os especialistas esperam que em breve a variante torne-se o vírus dominante. Isso é o que sabemos até agora, embora a cada dia que passa nossa compreensão dessa variante evolua.

Quais são os sintomas mais comuns da variante Ômicron?

Os primeiros dados da África do Sul, onde essa variante foi descoberta pela primeira vez no final de novembro ( não necessariamente de onde se originou), e de outros países estão começando a nos mostrar claramente os problemas que o Ômicron pode causar. Está infectando pessoas que já têm alguma imunidade, seja por vacinação anterior ou por terem sido infectadas com o vírus, mas seus sintomas típicos também parecem, pelo menos por enquanto, ser mais brandos.

Um estudo de um surto de Ômicron na Noruega, onde a grande maioria das pessoas afetadas foram vacinadas com duas doses, descobriu, por exemplo, que os primeiros sintomas eram predominantemente dor de garganta e coriza ou nariz entupido, junto com tosse seca e fadiga. Curiosamente, esse mesmo estudo descobriu que apenas 12% sofriam de perda do olfato, algo que antes era conhecido como um sintoma muito comum na Covid-19. Na África do Sul, a onda Ômicron foi associada a menos hospitalizações e mortes do que nos picos anteriores da pandemia, mesmo com a variante Delta.

Existem dados laboratoriais que sugerem que o Ômicron pode crescer muito rapidamente nas células do nosso trato respiratório superior, embora se apresente pior nos pulmões. Isso pode ajudar a explicar por que o Ômicron se espalha tão rapidamente e por que parece ser menos grave. No entanto, é muito cedo para saber se o Ômicron é inerentemente mais suave do que as cepas mais antigas do vírus. Como grande parte do mundo já foi exposta a alguma versão do coronavírus, seja por meio de uma infecção ou de uma vacina, a forma mais branda que vemos agora pode não se comportar da mesma forma com pessoas que não foram expostas a ele.

A Ômicron ainda representa uma grande ameaça, alertam os especialistas. Embora uma pessoa comum possa ficar bem depois de ser infectada com a variante, sua disseminação por si só deixará muitas pessoas doentes ao mesmo tempo, algo que sem dúvida afetará os sistemas de saúde locais. Algumas dessas pessoas também não terão um desempenho tão bom quanto outras, principalmente se sua saúde for mais precária e / ou se não tiverem sido previamente expostas ao vírus. Neste ponto atual, também não sabemos a probabilidade de que as pessoas continuem com sintomas crônicos após terem “superado” o Ômicron, uma condição conhecida como covid prolongada. Mesmo que apenas uma pequena porcentagem de pessoas desenvolva sintomas persistentes, isso ainda pode adicionar muitos casos ao total.

Quando você deve fazer um teste?

Se você já conviveu com alguém que teve COVID-19, pode estar se perguntando como de repente deveria fazer o teste para descobrir se contraiu o vírus. A boa notícia é que o Ômicron não é tão diferente das versões anteriores, de forma que os testes atuais não detectam. Mas há alguns dados da África do Sul que sugerem que os sintomas podem ocorrer logo após a exposição (o que é conhecido como período de incubação), um pouco mais cedo em comparação com as cepas anteriores. Os sintomas do Ômicron podem aparecer após três a quatro dias, enquanto antes do período médio de incubação era cinco dias. Portanto, esse pode ser o melhor momento para obter um PCR, se você acha que pode tê-lo contraído.

Mesmo se o teste for negativo logo após ser exposto a uma pessoa infectada, você deve proceder com cautela, pois algumas infecções só são detectadas uma semana ou mais após a exposição. Os testes rápidos ainda parecem ser eficazes para detectar quando uma pessoa está mais infecciosa e é capaz de transmitir o vírus a outras pessoas, mas especula-se que os testes rápidos podem não identificar a infecção tão rapidamente quanto antes. Portanto, se você for usar um desses testes antes de ir ver alguém, faça o teste um pouco antes, não com um dia ou muitas horas de antecedência. E se você se sentir mal, tente ficar em casa independentemente do que diga o teste.

Quão eficazes são as vacinas e reforços contra Ômicron?

Neste ponto, não está claro se nossas vacinas fornecem proteção contra o Ômicron da mesma maneira como contra outras cepas. Mas isso não significa que elas não estejam ajudando. Vários estudos demonstraram que as doses de reforço parecem restaurar significativamente a eficácia contra o Ômicron, pelo menos temporariamente.

Novos dados do fabricante da vacina Moderna, por exemplo, analisaram os níveis de anticorpos neutralizantes contra o Ômicron antes e um mês após a dose de reforço. Alguns receberam a dose de reforço padrão de 50 microgramas (metade da dose total usada na vacina), enquanto outros receberam uma dose de 100 microgramas. Os níveis aumentaram 37 vezes naqueles que receberam a dose de reforço padrão, e 83 vezes nos que receberam reforço de 100 microgramas.

Mas aqui estão algumas advertências. Nos experimentos, eles usaram pseudovírus que se pareciam com o Ômicron, então pode variar um pouco como nossa imunidade realmente aumenta. Dito isso, alguns dos primeiros dados do programa de vigilância covid-19 do Reino Unido mostraram a importância do reforço. Os pesquisadores compararam a probabilidade de os residentes contraírem Delta ou Ômicron, dependendo do seu estado de vacinação, e descobriram que o reforço pode restaurar a proteção contra Ômicron em até 70% e 75%, além de oferecer proteção ainda maior contra as patologias mais graves.

Empresas como a Moderna estão desenvolvendo doses de reforço específicas contra o Ômicron, mas pode demorar um pouco para chegar, e quem sabe como será a situação quando isso acontecer. Mas, por enquanto, receber uma dose de reforço é provavelmente a melhor coisa que você pode fazer para se manter seguro.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.