RN

Kelps repudia prisão de Bombeiro potiguar que enviou áudio por WhatsApp

O deputado Kelps Lima (Solidariedade) criticou a prisão do presidente da Associação dos Bombeiros Militares do RN, Dalchem Viana do Nascimento Ferreira, ocorrida na manhã desta quarta-feira (29). Em pronunciamento na sessão plenária, o parlamentar afirmou que está indignado.

“Não vejo nada de bom no atual Governo, mas era só o que estava faltando, mandar prender militar. Quero fazer o meu registro de indignação, da gente ter um membro de segurança preso por três dias, sem poder ver a sua família. Ele é um homem de bem, é inconcebível e questiono se isso está correto”, repudiou o parlamentar.

De acordo com as notícias divulgadas pela imprensa, o militar foi preso por ter ferido o regimento interno da corporação, que proíbe manifestações em redes sociais. Ele teria postado um áudio convocando os membros para uma reunião no quartel.

Foto: G1/RN

Kelps Lima afirmou que a prisão se trata de um absurdo: “O RN está vivendo, pelo segundo ano consecutivo, um dos anos mais violentos da sua história. Nunca se matou tanta gente e vem o Governo mandar prender um agente de segurança”, afirmou.

O deputado disse que a situação do efetivo é crítica: “Os policiais não tem o que comer, não tem vale alimentação e tem que estar mendigando comida. Sem falar que os policiais que trabalharam no carnaval de Caicó ainda não receberam as suas diárias operacionais”, afirmou.

Em aparte, o deputado Fernando Mineiro (PT) se somou às críticas. “Estamos diante de um fato de extrema gravidade. Aqui ainda se mantém o regulamento disciplinar da época da ditadura e essa é uma demanda que precisa ser resolvida”, afirmou o deputado, que defendeu a modernização do regime disciplinar dos militares do RN.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.