Economia

Fim do parcelamento sem juros segue em debate no Brasil

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Proposto pelo setor de cartões de crédito no início do ano, o fim da prática do parcelamento sem juros deverá ser um dos principais temas de debates no comércio ao longo de 2018. Essa medida, que tem como justificativa a redução de custos e maior agilidade no repasse do valor, possui grande rejeição tanto entre os consumidores quanto entre varejistas.

Em debate desde 2016, a proposta do setor de cartões de crédito é substituir o atual modelo por um novo, em que é oferecido um crediário ao consumidor para que o mesmo possa utilizá-lo para parcelar compras em qualquer loja. Como contrapartida para o comércio, as operadoras de cartões reduziriam o prazo para repasse do valor para os lojistas para cinco dias. Atualmente o repasse ocorre 30 dias após a compra.

Em recente evento da Câmara Espanhola de Comércio, o presidente do Banco Central afirmou que a autoridade monetária busca reduzir os custos do sistema de cartões, aproximando o modelo das práticas internacionais, porém não prevê a extinção do método de parcelamento sem juros. Ele ainda ressaltou que o BC pretende estimular o uso de meios eletrônicos de pagamento, como o cartão, por ser mais eficiente e seguro que o papel moeda.

No setor de e-commerce, o cartão de crédito é essencial, sendo utilizado em 62% das compras efetuadas em 2017, conforme estudo do E-Commerce Radar Atlas, sendo mais da metade delas com pagamento parcelado. Neste cenário, uma mudança na forma de parcelamento pode afugentar o consumidor, como explica Adriana Maia da loja virtual Impressora.com:

“Claro que o melhor cenário, tanto para o comerciante quanto para o consumidor, é o pagamento à vista, onde recebemos antes e podemos oferecer o melhor valor para o cliente. Porém, quando pretende comprar um produto de alto valor, o parcelamento torna-se a forma mais viável para muitos deles. Inserir juros em cada parcela pode fazer com que o cliente decida segurar ou mesmo desistir da venda”.

O Banco Central pretende continuar os debates com operadoras e varejistas, visando reduzir as taxas incidentes sobre as operações de débito, e também sobre o parcelamento sem juros. No momento irá priorizar a questão do débito, que considera de mais fácil solução, para posteriormente analisar o parcelamento de cartões.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

One comment

  1. 1

    Lamentável se o BC aprovar isto, visto que não mudará em nada o lucro e a renda mensal dos comerciantes. Apenas aumentará o custo para os populares.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.