ITEP coleta dados biométricos no sistema prisional em ação inédita no país

ITEP coleta dados biométricos no sistema prisional em ação inédita no país

ITEP coleta dados biométricos no sistema prisional em ação inédita no país

Rafael Nicácio novembro 9, 2020 Destaques

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) em parceria com a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) está realizando, a partir desta segunda-feira (09), um trabalho de coleta de impressões digitais com todas as pessoas apenadas e restritas de liberdade no Rio Grande do Norte. O chamado Cadastramento com Identificação Biométrica do Sistema Prisional terá início no presídio da cidade de Ceará-Mirim, e irá coletar informações de aproximadamente oito mil pessoas, entre homens e mulheres.

O objetivo da coleta de dados, que é uma ação inédita no Brasil, é principalmente evitar casos de falsidade ideológica e impedir que inocentes paguem por crimes no lugar dos verdadeiros culpados. Além disso, o projeto visa alimentar a base de dados de impressões digitais do Itep, o que pode facilitar a resolução de crimes a partir do confronto papiloscópico. No planejamento da instituição, as coletas irão acontecer em todos os presídios do Rio Grande do Norte. Outro aspecto importante dentro da ação é a utilização, por parte dos servidores do Itep, de ferramentas e equipamentos próprios da Instituição.

Intermediador do processo, o juiz Henrique Baltazar dos Santos, titular da Vara de Execuções Penais de Natal, destacou a importância do trabalho para o sistema. “Posso resumir este trabalho com uma palavra: confiabilidade. Todos os sistemas de identificação têm que ser confiáveis, e é isto que estamos querendo aqui no Estado”, disse o magistrado.

O diretor do Itep, perito Marcos Brandão, ressaltou a intenção da instituição em integrar cada vez mais as informações genéticas para o bom serviço na segurança pública. “O trabalho de fato é inédito e muito importante, pois com essa coleta iremos aliar a impressão digital ao DNA, o que irá favorecer muito as ações integradas entre os órgãos que fazem parte do sistema estadual de segurança”, comentou.

Diretor da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, Pedro Florêncio Filho apontou o ganho a partir dessa ação. “A coleta de dados biométricos vai trazer efetivamente mais segurança, controle e transparência ao sistema prisional”, explicou Pedro.

Outros artigos