HRW critica autoritarismo no mundo e cita Bolsonaro

janeiro 17, 2019 0 Por João Pedro
HRW critica autoritarismo no mundo e cita Bolsonaro

ONG disse que resistência contra autoritarismo tem crescido

(ANSA) – A ONG Human Rights Watch (HRW) divulgou nesta quinta-feira (17) seu relatório anual e apontou o crescimento da oposição e de movimentos de resistência a líderes autoritários. O relatório de 2019 contém 674 páginas e analisa as políticas de direitos humanos em mais de 100 países. O documento destaca que o fenômeno atual não é a onda de autoritarismo no mundo, mas sim, o crescimento da oposição a este autoritarismo. Como exemplo, a ONG citou a pressão para a investigação da morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assim como as campanhas contra a limpeza étnica dos Rohingyas em Myanmar e a tentativa de encerrar o conflito na República Democrática do Congo.
    “Mesmo nas democracias ocidentais, políticas autocráticas têm sido avançadas por líderes como o italiano Matteo Salvini e o americano Donald Trump”, disse o diretor executivo da Human Rights Watch, Kenneth Roth. “Os populistas que difundem ódio e intolerância estão gerando uma resistência: os excessos do domínio autocrático estão alimentando um contra-ataque”, concluiu. “Hoje, os autocratas tentam minar a democracia e demonizar as minorias vulneráveis para ganharem apoio popular”, criticou o relatório da ONG.
    Brasil – No capítulo sobre o Brasil no relatório, a ONG, além de citar Bolsonaro como um líder autoritário, aponta que o Brasil enfrenta uma superlotação do sistema carcerário e uma epidemia de violência doméstica. “Isso não pode reduzir o problema. O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, é o último exemplo autoritário. Bolsonaro se une a uma série de figuras como o turco Erdogan, o egípcio Al Sisi, o filipino Duterte, o húngaro Orban, o russo Putin e o chinês Xi Jinping”, disse Kenneth Roth.
    De acordo com a Human Rights, 842 mil pessoas estavam presas no Brasil em dezembro de 2018, apesar do sistema carcerário ter capacidade para apenas metade. Sobre a violência doméstica, a ONG elogiou a Lei Maria da Penha, porém apontou falhar no sistema, principalmente no atendimento às vítimas, com delegacias especializadas em número insuficiente para toda a população feminina. “Lamentavelmente, podemos dizer que, no Brasil, há uma epidemia de violência doméstica, que não é suficientemente abordada, protegida, atendida pela parte do Estado”, afirmou José Miguel Vivanco, diretor para a divisão das Américas da Human Rights Watch.
    O número de assassinatos também chamou a atenção da ONG. Em 2017, o número de homicídios bateu recorde: 64 mil. Porém, apenas 12 mil foram denunciados pelo Ministério Público.