CiênciaDestaques

Implante cerebral permite que uma mulher cega veja formas simples

Matriz aumenta a esperança de um novo tratamento para a cegueira

Cientistas “permitiram” que uma mulher espanhola completamente cega visse formas básicas, colocando uma matriz de eletrodos diretamente em seu córtex visual. Isso permitiu aos pesquisadores estimular grupos específicos de neurônios, resultando na geração de imagens brutas no campo de visão da paciente.

Relatando suas descobertas no Journal of Clinical Investigation, os autores do estudo descreveram como inseriram o implante no cérebro de uma voluntária de 57 anos que estava totalmente cega há 16 anos. Os 96 eletrodos do aparelho foram posicionados estrategicamente para permitir a ativação elétrica do “mapa retinotópico” da paciente, que consiste em neurônios que se organizam espacialmente para corresponder a pontos do campo visual.

A estimulação desses neurônios produziu formas básicas conhecidas como fosfenos, que são constituídas por pontos brancos ou linhas de luz. Às vezes chamadas de “flutuadores”, essas estranhas aparições são frequentemente experimentadas depois que esfregamos os olhos ou olhamos para uma fonte de luz brilhante. Segundo os autores do estudo, a paciente demorou dois meses de treino diário até conseguir distinguir entre os fosfenos espontâneos e os gerados pelo implante .

Com o tempo, no entanto, ela se tornou mais hábil na identificação das formas produzidas pelo dispositivo e foi finalmente capaz de distinguir formas distintas. Por exemplo, ao estimular neurônios específicos em seu mapa retinotópico, os pesquisadores foram capazes de criar fosfenos que se pareciam com letras.

Eventualmente, o paciente foi capaz de detectar as letras I, L, C, V e O com 70 por cento de precisão. No entanto, os autores do estudo afirmam que “[a] embora várias combinações de eletrodos evocassem percepções que se assemelhavam a letras (como um ‘U’ invertido ou um ‘T’ girado), não fomos capazes de induzir a percepção de todas as letras do alfabeto.”

Os pesquisadores também criaram um jogo no qual a paciente precisava determinar se uma animação mostrava Maggie Simpson atirando para a esquerda ou para a direita, enquanto o eletrodo estimulava os neurônios apropriados para revelar a direção do movimento.

Perto do final do experimento de seis meses, os autores do estudo equiparam a paciente com uma câmera tipo head-mounted que convertia as entradas visuais em sinais que eram enviados aos eletrodos, permitindo-lhe “escanear a cabeça” dos objetos à sua frente. Usando esse dispositivo, ela conseguiu distinguir uma série de barras pretas e brancas impressas em uma tira de papelão e identificou um quadrado branco que aparecia em locais aleatórios em uma tela preta.

Em nota, o autor do estudo Eduardo Fernández explicou que “esses resultados são muito empolgantes porque demonstram segurança e eficácia e podem ajudar a realizar um sonho antigo de muitos cientistas, que é a transferência de informações do mundo externo diretamente para o visual córtex de indivíduos cegos, restaurando assim uma forma rudimentar de visão”.

Apesar disso, ele insiste que ainda há muito trabalho a ser feito antes que essa tecnologia possa ser usada para ajudar a restaurar a visão em pessoas cegas. “Devemos estar cientes de que ainda há uma série de questões importantes sem resposta e que muitos problemas precisam ser resolvidos antes que uma prótese visual cortical possa ser considerada uma terapia clínica viável”, disse ele.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo