Educação

Jovens brasileiros defendem aumento de investimento em projetos científicos

Uma pesquisa divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revela que 60% dos jovens brasileiros são favoráveis ao aumento dos investimentos do país na ciência. O estudo diverge dos cortes orçamentários para projetos científicos, como exemplo a provável suspensão das bolsas do CNPq. Além disso, reforça aos olhos dos jovens pesquisadores o quanto é fundamental a produção cientifica para a evolução do país.

A pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia voltada para a Comunicação Pública com pessoas entre 15 e 24 anos mostra ainda o tipo de interesse dos jovens brasileiros na ciência: 80% disseram que se interessam pelo meio ambiente, 74% por medicina e saúde e 67% por ciência e tecnologia. A estudante da Escola SESI, Fernanda Marinoski, 15 anos, se descobriu na área científica quando assistiu a apresentação sobre o projeto de iniciação cientifica. “Lá somos estimulados a ter mais responsabilidade e nossa criatividade é explorada ao extremo”, pontua a aluna.

Marinoski, que estuda o 1º ano do ensino médio, iniciou no projeto no curso de inovações tecnológicas em maio deste ano. “Eu e meu grupo estamos em período de formação, que dura um semestre. Nesses seis meses aprendemos o básico: manusear ferramentas, programação, trabalhamos muito com placas do tipo arduíno e etc”, explica sobre a formação que é imprescindível para começar a realizar pesquisas na área.

Na Escola SESI-BA, os estudantes aprendem a construir seu conhecimento a partir da pesquisa em iniciação científica, empreendedorismo e tecnologia. De acordo com o especialista responsável pela Iniciação Científica na rede SESI Bahia, Fernando Moutinho, os desafios e problemáticas do cotidiano dos alunos são utilizados como base para desenvolvimento e prototipagem de soluções tecnológicas e sinérgicas ao meio ambiente e indústria.

“O maior interesse de nossos estudantes está voltado para as áreas de ciências da natureza e matemática, como biotecnologia, programação computacional, robótica e engenharia. No entanto, também temos projetos de pesquisa desenvolvidos em outras áreas como ciências humanas e linguagens”, observa Moutinho.

A aluna da Escola SESI ainda está construindo a sua ideia de linha pesquisa, mas já tem certeza do que quer do futuro. “Meu objetivo é concluir o curso e me formar em engenharia mecânica, planeja Marinoski.

Participação de Eventos Científicos

Os estudantes da Escola SESI participam das principais feiras de iniciação científica nacional, como a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE, USP – São Paulo/SP) e a Mostra Brasileira e Internacional de Ciência e Tecnologia (MOSTRATEC, Fundação Liberato, Novo Hamburgo/RS).

“No ano de 2018, conquistamos duas vagas na delegação brasileira para representar o Brasil na maior Feira de Iniciação Científica do mundo, a Feira Internacional de Ciências e Engenharia Intel (International Science and Engineering Fair, INTEL-ISEF) realizada anualmente nos Estados Unidos”, pontua Moutinho. As participações rendem premiações como bolsa de iniciação científica júnior do CNPQ, credenciais em Feiras Nacionais e Internacionais, além de prêmios como tablets, medalhas, troféus e certificados.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.