O que é preciso estudar para ser engenheiro?

agosto 14, 2020 0 Por Rafael Nicácio
O que é preciso estudar para ser engenheiro?

Engenheiro é o profissional habilitado a trabalhar com grandes construções. Esta costuma ser a primeira imagem ou explicação associada à profissão.

Mas quem pretende entrar nesta área deve saber que ela é muito ampla e com campos de atuação bem específicos.

O que é comum a qualquer ramo da Engenharia é a necessidade de estudar Matemática. Sim, o aluno estará às voltas com muitos cálculos, muitas derivadas, entre outros conteúdos do tipo ao longo do curso.

De qualquer maneira, o fundamental é obter uma formação de qualidade para exercer a profissão.

As diferentes faces da engenharia

A Civil é uma das engenharias mais tradicionais. O profissional com esta habilitação pode realizar planejamento, gerenciamento e execução de obras, cuidando ainda da segurança e da qualidade dos empreendimentos.

Também pode elaborar projetos de edificações; fazer planejamento paisagístico e urbano, e a conservação e restauração de patrimônio; e emitir laudos técnicos, trabalhando para construtoras, escritórios e para o setor público.

Além das disciplinas teóricas, precisa aprender mecânica de estruturas, hidrologia, materiais da construção civil e também matérias de administração e economia.

Outra formação bem conhecida é a Elétrica. O engenheiro eletricista atua com projetos, execução e acompanhamento nas áreas de transmissão, geração e distribuição de energia elétrica ou originária de fontes renováveis.

O profissional também pode realizar análise, manutenção e expansão de sistemas já existentes, além de gestão e planejamento de estruturas e sistemas automatizados e de equipes de trabalho.

Ao longo do curso, são estudados circuitos, sistemas, sinais, teoria eletromagnética aplicada, telecomunicações, eletrônica digital e meio ambiente.

Há ainda os engenheiros formados em Mecatrônica, que projetam, acompanham e executam o controle de processos; desenvolvem os instrumentos, robôs e máquinas que automatizam tarefas nas indústrias, fazem o gerenciamento de máquinas e softwares e a projeção de equipamentos para medicina e biotecnologia.

Para conseguir esta titulação, é preciso aprender sistemas dinâmicos para mecatrônica, controle e automação, elementos de máquinas, processamento de sinais e introdução à manufatura.

A engenharia de Produção trabalha na integração de pessoas e tecnologia para desenvolver uma linha de produção eficiente e analisar, gerenciar, implantar e operacionalizar processos.

Quem se capacita neste segmento pode atuar em pesquisa operacional, logística, engenharia da operação e processos da produção, engenharia do produto, projeto organizacional, engenharia econômica, qualidade, entre outros. Há oportunidades em empresas prestadoras de serviços, indústrias, instituições financeiras e consultorias.

A formação exige estudo de gestão de pessoas e qualidade, gestão financeira e econômica, organização do trabalho e, atualmente, encontra um mercado de trabalho favorável.

O engenheiro Ambiental e Sanitário projeta e constrói sistemas de captação e tratamento de água em esgoto para casas e, principalmente, indústrias, e pode atuar em empresas de diferentes portes, setor público, consultorias.

É uma profissão multidisciplinar, voltada também para hidráulica, abastecimento de água, drenagem urbana, cartografia, topografia, sistema de saneamento básico, política ambiental, etc.

Estas são algumas das principais habilitações em engenharia. Outras formações permitem trabalhar nas áreas de computação, controle e automação, alimentos, materiais, acústica, telecomunicações, metalúrgica, aeronáutica, software e muito mais.

Competências para fazer engenharia

Todos os cursos do segmento de Engenharia possuem matérias do ciclo básico e as do campo específico de atuação. Independente da especialização, algumas habilidades são fundamentais para se tornar um profissional da área.

Gostar ou ter facilidade com cálculos é a primeira. E, cada vez que tiver que calcular um limite, a situação fica menos complicada se a pessoa já tiver uma afinidade com exatas.

Os números – nos cálculos, nas fórmulas, nos experimentos – são a base do raciocínio lógico que os estudantes terão que desenvolver ao longo do curso para seguirem em frente. Para isso, serão muitas horas de estudo com apoio de exercícios resolvidos de cálculo neste processo de formação e de construção da carreira.

No entanto, nem só de matemática vive a engenharia. Muitas especializações dependem de análise e interação com o contexto social, político, ambiental, econômico e questões de sustentabilidade. Portanto, não adianta nada se isolar em uma bolha e ignorar o mundo.

E o mercado também exige criatividade, perfil analítico e aptidão para a liderança e comunicação com clientes e equipes.

Para isso, são itens obrigatórios conhecer tecnologia, estar atualizado nas práticas profissionais, ter a capacidade de se adaptar e criar soluções inovadoras, que ofereçam a eficiência desejada.

Outro ponto importante é saber trabalhar sob pressão. Isso exige do profissional paciência, manter o foco e a concentração para cumprir os objetivos determinados, mesmo quando o prazo for apertado ou houver algum imprevisto.