Ministro Weintraub diz que universidades que mantêm atividades em pandemia serão premiadas

abril 18, 2020 0 Por Rafael Nicácio
Ministro Weintraub diz que universidades que mantêm atividades em pandemia serão premiadas

Mesmo com a recomendação de autoridades sanitárias para que o isolamento social seja mantido, com o objetivo de combater o avanço do novo coronavírus (Covid-19), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, se posicionou neste sábado (18) a favor da volta às aulas e afirmou que as universidades que estão mantendo as aulas serão premiadas.

Em uma postagem no Twitter na qual o ministro garante que haverá Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), um internauta questionou sobre as universidades que estão paradas. “Autonomia universitária… Porém, as que estão dando aulas receberão mais recursos e serão premiadas. Há joio e há trigo…”, respondeu Weintraub.

O chefe da pasta também estimulou estudantes a se organizarem para pressionar reitores e diretores por aulas à distância. “Os estudantes parados devem se organizar e pressionar reitores/diretores por aulas à distância. Vocês são adultos! Lutem pelo seu futuro!”.

Em outras respostas sobre o funcionamento de escolas particulares, por mais de uma vez Weintraub citou os governadores. “Tento ajudar, porém, alguns governadores pararam o Brasil”, disse.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) criticou a postagem do ministro. “Ao se negar a adiar a prova do Enem e ameaçar as universidades, dizendo que aquelas que estão mantendo as aulas receberão mais recursos, o que ele está fazendo é mais uma vez sendo completamente irresponsável e demonstrando sua grande falta de conhecimento da realidade do Brasil”, disse.

O presidente da Comissão de Educação da Câmara, deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), também discordou do ministro. “É um critério muito delicado porque as universidades que não estão tendo aula estão por um motivo óbvio que é o combate dessa crise e para diminuir o número de mortes”, disse. “Temos de ter um entendimento de que quem está ficando em casa não fica porque quer. Discordo desse critério e faço a defesa de quem parou as atividades”, afirmou.