O que dizem os estudos sobre infertilidade masculina após infecção grave por Covid-19?

O que dizem os estudos sobre infertilidade masculina após infecção grave por Covid-19?

outubro 31, 2020 0 Por Rafael Nicácio

As infecções por Covid-19 causam estragos em todo o mundo, de forma que a atenção tem sido corretamente focada com os perigos para os órgãos vitais (pulmão, rim e coração) que são vulneráveis ao ataque viral e contribuem para a patologia aguda associada a esta doença. “No entanto, sabemos que existem sequelas em outras áreas por essa infecção e uma delas é no sistema reprodutor masculino. A doença Covid-19 irá atacar qualquer tipo de célula no corpo que expresse a enzima ACE2”, afirma o Dr. Rodrigo da Rosa Filho, ginecologista obstetra especialista em reprodução humana e membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH).

“Essa ACE2 fica na membrana de algumas células, como as do pulmão, mucosa nasal e do intestino. Sabemos que o Sars-Cov-2 tem uma espícula, que consegue se ligar à ACE2 e isso vai facilitar a fixação do vírus nas células do pulmão”, diz o geneticista Dr. Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral da Multigene, empresa especializada em análise genética e exames de genotipagem. “A ligação do vírus Sars-Cov2 aos receptores ACE2 facilita sua entrada e replicação nas células. Portanto, as células que apresentam alto nível de expressão de ACE2 têm o potencial de serem direcionadas e danificadas pelo vírus. Vários estudos detectaram alto nível de expressão de ACE2 em células testiculares”, afirma o especialista em reprodução humana.

Segundo o médico, se o vírus causar danos a essas células, o processo de espermatogênese pode ser afetado, o que pode representar risco para a fertilidade masculina. “Curiosamente, a expressão testicular de ACE2 está relacionada à idade. A maior expressão é registrada em pacientes com 30 anos, que é maior do que aqueles na casa dos 20 anos, enquanto os pacientes com 60 anos apresentam o nível de expressão mais baixo. Isso pode indicar que pacientes jovens do sexo masculino têm maior risco de dano testicular por Covid-19 do que pacientes mais velhos”, diz o Dr. Rodrigo.

Com base nos resultados desses estudos, concluiu-se teoricamente que o testículo pode ser um alvo potencial para dano direto pelo vírus. “Alguns trabalhos também afirmam que homens que tiveram infecções moderadas ou graves por Covid-19 podem ter sua fertilidade prejudicada, mas ainda não se sabe por qual período de tempo. Até o momento não há uma resposta definitiva, pois é necessário um acompanhamento da função reprodutiva de pacientes masculinos recuperados”, diz o médico.

Como os casos leves não parecem afetar a fertilidade, o Dr. Rodrigo afirma que os homens devem usar máscaras faciais. “Dessa forma, mesmo que adoeçam, seu sistema imunológico estará lidando com uma carga viral menor e, consequentemente, poderão ter uma forma mais branda da doença”, afirma o médico.

De acordo com o médico, como ainda não se sabe o quanto a doença pode afetar a fertilidade, há meios seguros de preservar a capacidade reprodutiva, por meio da retirada de sêmen para congelamento de espermatozoides. “Para a preservação do espermatozoide, é necessário apenas a masturbação (método não-invasivo), de preferência em várias amostras. Então, é feita a criopreservação (congelamento) do sêmen, antes do início do tratamento contra o câncer. Caso o homem não consiga ejacular, os espermatozoides podem também ser retirados diretamente dos testículos, com uma simples agulha ou uma pequena cirurgia”, finaliza o médico.

Estudos:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7171435/

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/andr.12859