Igrejas e templos religiosos são considerados essenciais no RN
Imagem de Pexels por Pixabay

Igrejas e templos religiosos são considerados essenciais no RN

Foi sancionada e publicada neste sábado, dia 24 de abril, a Lei nº 10.871 que estabelece as igrejas e os templos religiosos de qualquer culto “como atividade essencial em períodos de calamidade pública” no Rio Grande do Norte.

No entanto, a classificação como atividade essencial não obriga a abertura dos templos. Porém, o funcionamento deverá seguir algumas regras, como vedar a participação:

  • de idosos com 60 anos de idade ou mais;
  • de pessoas que possuam algum problema de saúde ou estejam com algum sintoma de gripe ou Covid-19;
  • de pessoas que estejam convivendo com infectados pelo Coronavírus;
  • de pessoas que tenham reprovação da família para participar presencialmente;
  • de crianças.

A matéria que estabelece as igrejas e os templos de qualquer culto como atividade essencial em períodos de calamidade pública, é de autoria do deputado Albert Dickson (PROS). “Em meio a tantos problemas, temos que nos preocupar também com a crise existencial, de alma”, destacou o deputado. De acordo com o parlamentar, o índice de depressão aumentou cerca de 45% nas pessoas que estão dentro de casa. “Claro que o funcionamento é limitado e com restrição para garantir a segurança”, justificou.

A lei anda prevê que o funcionamento deve ocorrer com a capacidade de pessoas limitada a 30% da igreja ou templo, além de seguir algumas indicações:

  • Entre uma pessoa e outra que haja o espaçamento de uma poltrona para os lados esquerdo e direito, como também para frente e para trás.
  • Ao final das celebrações os organizadores devem tomar as providencias para que os fiéis, mantenham o distanciamento de um metro e meio, e não fiquem aglomerados.
  • Não será utilizado sistema de ar-condicionado ou qualquer tipo de ventilação artificial.

O descumprimento desses protocolos, notificado pelos órgãos de fiscalização, acarretará o “não funcionamento da igreja ou do templo pelo período em que durar o plano de contingência”.

A lei também deixa claro que fica suspensa a efetividade da mesma “em caso de decretação de isolamento social rígido (lockdown) por autoridade municipal ou estadual, enquanto a medida perdurar”.

Clique aqui e confira a Lei na íntegra.

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: