Gás de cozinha vai subir quase 6% nesta segunda-feira (14)

Gás de cozinha vai subir quase 6% nesta segunda-feira (14)

Gás de cozinha vai subir quase 6% nesta segunda-feira (14)

Desde o início do governo Bolsonaro, o produto acumula alta de 57% nas refinarias da Petrobras

Rafael Nicácio junho 13, 2021 Destaques

A Petrobras vai elevar em 5,9% o preço médio do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o chamado gás de cozinha, a partir desta segunda-feira (14).

É o décimo-quarto aumento consecutivo no preço do gás de cozinha, após um período de queda no início da pandemia. Desde o início do governo Bolsonaro, o produto acumula alta de 57% nas refinarias da Petrobras.

Considerando um botijão de 13 quilos, o aumento é de R$ 1,09, passando a R$ 44,20. Os repasses, porém, dependem de políticas comerciais de distribuidores e revendedores e de variações na carga tributária. Para tentar aliviar o consumidor, o governo isentou o produto de impostos federais a partir de março, mas o benefício foi engolido por reajustes nas refinarias.

A escalada do preço do gás de botijão em meio à crise econômica gerada pela pandemia reacendeu no Congresso o debate sobre políticas sociais para subsidiar o combustível à população de baixa renda, que vem apelando a lenha ou carvão para cozinhar suas refeições.

Os aumentos ganharam força no fim de 2019, após o fim do subsídio cruzado dado pela Petrobras desde 2003, quando o governo Luiz Inácio Lula da Silva determinou que a empresa vendesse mais barato o gás envasado em botijões de 13 quilos.

A desvalorização cambial acrescentou outro ingrediente ao problema, pressionando ainda mais os preços nas refinarias, que seguem as cotações internacionais do petróleo e as variações do dólar. Em fevereiro, o preço final do botijão de gás atingiu recorde histórico no país.

Nos comunicados sobre reajustes divulgados, a Petrobras diz que “busca evitar o repasse imediato para os preços internos da volatilidade externa”, mas que “segue buscando o equilíbrio com o mercado internacional”.

“O alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”, afirma a empresa.

Outros artigos