CoronavírusDestaques

Falta de higiene bucal pode aumentar o risco de COVID

Pesquisa revela que pessoas com problemas de saúde bucal podem acabar com sintomas mais graves se contraírem o coronavírus

Não escovar os dentes é algo bastante anti-higiênico e, desde a chegada da pandemia, esse péssimo hábito também pode acarretar em problemas maiores. Há evidências crescentes de que a má saúde bucal aumenta o risco representado pelo COVID.

A pesquisa mostra que pessoas com problemas de saúde bucal podem acabar com sintomas mais graves se contraírem o coronavírus. Pacientes com COVID que também têm doença gengival têm 3,5 vezes mais probabilidade de irem para uma unidade de terapia intensiva (UTI) em comparação com aqueles sem. Eles também têm 4,5 vezes mais probabilidade de precisar ser colocados em um respirador e nove vezes mais probabilidade de morrer de COVID.

Isso pode parecer chocante, mas o fato de haver uma ligação entre saúde bucal e COVID é menos surpreendente quando se considera a ligação entre higiene bucal e outras doenças. A falta de higiene bucal tem sido associada ao agravamento de muitas outras doenças. Principalmente, isso acontece quando a má higiene é mantida por longos períodos, levando à disbiose – onde as bactérias na boca mudam de um “estado de paz” para um “estado agressivo”.

Uma vez que as bactérias da boca se agravam, elas podem causar doenças nas gengivas, mastigando os tecidos da boca e entrando na corrente sanguínea. E uma vez lá, a bactéria pode fluir pelo corpo e se estabelecer em vários órgãos, aumentando os níveis de inflamação e, com o tempo, contribuindo para várias condições específicas e crônicas.

Na verdade, se isso acontecer, dificilmente haverá uma parte do corpo que não possa ser potencialmente afetada. Uma saúde bucal deficiente pode ter impacto no coração, aumentar a pressão arterial e piorar o diabetes ao elevar os níveis de açúcar no sangue. Ela também tem sido associada a partos prematuros, artrite, doenças renais, doenças respiratórias e até mesmo algumas doenças neurodegenerativas, incluindo Alzheimer.

O mesmo acontece com o COVID?

Falta de higiene bucal pode aumentar o risco de COVID
Foto: Faboi / Shutterstock

Possivelmente. Em comparação com aqueles com sintomas leves ou moderados, as pessoas com COVID grave têm níveis elevados de um marcador inflamatório específico (chamado CRP). Algumas pessoas com COVID grave também sofrem o que é chamado de “tempestade de citocinas”, em que o sistema imunológico entra em ação acelerada lutando contra o vírus e prejudica os próprios tecidos do corpo ao mesmo tempo.

Pesquisas mostram que pessoas com saúde bucal precária às vezes também apresentam níveis elevados de PCR e citocinas – o que sugere que a doença gengival pode desencadear o mesmo tipo de resposta imune zelosa que o COVID (embora em menor grau). Portanto, se as duas doenças forem encontradas ao mesmo tempo, com o coronavírus e as bactérias bucais agressivas circulando no sangue, é possível que elas juntas possam fazer com que a resposta imunológica prejudique os próprios tecidos do corpo, levando a resultados piores para as pessoas.

No entanto, atualmente sabemos pouco sobre como exatamente a higiene oral e o COVID interagem, e pode ser que eles estejam se combinando de outras maneiras para piorar a doença também.

Por exemplo, um grande problema com COVID e outras doenças virais respiratórias são as superinfecções bacterianas. É aqui que as áreas diretamente infectadas pelo vírus – como os pulmões e as vias respiratórias – são simultaneamente infectadas com bactérias.

As superinfecções bacterianas são comuns em pessoas com COVID e são significativamente mais comuns em pessoas com doença grave. Não se sabe exatamente qual é o impacto que elas têm, mas é razoável supor que essas infecções simultâneas aumentem o risco de doenças graves e morte. Durante a pandemia, estudos descobriram que uma grande proporção de pessoas que morreram de COVID – em alguns casos, 50% – também foram infectadas com bactérias ao mesmo tempo.

Se a higiene oral de alguém for deficiente, isso pode aumentar o risco de uma superinfecção. Uma higiene oral deficiente significa bactérias mais agressivas na boca, que poderiam então ser facilmente entrar nas vias respiratórias e nos pulmões para iniciar uma superinfecção.

Além disso, a má saúde bucal também pode ajudar o coronavírus a infectar o corpo. As enzimas das bactérias que causam doenças gengivais podem alterar a superfície da boca e do trato respiratório, tornando mais fácil para outros micróbios – como o coronavírus – aderir a essas superfícies e crescer ali.

Falta de higiene bucal pode aumentar o risco de COVID

Com o passar do tempo, ficará mais claro exatamente como a saúde bucal afeta o progresso do COVID. Pode ser que, para algumas pessoas, todos esses mecanismos estejam em ação ao mesmo tempo.

Mas, por enquanto, há evidências suficientes para considerar a má higiene bucal um fator de risco para complicações em quem tem COVID – e especialmente em quem já sofre de doenças como diabetes, hipertensão ou doenças cardiovasculares, pois podem ser agravados por problemas de saúde bucal e são eles próprios fatores de risco para COVID.

Portanto, é mais importante do que nunca manter uma higiene oral adequada. Isso significa escovar duas vezes por dia por pelo menos dois minutos com um creme dental contendo flúor e ir ao dentista regularmente. Esperamos que você não seja infectado pelo coronavírus, mas se infelizmente for, ter uma boa saúde bucal e cuidar da boca pode reduzir significativamente o risco de desenvolver sintomas graves.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo