Maia defende a criação de uma renda mínima após pandemia
Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Maia defende a criação de uma renda mínima após pandemia

junho 11, 2020 0 Por Romário Nicácio

Nesta quinta-feira (11), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, voltou a defender a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600. Ele disse ainda que é inevitável a discussão a respeito da criação de uma renda mínima permanente para o período da pós-pandemia como uma maneira de contornar os efeitos da crise econômica, principalmente entre os trabalhadores informais.

“Um grupo de parlamentares está analisando os programas do governo já existentes e estamos vendo a melhor maneira de alocar recursos, mas criar uma renda permanente não é tão simples: temos que encontrar uma fonte no Orçamento e essa discussão tem que avançar este ano”, disse ele em entrevista à GloboNews.

Leia também:

“A gente não pode gastar mais R$ 100 bilhões”, diz Bolsonaro sobre o auxílio emergencial

Novos aprovados no auxílio emergencial recebem 1ª parcela na próxima terça (16)

FGTS emergencial: governo autoriza abertura automática de poupança digital na Caixa

Governo deve pagar mais duas parcelas de R$ 300 do auxílio emergencial

Maia mencionou, entre as possíveis fontes de financiamento desses programas, a redução de subsídios tributários, uma “repactuação” das deduções previstas hoje no Imposto de Renda e mudança no uso de recursos previstos hoje para outros fins, como salário de servidores públicos – medida que, segundo ele, teria que ser adotada por todos os Poderes e atingir apenas os salários mais altos.

“Existe muita distorção: 70% das deduções ficam com o andar de cima da sociedade”, disse. Para o presidente da Câmara, o custo de não prorrogar o prazo do auxílio emergencial é muito maior para a sociedade que o custo de prorrogar os pagamentos.

Leia também: