Nos 30 anos do telescópio Hubble, Nasa divulga imagem inédita

Nos 30 anos do telescópio Hubble, Nasa divulga imagem inédita

abril 26, 2020 0 Por Romário Nicácio

A Agência Nacional de Espaço e Aeronáutica dos Estados Unidos (Nasa) está comemorando os 30 anos do Telescópio Espacial Hubble, revelando a beleza e o mistério do espaço ao divulgar uma nova e impressionante imagem de uma nebulosa (nuvens formadas por poeira cósmica, hidrogênio e gases ionizados a partir de restos de estrelas) em uma galáxia vizinha.

A imagem do Hubble mostra a nebulosa vermelha gigante (NGC 2014) e sua vizinha azul menor (NGC 2020), que fazem parte de uma vasta região de formação de estrelas na Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite da Via Láctea, localizada a uma distância de 163.000 anos-luz. A imagem foi chamada de “Recife Cósmico”, porque se assemelha ao mundo submarino.

O telescópio Hubble foi lançado há 30 anos, no dia 24 de abril de 1990, a bordo do ônibus espacial Discovery, juntamente com uma equipe de cinco astronautas. Entrando na órbita da Terra um dia depois, o telescópio abriu um novo olho no cosmos que transformou nossa civilização.

O Hubble está revolucionando a astronomia moderna, não apenas para os cientistas, mas também levando o público a uma maravilhosa jornada de exploração e descoberta. Diferente de qualquer telescópio espacial anterior, o Hubble tornou a astronomia relevante, envolvente e acessível para pessoas de todas as idades. As imagens icônicas do telescópio espacial redefiniram nossa visão do universo e nosso lugar no tempo e no espaço.

“O Hubble nos deu idéias impressionantes sobre o universo, desde planetas próximos às galáxias mais distantes que já vimos até agora”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado de ciências da sede da NASA em Washington, DC. “Foi revolucionário lançar um telescópio tão grande. Há 30 anos, e esta potência astronômica ainda hoje oferece ciência revolucionária. Suas imagens espetaculares capturam a imaginação há décadas e continuarão a inspirar a humanidade nos próximos anos.”

Livre da atmosfera turva da Terra, o observatório espacial revela o universo com uma nitidez cristalina sem precedentes em uma ampla gama de comprimentos de onda, do ultravioleta ao infravermelho próximo.

As principais realizações do Hubble incluem medir a taxa de expansão e aceleração do universo; descobrir que buracos negros são comuns entre galáxias; caracterizar as atmosferas de planetas ao redor de outras estrelas; monitorar as mudanças climáticas nos planetas em todo o sistema solar; e olhar para trás no tempo em 97% do universo para registrar o nascimento e a evolução de estrelas e galáxias.

O Hubble produziu até agora 1,4 milhão de observações e forneceu dados que astrônomos ao redor do mundo usaram para escrever mais de 17.000 publicações científicas revisadas por pares, tornando-o o observatório espacial mais prolífico da história. Somente seus dados de arquivo abastecerão futuras pesquisas astronômicas nas próximas gerações.

A longevidade do Hubble pode ser atribuída a cinco missões de manutenção de ônibus espaciais, de 1993 a 2009, nas quais os astronautas atualizaram o telescópio com instrumentos avançados, novos eletrônicos e reparos em órbita. Espera-se que o observatório, com seu conjunto de câmeras e outros instrumentos, permaneça operacional durante a década de 2020, em sinergia com o próximo Telescópio Espacial James Webb.