Destaques, Economia

Governo anuncia que rombo fiscal em 2017 será de R$ 159 bilhões

dinheiro
Foto: Divulgação

(ANSA) – Após diversos adiamentos, o governo federal anunciou nesta terça-feira (15) um aumento de 14,3% na previsão de déficit fiscal para 2017.

Com isso, o Brasil deve encerrar o ano com um rombo de R$ 159 bilhões nas contas públicas, sendo que a projeção anterior era de R$ 139 bilhões. O déficit de 2017 ainda deve se repetir em 2018, o que representa um número 23,2% pior do que a primeira previsão para o ano que vem, que era de R$ 129 bilhões.

Além disso, as metas de 2019 e 2020 foram fixadas em déficit de R$ 139 bilhões e R$ 65 bilhões, respectivamente. Se essas cifras se confirmarem, o governo registrará cinco exercícios seguidos fechando no vermelho, já que em 2016 as contas públicas tiveram um saldo negativo de R$ 154,2 bilhões. A mudança nas projeções para a meta fiscal precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional.

A previsão anterior para 2017 havia sido anunciada em julho do ano passado, quando Michel Temer ainda ocupava a Presidência de forma interina, mas o governo não conseguiu, ao longo desse período, economizar gastos como se esperava. Além disso, a crise econômica reduziu a arrecadação tributária.

Recentemente, a equipe econômica anunciou um aumento nas alíquotas do PIS/Cofins sobre os combustíveis para elevar as receitas federais em R$ 10 bilhões em 2017, porém isso não foi suficiente para evitar a revisão da meta fiscal.

michel temer

Foto: Beto Barata/PR

Por outro lado, Temer liberou R$ 2,1 bilhões em emendas parlamentares a deputados entre janeiro e julho, sendo R$ 2,02 bilhões apenas em junho, quando a Câmara recebeu a denúncia por corrupção passiva contra o presidente. Os dados são da ONG Contas Abertas.

O anúncio do aumento do déficit foi adiado em duas ocasiões por conta dos impasses entre as alas política e econômica do governo. A primeira queria uma meta fiscal com rombo maior, para permitir mais gastos, porém a segunda acabou vencendo o cabo de guerra.

Segundo o Banco Central, o déficit primário nos 12 meses encerrados em julho foi de R$ 167,2 bilhões, valor equivalente a 2,52% do Produto Interno Bruto (PIB). Para tentar equilibrar as contas, o governo planeja arrecadar R$ 14,5 bilhões a mais com aumento de impostos a partir de 2018.

Entre as medidas propostas pelo Planalto estão a elevação da tributação sobre a folha de pagamento e o aumento da contribuição previdenciária de servidores públicos de 11% para 14%, mas apenas nos salários superiores a R$ 5,3 mil.

Além disso, o governo promete adiar por um ano o reajuste do funcionalismo público e instituir um teto salarial de R$ 33,4 mil. (ANSA)

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.