Universo

Novos planetas descobertos são os mais semelhantes com a Terra que já foram encontrados

novos-planetas
Imagem: PA

Oito novos planetas foram descobertos na zona “Cachinhos Dourados” de suas estrelas, orbitando a uma distância onde poderiam existir oceanos e vida. A descoberta dobra o número de pequenos planetas menos de duas vezes o diâmetro da Terra que se acredita estar na zona habitável de suas estrelas-mãe. As informações são do Daily Mail.

Os dois planetas mais parecidos com a Terra são conhecidos como Kepler-438B e Kepler-442b, ambos orbitam estrelas anãs vermelhas que são menores e mais frias do que o sol.

Os dois planetas mais parecidos com a Terra são conhecidos como Kepler-438B e Kepler-442b, ambos orbitam estrelas anãs vermelhas que são menores e mais frias do que o sol.

Entre estes oito planetas, os astrônomos dizem que há dois que são o mais parecido com a Terra do que quaisquer exoplaneta conhecidos até a data. “A maioria desses planetas têm uma boa chance de ser rochoso, como a Terra,” disse o principal cientista da descoberta, Dr Guillermo Torres, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, em Cambridge, EUA. Os dois planetas mais parecidos com a Terra são conhecidos como Kepler-438B e Kepler-442b, ambos orbitam estrelas anãs vermelhas que são menores e mais frias do que o sol.

Com um diâmetro que é apenas 12% maior que a Terra, Kepler-438B tem uma chance de 70% de ser rochoso, calcularam os cientistas. Kepler-442b é cerca de um terço maior que a Terra, e a probabilidade de ele ser rochoso é de cerca de 60 por cento. Para estar na zona habitável, também conhecida como a “zona Cachinhos Dourados”, um planeta não deve ser muito quente ou muito frio e receber cerca de tanta luz solar como a Terra.

A zona "Cachinhos Dourados" é o cinturão ao redor de uma estrela, onde as temperaturas são ideais para a água líquida para reunir em um planeta. Foto: Reprodução/Daily Mail

A zona “Cachinhos Dourados” é o cinturão ao redor de uma estrela, onde as temperaturas são ideais para a água líquida para reunir em um planeta. Foto: Reprodução/Daily Mail

Kepler-438B recebe cerca de 40% mais luz do que a Terra dando-lhe uma probabilidade de 70% de ter uma órbita na zona habitável. A outra estrela recebe cerca de dois terços de tanta luz quanto a Terra e é 97% provável que seja na zona habitável. O co-autor da descoberta, Dr. David Kipping, também do Centro de Astrofísica, disse: “Nós não sabemos com certeza se qualquer um dos planetas em nossa amostra são verdadeiramente habitável. Tudo o que podemos dizer é que eles estão prometendo serem candidatos”.

Nenhum dos planetas são nossos vizinhos mais próximos. Kepler-438B está localizado 470 anos-luz da Terra, enquanto o mais distante Kepler-442b é de 1.100 anos-luz de distância. A equipe, cujos resultados foram apresentados na reunião anual da Sociedade Astronômica Americana, em Washington DC, estudou candidatos planetários primeiro identificados pelo telescópio espacial Kepler, da Nasa. A pesquisa também foi publicada no Astrophysical Journal.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.