Foto: Wikimedia Commons

(ANSA) – A Ku Klux Klan (KKK) completa 150 anos. Há um século e meio da sua criação, o grupo que prega a supremacia da raça branca parece ressurgir com as ideias fomentadas pelo candidato republicano à Casa Branca, o magnata Donald Trump.

No sul dos Estados Unidos, continuam sendo realizados rituais com as tradicionais vestimentas brancas e capuz. De acordo com uma reportagem da AP, os líderes da KKK acreditam que tem ganhado força a mentalidade de “nós contra eles”, como as propostas de Trump de limitar a entrada de imigrantes – apoiada pelo clã desde os anos 1920 –. Além disso, a KKK afirma que o número de afiliados cresceu desde a reeleição do presidente Barack Obama, em 2012, mas não quis revelar os dados exatos.

Em fevereiro, um ex-líder da KKK, David Duke, declarou apoio a Trump explicitamente. O magnata, por sua vez, não pareceu se incomodar. Seus rivais, inclusive dentro Partido Republicano, como os pré-candidatos Marco Rubio e Ted Cruz, criticaram-no duramente por não ter rejeitado o apoio. Trump lançou sua pré-candidatura à Presidência dos EUA há mais de um ano e, durante este período, fez declarações polêmicas sobre gays, imigrantes mexicanos, muçulmanos e terrorismo.

Criada no fim do século 19, a KKK participou dos episódios mais obscuros da história dos Estados Unidos. Fundada em 24 de dezembro de 1865, a organização ganhou força em 1866, no Tennesssee como um clube social que reunia veteranos confederados, a KKK promovia atos de violência, perseguições e intimidação contra negros.

A KKK teve três movimentos desde sua criação, sendo que a formação mais recente possui de cinco mil a oito mil apoiadores. Mas todos preferem manter o anonimato.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.